19mar/190

Com 3 votos pela cassação, julgamento de distrital José Gomes é adiado

Parlamentar é acusado de cometer crime de abuso de poder econômico por supostamente coagir funcionários a votarem nele para a CLDF

JP Rodrigues/Metrópoles
JP Rodrigues/Metrópoles

 

O julgamento do deputado distrital José Gomes (PSB) pelo crime de abuso de poder econômico, no Tribunal Regional Eleitoral (TRE-DF), foi adiado na noite desta terça-feira (19/3). Três desembargadores já haviam votado pela cassação do diploma e pela declaração de inelegibilidade pelo período de 8 anos do político, até outro membro da Corte, Telson Ferreira, fazer o pedido de vista.

O parlamentar é acusado pelo Ministério Público Eleitoral (MPE) de coagir funcionários da empresa Real JG Serviços Gerais para que votassem nele nas últimas eleições. Antes da suspensão da audiência, José Gomes havia sido absolvido, por unanimidade, pelo delito de compra de votos.

No período eleitoral, o socialista foi alvo de denúncia por parte de funcionários da empresa da qual era dono. Segundo as acusações, ele teria ameaçado de demissão aqueles que não o apoiassem à Câmara Legislativa (CLDF). Pelo menos 12 empregados da Real JG teriam sido desligados da companhia por esse motivo. O distrital nega.

Durante a leitura da denúncia, o relator do caso, desembargador Waldir Leôncio, leu parte de reportagens publicadas pelo Metrópoles e que deram origem às investigações. Em seu seu voto, defendeu a cassação e inelegibilidade por 8 anos. O desembargador Daniel Paes Ribeiro acompanhou o voto do relator, assim como fez Diva Lucy.

Antes, a palavra foi dada ao advogado Ramon Oliveira Campanati, responsável por oficializar a acusação no MPF-DF.

“Pessoas foram demitidas por se recusarem a participar das reuniões. Alguns acabaram reintegrados por terem provado sido mandados embora por motivos políticos. Em outros casos, órgãos do governo federal multaram a Real JG, inclusive com a realização de videos”, disse Campanati.

O advogado de José Gomes, Cléber Lopes, sustentou que o ajuizamento da denúncia foi feito um dia antes da oficialização da candidatura do agora deputado. “Por isso, ele não deveria ser punido”, ressaltou Lopes, pedindo o arquivamento do processo.

“Desconhecido”

Já o procurador regional eleitoral José Jairo Gomes diz ter estranhado a quantidade de sufrágios recebidos pelo distrital. “É uma coincidência o senhor José Gomes ter 10 mil empregados e chegar a quase 17 mil votos sendo um desconhecido, mesmo ele não tendo sequer uma propaganda massiva. Ou seja: entende-se que a maior parte dos votos veio da empresa”, sustentou.

Na sequência, o procurador citou supostas reuniões em que empregados eram obrigados a participar como forma de coação. “Não é necessário que o candidato aja com dolo ou diretamente. O importante é que o bem jurídico seja vulnerável. O senhor José Gomes, usando de sua estrutura empresarial, passou a assediá-los por meio de outras pessoas, incluindo pedindo lealdade, com muitas reuniões. O MPE está convicto de que se trata de um processo escandaloso de coação moral”, detalhou.

 

Fonte: Metropoles

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn