15dez/170

‘GREVE DE FOME’ CONTRA REFORMA DA PREVIDÊNCIA É APENAS CENOGRÁFICA

GRUPO QUE FAZ 'GREVE DE FOME' CONTRA REFORMA DORME EM CASA

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
15dez/170

PLANO B DE LULA É ‘DOMINAR O CONGRESSO’

CASO FIQUE INELEGÍVEL, LULA TENTARÁ ELEGER MAIS PARLAMENTARES

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
14dez/170

Politica: Juarezão comemora liderança tranquila em Brazlândia

A ultima pesquisa do ano para deputado distrital realizada pelo o Instituto EXATA OP, deixou muita gente preocupada no quesito lembrança do eleitor. No cenário mais atual da pesquisa os dez primeiros do levantamento foram; Chico Vigilante, Chico Leite, Liliane Roriz, Wasny de Roure, Celina Leão, Professor Israel, Joe Vale, Agaciel Maia, Rafael Prudente e Cristiano Araújo.

O levantamento pesquisou 2003 pessoas em todo o DF e mostra em seus números finais que os parlamentares de oposição ainda lideram a vontade popular de Brasilia enquanto outros tiveram como recado que existe a necessidade de reorganização se desejam sonhar com a reeleição.

Brazlândia um caso atípico

Quem anda feliz da vida com os números da pesquisa é o distrital de Brazlândia, Juarezão. Em sua região foram pesquisados um total de 21 eleitores como base para o levantamento e o parlamentar do PSB teve nove citações do total de pesquisados. Isso mostra dois cenários para o distrital da pacata cidade, primeiro ele precisa ampliar suas bases fora de sua região, enquanto dentro de sua base eleitoral a sua situação continua tranquila.

 

fonte: Redação

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
13dez/170

Tribunal de Justiça do DF inocenta deputado Cristiano Araújo

Por unanimidade, A 5ª Turma Cível do Tribunal de Justiça do DF e Territórios (TJDFT) inocentou, na tarde desta quarta-feira (13), o deputado Cristiano Araújo, que era acusado injustamente pelo Ministério Público do DF de ter cometido ato de improbidade, ligado à prática de nepotismo, por ter indicado para nomeação, em 2015, a companheira de um tio seu. A decisão dos desembargadores invalida condenação injusta, ocorrida em primeira instância, em abril deste ano.

A defesa comprovou a inocência do parlamentar, porque na época do ingresso da assessora no quadro de servidores da Casa, as normas legais e os pareceres da Câmara Legislativa permitiam o ato de nomeação. Ademais, a decisão também destacou que a indicada não agiu de má-fé, ao declarar o relacionamento que mantinha com o parente do deputado, quando foi nomeada.

Foi com serenidade e equilíbrio que Cristiano recebeu a decisão. Ele sempre acreditou que seria inocentado pelo Tribunal na apelação em segunda instância.

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
13dez/170

Distrital Cristiano Araújo é inocentado da acusação de nepotismo

Ao Metrópoles, Cristiano Araújo diz estar aliviado com a decisão do processo. “Tira um peso das minhas costas. Sabia que não estava cometendo nepotismo. Ela (Ana Lúcia) não era casada com meu tio à época. Depois se casaram e até já se separaram. Obedecemos o regimento interno da Casa, que tem força de lei. Por isso, não houve irregularidade” , defendeu-se o deputado.

Quando assumiu a vaga, em janeiro de 2015, Ana Lúcia assinou declaração garantindo não ter parentesco com o responsável pela nomeação. As denúncias vieram à tona em novembro daquele ano, e o Ministério Público do DF e Territórios (MPDFT) entrou com representação contra a nomeação da tia para o gabinete do deputado. Dias após a divulgação do caso, ela foi exonerada do cargo.

Enquanto estava lotada na Câmara Legislativa, Ana Lúcia de Melo ganhava salário de R$ 14.136,21. Entre janeiro e dezembro de 2015, segundo cálculos do MPDFT, ela recebeu mais de R$ 117 mil. Em outubro do ano passado, Cristiano Araújo entrou com recurso pedindo o arquivamento da ação, mas o pleito foi negado pela 5ª Turma Cível do Tribunal de Justiça do DF (TJDFT). Agora, conseguiu a absolvição.

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
13dez/170

Bloco de oposição a Rollemberg define estratégias para 2018

O encontro durante o almoço em Águas Claras contou com as presenças de Alírio Neto (PTB), Jofran Frejat (PR), Alberto Fraga (DEM) e Tadeu Filippelli (PMDB). O deputado federal Izalci Lucas (PSDB) era esperado, mas não compareceu por conta de outros compromissos. O PSDB, porém, enfrenta um impasse, pois o diretório nacional flerta com o PSB, sigla de Rollemberg. Nesta semana, o governador nomeou para cargos no GDF 28 tucanos, como mostrou o Metrópoles.

Os políticos decidiram elencar critérios para a escolha dos pré-candidatos aos cargos de governador e vice. Os parâmetros para nortear a definição devem ser apresentados na próxima semana. Os articuladores têm preferência por nomes que tenham mais aceitação popular. Isso deve ser esclarecido, por exemplo, por meio da realização de pesquisas quantitativas e qualitativas.

Em entrevista ao Metrópoles, Alírio Neto disse que a população tem “ansiedade grande” em descobrir quem serão os candidatos para o GDF, “especialmente pela fragilidade do governo”. A decisão do bloco, no entanto, só deve ser divulgada em meados de fevereiro, quando o grupo estiver seguro de que os escolhidos tenham segurança jurídica e pouca rejeição.

“Nós temos que nos manter unidos, porque quem estiver imaginando que o Rollemberg está morto (politicamente), está enganado”, ressaltou Frejat, um dos nomes mais fortes para a disputa. Nas eleições de 2014 para o Palácio do Buriti, o ex-deputado federal ficou em segundo lugar, ao lado de Flávia Arruda, esposa do ex-governador José Roberto Arruda (PR). Metropóles.

 

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
13dez/170

Rollemberg recorre à base aliada para poder usar dinheiro do Iprev

A manhã desta quarta-feira (13/12) foi movimentada no Palácio do Buriti. O governador Rodrigo Rollemberg (PSB) recebeu deputados da base aliada para tratar da revisão do Projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA). Encaminhada pelo Executivo, a proposta deve ser votada nesta tarde.

Por meio da proposição, o GDF pretende utilizar R$ 1,2 bilhão do Instituto de Previdência dos Servidores do Distrito Federal  (Iprev) para a “reconstrução de escolas, reforma em unidades de saúde e remanejamento da estrutura de secretarias-adjuntas”, entre outras atividades.

A reportagem apurou que pelo menos nove deputados da base aliada estiveram no Buriti e confirmaram o apoio a Rollemberg: Agaciel Maia (PR), Cristiano Araújo (PSD), Juarezão (PSB), Julio Cesar (PRB), Lira (PHS), Luzia de Paula (PSB), Professor Israel Batista (PV), Rodrigo Delmasso (Podemos) e Telma Rufino (Pros).

O governador espera contar com votos favoráveis de indecisos como Chico Leite (Rede), Bispo Renato Andrade (PR) e Reginaldo Veras (PDT). Embora tenha sinalizado ser contrário ao posicionamento do governo, Robério Negreiros (PSDB) deve se ajustar ao entendimento do GDF, uma vez que a sigla tucana, em expansão de cargos no Executivo, poderia sofrer retaliação.

Os contrários à revisão do PLOA são Celina Leão (PPS), Chico Vigilante (PT), Cláudio Abrantes (sem partido), Ricardo Vale (PT) e Wasny de Roure (PT).

“Medida eleitoreira”

Irritados com a medida do Executivo, os parlamentares opositores dispararam críticas a Rollemberg. “O que tinha que ser acertado sobre o Iprev já foi. O próximo governador não vai encontrar um centavo sequer na conta. Não é correto ele (Rollemberg) limpar os cofres do DF”, disparou Chico Vigilante (PT).

Celina Leão (PPS) acredita que a votação é uma clara medida eleitoreira. “Sempre disse que Rolemberg queria o recurso do Iprev para ter fluxo de caixa para campanha. Agora isso está mais claro do que nunca. Não acredito que os deputados terão coragem de deixar esse absurdo acontecer”, disse.

Pelo menos duas ausências serão registradas em plenário nesta tarde: de Liliane Roriz (PTB) e de Sandra Faraj (SD), que estão de licença médica.

Para Wasny de Roure (PT), “não há dúvida de que o governador está usando os recursos da Previdência do servidor para a realização de obras em ano eleitoral, o que tem grande impacto na decisão do cidadão na hora de votar”.

A base rebate. “É um dinheiro que está na nuvem e que deve ser investido em melhorias”, defende o deputado professor Israel Batista. Rodrigo Delmasso tem entendimento semelhante. “Não são recursos do Iprev. É um superávit de R$ 1,2 bilhão, que poderá ser usado em investimentos e melhorias para a população. Acredito que nenhum deputado será contra”, destacou. Metropóles.

 

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
13dez/170

Na Corrida Ao Buriti, Alírio Sobe E Empata Com Frejat

Ainda sobre a pesquisa Exata OP encomendada pelo Sindireta para avaliação interna, dois fatos causaram frustração e alegria a  políticos do DF.

Segundo informações, o deputado distrital Chico Leite (REDE) aparece em terceiro lugar na pesquisa para o Senado, enquanto Alírio Neto (PTB) aparece empatado tecnicamente com Jofran Frejat, com 6,0 pontos percentuais. Arruda aparece disparado com 17,9.

Já Alberto Fraga (DEM) despencou, assim como Izalci Lucas (PSDB). Ambos concorrerão à reeleição para deputado federal. Até lá, ainda dirão que são candidatos ao Buriti.

Pelo cenário, o delegado aposentado e ex-deputado distrital Alírio Neto (PTB) disputaria o segundo turno com Rodrigo Rollemberg (PSB).

 

 

Fonte: Donny Silva

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
13dez/170

TRF4 marca julgamento de Lula para 24 de janeiro

O Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF4) marcou para o dia 24 de janeiro o julgamento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na Operação Lava Jato. Lula foi condenado pelo juiz federal Sérgio Moro a 9 anos e 6 meses por corrupção e lavagem de dinheiro em 1.ª instância, em 12 de julho, no caso triplex. O TRF4 é o tribunal de apelação.

O desembargador João Pedro Gebran Neto, relator da ação penal, já concluiu seu voto, mas ainda não o tornou público. Nesta terça-feira, 12, o desembargador revisor Leandro Paulsen pediu que fosse marcada a data do julgamento. No dia 24 de janeiro, Paulsen deverá, então, entregar seu voto.

O terceiro juiz da 8.ª Turma do TRF4, que cuida das ações relativas à Lava Jato, desembargador Victor Luis dos Santos Laus, também poderá ler seu voto na sessão. Se ele pedir vista, no entanto, o julgamento poderá ser adiado.

O ex-presidente foi condenado pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro supostamente recebido da empreiteira OAS por meio de reforma e melhorias no apartamento triplex situado no Guarujá, litoral paulista.

A defesa de Lula tem reclamado enfaticamente do ritmo acelerado adotado pela Justiça na ação contra o ex-presidente. Segundo os advogados do petista, ele é alvo de “lawfare”, uso indevido dos procedimentos jurídicos para persegui-lo politicamente.

No mérito, a defesa nega veementemente envolvimento de Lula em irregularidades. O ex-presidente é alvo de outros dois processos criminais na Lava Jato no Paraná, sob condução do juiz Moro.

 Estadão Conteúdo

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
13dez/170

Raquel Dodge pede à PF investigação sobre vazamento de delações premiadas

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, afirmou nesta terça-feira, 12, que tem encaminhado à Polícia Federal todos os casos de vazamento de informações constantes em delação premiada sobre os quais teve conhecimento. Desde que assumiu o cargo, há pouco menos de três meses, ela já encaminhou cinco casos à Polícia Federal, conforme revelou o jornal O Globo.

Questionada nesta manhã sobre o assunto, Raquel disse que tem tratado os vazamentos com “a seriedade que a lei exige”. Ela afirmou que em um dos casos chegou a determinar a interrupção das negociações de delação após um vazamento de informação.

“Eu tenho trabalhado a questão da delação premiada, como dos acordos de leniência, nos limites que a lei 12.850, no tocante ao instrumento da colaboração premiada, regula”, disse Raquel. A lei a que a procuradora-geral se refere trata de medidas de investigação de organizações criminosas e estabelece que o acordo de delação deixa de ser sigiloso apenas após o recebimento da denúncia com base nas informações prestadas pelos delatores.

Raquel Dodge considera que exceções a essa regra devem ser guardadas apenas a “situações muito excepcionais, que deverão ser analisadas pelo Ministério Público e pelo Judiciário na forma do devido processo legal”.

“Comunicações, notícias de vazamento, eu tenho levado com a seriedade necessária que a lei exige e, para todos os casos que chegaram ao meu conhecimento, já determinei e requisitei a instauração da investigação adequada pela Polícia Federal”, disse a procuradora-geral.

Desde que assumiu o cargo mais alto do Ministério Público Federal, Raquel não celebrou acordos de delação, mas deu andamento a tratativas em casos que já estavam em andamento. A equipe da procuradora-geral recebeu a determinação de manter as negociações em absoluto sigilo, para preservar provas e evitar nulidades durante todo o processo. A PGR não confirma quais casos foram encaminhados para a PF realizar investigações em decorrência de vazamentos.

A suspensão de uma tratativa para delação em razão de vazamento já ocorreu na gestão do antecessor de Raquel, o ex-procurador-geral da República, Rodrigo Janot. Em 2016, ele determinou a suspensão das tratativas com executivos da OAS depois que a revista Veja revelou o que seria um dos objetos de negociação da empresa com o Ministério Público. Depois de um período com as negociações na geladeira, os executivos da empreiteira voltaram a falar com a PGR e parte dos delatores da OAS conseguiu, ao final do mandato de Janot, celebrar acordos de colaboração.

Palocci

Questionamentos sobre o sigilo chegaram à PGR no início da gestão de Raquel. Dias depois de tomar posse, a procuradora-geral recebeu um pedido de investigação de vazamento de delação premiada. O ex-ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Cesar Asfor Rocha encaminhou uma notícia de crime à PGR na qual pede apuração da suposta violação de sigilo das tratativas de delação do ex-ministro Antônio Palocci. Na peça, ele pedia que Raquel Dodge requisitasse à PF um inquérito policial para investigar o vazamento das negociações da delação.

  Estadão Conteúdo

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
12dez/170

Movimentações poderá juntar; Ibaneis, Alirio, Cristovam e Frejat numa mesma chapa

Sob as articulações de Arruda e Filippelli, a chapa dos sonhos está em plena construção para 2018

A briga politica no DF deverá começar a mostrar novas decisões no inicio de 2018. Vale lembrar que muita gente do meio politico poderá se surpreender com a formação da chapa oposicionista ao atual governador Rodrigo Rollemberg.

As costuras passam pelo o nome do ex- presidente da OAB / DF, advogado Ibaneis Rocha Barros Junior, com a força do Palácio do Planalto e contando com as articulações combinadas por parte dos caciques; Tadeu Filippelli e José Roberto Arruda.

A proposta inicial

Entre os caciques da politica local tem gente escalado para chamar o ex- deputado distrital Alirio Neto para uma conversa ao pé de ouvido e convence-lo a abrir mão de sua pré- candidatura e  juntar-se a Ibaneis Rocha, na chapa oposicionista. Mas a orientação é que Alirio Neto continue com sua pré - campanha nas ruas e deixe para aderir a chapa de Rocha no momento certo.

No meio politico, já dão como certa a desistência de Alírio e assim somar o tempo de TV do PTB ao audacioso projeto do ex- presidente da OAB/DF.

Um nome que some as esquerdas para somar com Frejat

Os quarteis generais políticos de Brasilia estão em pleno movimento nesse final de ano com relação a trazer o nome do Senador Cristovam Buarque como primeiro nome ao senado federal da grande chapa de oposição a Rodrigo Rollemberg.

Entre Arruda, Filippelli,Alirio e assessores próximos os entendimentos dão conta que o Senador fortaleceria a chapa; Ibaneis/ Alirio e forçaria  sem muitas dificuldades o ingresso do ex- candidato ao GDF, Jofran Frejat, como segundo nome ao senado da grande frente de oposição ao socialista Rollemberg. Agora é esperar para ver!

 

fonte: Redação

 

 

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
12dez/170

Encontro esperado no DF

FONTE: João Vitola

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn