13maio/190

Controlador do DF poderá demitir servidores, após decisão judicial

A decisão consta em decreto publicado nesta segunda-feira (13/05/2019) no Diário Oficial do DF

Rafaela Felicciano/Metrópoles

RAFAELA FELICCIANO/METRÓPOLES

A mudança foi publicada na edição desta segunda-feira (13/05/2019) do Diário Oficial do DF (DODF). Segundo o Decreto nº 39.701, de 7 de março de 2019, a Controladoria-Geral terá também as atribuições de analisar pedidos de revisão de processos disciplinares.

Conforme o texto, assinado pelo próprio governador Ibaneis Rocha, a CGDF ainda terá a competência para reintegrar ex-servidores, no caso de decisões judiciais.

Neste ano, a CGDF assumiu a gestão dos processos administrativos disciplinares (PADs). Muitos não avançavam, seja para condenar ou absolver os servidores. Alguns se arrastavam por 24 anos sem conclusão. Até março, o órgão investigava 142 ações.

Reprodução/DODF

 

 

 

 

 

Segundo a Controladoria-Geral do Distrito Federal (CGDF), em 2018, foram analisados 93 PADs que resultaram na expulsão de 40 servidores. No ano anterior, dos 93 processos administrativos disciplinares verificados, 64 levaram à exoneração de pessoas com empregos ditos “estáveis”. Em 2016, as 65 análises realizadas culminaram em 37 demissões.

Em 2019, o soldado da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) Ronan Menezes do Rego, 28 anos, abriu a lista de dispensados do serviço público. Ele foi “licenciado a bem da disciplina” por ter matado a tiros a ex-namorada Jéssyca Laynara da Silva Souza, 25, em Ceilândia. O homicídio ocorreu em 5 de maio de 2018.

A Lei Complementar nº 840/11 rege os servidores públicos do DF. Ela prevê, nos casos de atividades ilícitas, que os funcionários respondam penal, civil e administrativamente pelo exercício irregular de suas atribuições.

Segundo o controlador-geral do Distrito Federal, Adelmario Araújo Castro, o prazo para conclusão de um PAD é de três meses, prorrogável por igual período, somados a 20 dias de julgamento, totalizando 140 dias. “Esse é o tempo adequado. Quando extrapola um, dois, três anos, não é natural. Quando o processo atrasa muito, é na fase de instrução. Por isso, vamos criar condições para que ele transcorra de forma mais rápida justamente nesse período”, ressaltou em entrevista concedida em março ao Metrópoles.

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn