21mai/150

Politica: Rochinha recebe mais um “não” de Juarezão

ROCHINHA PRETO E BRANCO

O ex- candidato á distrital por Brazlândia, Rochinha da Madeireira não vem levando muita sorte no seu apoio ao distrital Juarezão.

Depois de fazer parte da lista dos esquecidos no momento das nomeações do parlamentar nos poderes legislativo e executivo, o ex- candidato Rochinha agora recebeu outro não e foi preterido na hora do apoio do distrital nas eleições do entorno;" O Rochinha desejava o apoio do Juarezão para se transformar em vereador em Padre Bernardo. Mas o Marcusuel por enquanto é o preferido do deputado", declarou um aliado do distrital Juarezão.

 fonte: GBU

21mai/150

Politica: Juarezão quer a garantia da festa do Morango

juarezão

A briga pela a realização da 20ª Festa do Morango em 2015 poderá sofrer com a falta de recursos públicos.  Com a crise financeira a tendencia é que tudo será diferente do ano anterior.

O distrital da região Juarezão anda sem dormir direito tamanha a sua preocupação para a garantia do evento dentro de sua região eleitoral;" A festa do morango garante uma movimentação da economia e mostra a força de nossa região para todo o  DF", declarou um dos produtores que demonstrou preocupação com o momento atual.

fonte: GBU

 

19mai/150

Circular limita ao alto escalão acesso à porta principal da sede da PM do DF

Demais pessoas devem 'fazer uso da portaria dos fundos', diz documento.Corporação afirma que houve má interpretação do texto e que vai revogá-lo

Circular da Polícia Militar restringindo o acesso pela portaria princial ao alto comando do DF (Foto: Polícia Militar/Reprodução)

Circular da Polícia Militar restringindo o acesso pela portaria princial ao alto comando do DF (Foto: Polícia Militar/Reprodução)

Raquel MoraisDo G1 DF

Uma circular assinada pelo secretário-geral da Polícia Militar do Distrito Federal determina que a portaria principal do Palácio Tiradentes, onde funciona o quartel do Comando-Geral, passe a ser exclusiva para o uso do alto comando. O restante dos servidores deve acessar o prédio por meio da portaria dos fundos. Procurada pelo G1, a corporação disse que vai revogar o documento.

O prédio possui duas entradas. Uma delas ficou restrita apenas ao comandante pelo fato que sua sala fica logo a cima da entrada citada na circular, as demais salas ficam nas laterais do prédio. O pessoal foi direcionado apenas a uma entrada por motivos de segurança e controle da guarda"

Polícia Militar

Pelo texto, membros do primeiro escalão do governo local e federal, representantes do corpo diplomático, do poder Judiciário e do Ministério Público, parlamentares, oficiais generais e autoridades eclesiásticas também poderiam usar a entrada principal. "Os demais policiais militares, militares de outras forças e pessoal civil deverão fazer uso da portaria dos fundos (acesso ao anexo), onde caberá a guarda e recepção, identificar e orientar o trânsito destas pessoas neste quartelamento", diz a circular.

O documento, que não tem data, foi amplamente divulgado em redes sociais e causou indignação dos servidores. Vice-presidente da Associação de Policiais e Bombeiros Militares do DF, Manoel Sansão classificou a situação como “absurda”.

“Isso é uma coisa que vem de outra década. Não aprovamos esse tipo de coisa. Isso é discriminação com os policiais. O alto comando da PM tem de estar de portas abertas para a sociedade, para os policiais e para quem quiser entrar. Isso não existe”, afirmou.

A entidade tem cerca de 15 mil servidores na ativa. Por e-mail, a polícia declarou que o documento foi mal interpretado e que o objetivo do veto era de apenas garantir segurança.

“O prédio possui duas entradas. Uma delas ficou restrita apenas ao comandante pelo fato que sua sala fica logo acima da entrada citada na circular, as demais salas ficam nas laterais do prédio. O pessoal foi direcionado apenas a uma entrada por motivos de segurança e controle da guarda. O documento será revogado, pelo fato de haver dupla interpretação”, disse.

19mai/150

Banco abre as portas para o GDF financiar projetos

O projeto do GDF de reestruturar o sistema de drenagem de águas pluviais pode contar com o apoio do Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF). Na tarde desta segunda-feira (18), Rodrigo Rollemberg recebeu o diretor-representante da entidade no Brasil, Victor Rico, para conversar sobre o tema. O chefe do Executivo local expôs os problemas enfrentados pelas regiões da Asa Norte e de Taguatinga quando caem chuvas fortes.

Victor Rico demonstrou interesse em abrir o diálogo para um possível financiamento e citou exemplos de parcerias bem-sucedidas do CAF com outras unidades da Federação. O fomento ao turismo também foi assunto do encontro. Rollemberg revelou a intenção de retomar o Projeto Orla, que consiste em criar empreendimentos às margens do Lago Paranoá — algo parecido com o que ocorre no Pontão do Lago Sul. “Com isso, criaríamos emprego e renda a partir de um local com vocação turística”, afirmou o governador.

Flexível

Com sede em Caracas, na Venezuela, o Banco de Desenvolvimento da América Latina atua, há 45 anos, no financiamento de projetos idealizados pelo setor público em toda a América Latina, com vistas à promoção do desenvolvimento econômica da região.

O diretor-representante da entidade no Brasil ressaltou a experiência em financiar projetos dessa natureza e se mostrou compreensível com a situação financeira do Distrito Federal, caso haja acordo em um futuro financiamento. “Somos um banco ágil e flexível às necessidades do Estado”, disse Victor Rico.

A secretária de Planejamento, Orçamento e Gestão, Leany Lemos, e o deputado distrital Rodrigo Delmasso (PTN) também participaram da reunião. fonte: estaçãodanoticia.

19mai/150

Agora é o BNDES: MPF pede mais de 60 prisões

Na edição 2058  do jornal goiano Opção, o procurador mais temido de Goiás, Helio Telho Corrêa Filho,  avisava: “Vamos ter um escândalo de corrupção ainda maior do que o da Petrobrás. E será no BNDES”. E parece que tudo começa a se confirmar.

O portal Diário do Poder (coluna Cláudio Humberto) informa que “após minuciosa investigação no BNDES, uma força-tarefa do Ministério Público Federal (MPF) pediu a prisão de mais de 60 suspeitos.

O caso é tratado sob sigilo, mas, segundo fonte ligada às investigações, o MPF devassa operações do BNDES no Brasil e também no exterior, além dos aportes bilionários que o tornaram sócio de empresas. Os pedidos de prisão incluem executivos do banco e de grandes corporações”.

E mais: ainda não há estimativa dos desvios ocorridos no BNDES, mas representariam várias vezes os R$ 6,2 bilhões roubados da Petrobras. A Justiça pode não atender os mais 60 pedidos, mas espera-se que muitas prisões sejam decretadas na investigação do BNDES.

Ainda segundo o portal, o MPF esquadrinha os principais negócios realizados à sombra ou com recursos tomados pelo BNDES junto ao Tesouro Nacional. Além de desvios, são objetos da investigação denúncias de tráfico de influência e de pagamentos indevidos a executivos e a políticos. Leia mais na Coluna Cláudio Humberto

19mai/150

Tolerância zero contra falta de médicos nas emergências dos hospitais do DF

Parece que o GDF resolver decretar tolerância zero para a falta dos médicos nas emergências dos hospitais do sistema público de saúde. Tanto que uma circular que determina que as escalas médicas atendam com prioridade a emergência, depois, pacientes internados e, por último, o ambulatório, será enviada, ainda nesta terça-feira (19), aos diretores e coordenadores dos 16 hospitais do Distrito Federal. O documento, que será concluído até o início da tarde, é uma medida emergencial para completar as escalas insuficientes de profissionais, que trabalham sobrecarregados nos prontos-socorros.

“Estamos determinando que os coordenadores façam uma maior supervisão das escalas para tornar todos os plantões da emergência os mais completos possíveis, depois, priorizando as internações e as atividades do laboratório”, explicou o secretário de Saúde, João Batista de Sousa.

De acordo com o titular da pasta, frequentemente as escalas das emergências possuem muitos profissionais em determinados horários e poucos em outros períodos, o que não é uma forma de otimizar o atendimento nos hospitais. “Não sabemos exatamente qual é a razão desse fenômeno, mas é responsabilidade dos diretores que deverão verificar e confeccionar as escalas a partir dessas orientações”, disse.

A Secretaria de Saúde também passará a observar com mais rigor os atestados médicos, já que muitos médicos se ausentam de última hora, impossibilitando inclusive a substituição do profissional. “Nós verificamos que estão ocorrendo muitos atestados e vamos passar um pente fino para verificar quais são as causas”. Segundo ele, a perícia médica será centralizada na Secretaria de Gestão Administrativa e Desburocratização. “O que não podemos é permitir que o médico dê um atestado na rede pública e vá trabalhar na rede privada”, enfatizou o gestor.

Sousa informou, ainda, que já foi feito um levantamento que demostra que grande parte dos atestados ocorre em períodos de maior fluxo. “Vamos avaliar realmente como está a saúde dos nossos trabalhadores”, destacou, ao enfatizar que a análise será feita justamente para verificar a existência desse tipo de situação.

“Vivemos um momento de dificuldade, em que não podemos fazer contratações substanciais e temos que trabalhar com o que temos”, finalizou Sousa. fonte: estaçãodanoticia.

19mai/150

Politica: farmacista é o nome de Juarezão em Padre Bernardo

MAXSUEL CANDIDATO

As eleições do entorno deverá acontecer em outubro de 2018, mas o distrital Juarezão decidiu marcar posição quando o assunto é apoio para a Câmara de Vereadores da região goiana.

O nome do jovem Gustavinho já é dado como certo para as disputas eleitorais de 2018 na região de Águas Lindas, a cúpula do parlamentar do PRTB confirmou que existe esse entendimento;" O Gustavinho é do nosso grupo e teve papel fundamental na vitória do Juarezão. Se ele se apresentar como possível candidato em Águas Lindas certamente contará com o apoio do nosso grupo politico", declarou um dos coordenadores e homem de confiança do distrital Juarezão.

 Em outra vertente o parlamentar deverá caminhar junto na cidade de Padre Bernardo com o seu aliado de primeira hora na região da Vendinha e Monte Alto,Marcusuel da Farmácia.

O empresário no ramo de farmácia vem trabalhando há alguns anos com o propósito de se transformar em vereador em Padre Bernardo e espera contar com a ajuda do distrital Juarezão para conseguir realizar o sonho.

fonte: blogdogbu

19mai/150

DEBATE SOBRE A TERCEIRIZAÇÃO COMEÇA TENSO NO SENADO

RENAN DEU INÍCIO À DISCUSSÃO E DEVE LUCRAR COM OU SEM APROVAÇÃO

RENAN DEU INÍCIO À DISCUSSÃO E DEVE LUCRAR COM OU SEM APROVAÇÃO. FOTO: SENADO

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), tem se declarado contra o projeto que amplia e regulamenta a terceirização de atividades no Brasil, mas não cria nenhuma dificuldade para a tramitação da matéria no Senado e abriu, agora há pouco, sessão temática para debater os principais pontos do projeto.

Ao contrário de precarizar o trabalho exercido por trabalhadores, o projeto obriga empresas e órgãos públicos a fiscalizar se direitos como pagamento de INSS e recolhimento de FGTS estão sendo respeitados.

Calheiros quer vender caro a aprovação no Senado, não por ser contra ou a favor, mas para lucrar politicamente junto ao Planalto com a divisão no Congresso.

Enquanto as declarações públicas contra o projeto aprovado na Câmara blindam o presidente do Senado de críticas de centrais sindicais "influentes" na Presidência, a aprovação não o afetará negativamente. Estão presentes o ministro de Trabalho, Manoel Dias, e o presidente da Fiesp, Paulo Skaf.

fonte: diário do Poder

19mai/150

A última manobra no Na Hora

A Secretaria de Estado de Justiça e Cidadania – SEJUS, finalmente deu um passo importante para interromper os negócios da empresa citada no escândalo do Mensalão do DEM – B2BR Business To Business – no Na Hora.

Mas o grupo ligado à empresa conseguiu realizar sua última manobra diante das atuais autoridades do novo governo. Na quarta-feira (13), a Edição Extra n. 10 do DODF publicou um aviso de Dispensa de Licitação Emergencial número 01/2015 para contratação de empresa para prestação de serviços integrados de operação, manutenção, recepção, triagem e apoio à gestão das unidades do Na Hora.

Tal aviso foi divulgado em cima da hora para evitar concorrentes, e nesta segunda (18), sem que até servidores sequer soubessem sobre a realização do certame,  o mesmo ocorreu no auditório da SEJUS e adivinhem: Apenas os representantes da B2BR estavam lá, felizes aguardando o início, entretanto,   foram surpreendidos com o ingresso de outra empresa, faltando cinco minutos para o começo do certame, que apresentou toda documentação exigida e preço menor.

Abertas as propostas, a  concorrente ganhou com o preço de R$999.000,00 enquanto a da B2BR era de R$1.076.000,00.

Agora pela manhã, a Comissão volta a se reunir, porque está procurando desde ontem eventuais ‘falhas’ na documentação da empresa vencedora…

Será que agora o secretário de Justiça, João Calos Souto, vai realmente ter pulso firme e cancelar o contrato com a empresa envolvida em escândalo político e citada no esquema de desvio de recursos públicos? O processo foi realmente colocado em disputa ou será mais uma vez direcionado para renovar o emergencial com a empresa B2BR?

Com a palavra, a SEJUS.

Fonte: Donny Silva
19mai/150

Rollemberg e Reguffe escrevem primeiro capítulo da reconciliação

reguffe-rollemberg

Os primeiros passos para a reaproximação do governador Rodrigo Rollemberg e o senador Antônio Reguffe, começam a ser dados na noite desta terça-feira, 19.

O socialista e o pedetista andaram estremecendo uma velha amizade por conta de compromissos firmados e esquecidos dos dois lados.

O encontro dos dois, no Palácio do Buriti, só terá o testemunho de Hélio Doyle, que se fará presente como chefe da Casa Civil, e não na condição de jornalista; e de Marco Dantas, secretário de Relações Institucionais, uma espécie de fiador da aliança PSB-PDT firmada no ano passado.   

Fonte: Notibras
19mai/150

Polêmica do Pró-DF chega à Câmara

Distrital quer fiscalizar suposta compra de terreno milionário, que não se enquadra no programa

prodf redacao@jornaldebrasilia.com.br

A polêmica em torno da venda de um terreno da Terracap, localizado ao lado do Centro Administrativo de Taguatinga, chegou à Câmara Legislativa. Para o deputado distrital Rodrigo Delmasso (PTN), a situação é digna de uma investigação rigorosa. “Eu, como membro de duas comissões da Casa que atuam nessas questões, vou pedir amanhã (hoje) mesmo uma cópia desse contrato à Secretaria de Economia e Desenvolvimento Sustentável e à Terracap. Além disso, vou solicitar, junto ao Tribunal de Contas do DF, um acompanhamento com as informações detalhadas das auditorias”, afirma.

O contrato levanta uma série de suspeitas por ter sido fechado às vésperas das eleições, no ano passado. Sob o pretexto de a obra ser enquadrada no Programa de Promoção do Desenvolvimento Econômico Integrado e Sustentável do DF (Pró-DF), o terreno poderia ser vendido 80% abaixo dos R$ 70 milhões avaliados, sem licitação, o que seria ilegal por não se tratar de Área de Desenvolvimento Econômico (ADE).

Devolução

Na avaliação de Delmasso, a CLDF precisa acompanhar o caso, pois, comprovada a irregularidade, a área deverá ser devolvida à Terracap: “O questionamento acerca do caso é: será que foram atendidos todos os requisitos necessários para a venda desse terreno? Se ficar comprovado que a área foi realmente vendida de forma fraudulenta, esse contrato será cancelado e haverá a devolução dos recursos?”.

Vice-presidente da Comissão de Desenvolvimento Econômico Sustentável, Ciência, Tecnologia, Meio Ambiente e Turismo e membro da Comissão de Fiscalização, Governança, Transparência e Controle da Câmara Legislativa, Delmasso informou que elabora um projeto, junto ao deputado Joe Valle (PDT), sobre as áreas do programa.

“Estamos criando um cronograma de fiscalização sobre o Pró-DF. Ele foi criado para o desenvolvimento econômico da cidade e isso não ocorreu, não houve sucesso. O que vemos hoje é um monte de comércios na áreas do Pró-DF fechados e o alto índice de desemprego. Por isso, todos os contratos do programa devem passar por fiscalização”, defende Delmasso.

Segundo o distrital, as fiscalizações em torno do programa estão previstas para começar em junho.

Tribunal vai fazer auditoria em programa

Há dois meses, o JBr. denunciou o caso da venda do terreno de 17 mil m², com localização estratégica, fora das exigências do programa. E, no último domingo, a reportagem relatou que o Tribunal de Contas do DF (TCDF) entrou no caso com uma auditoria, e deve ter resultados até o fim de junho.

O contrato sob suspeita tem a assinatura da então presidente da Terracap, Maruska Lima de Souza Holanda, e do diretor de Desenvolvimento e Comercialização da empresa, Deusdeth Cadena Finotti. Agora, uma equipe da Secretaria de Auditoria do TCDF visita todas as áreas de Desenvolvimento Econômico (ADEs) para verificar se a Seds e a Terracap estão fiscalizando e monitorando os empreendimentos que receberam incentivos.

Conselho aprovou projeto

Segundo a Terracap, o projeto de viabilidade econômica foi submetido ao Conselho de Gestão do Programa de Apoio ao Empreendimento Produtivo (Copep-DF), tendo sido aprovado por meio da Resolução 434/2014.

“Os autos vieram à Terracap em 31/07/2014 para cumprir decisão da Copep, órgão vinculado à Secretaria de Economia e Desenvolvimento Sustentável, que determinou a elaboração do Contrato de Concessão de Direito Real de Uso com Opção de Compra”, informa a companhia.

Fonte:  Jornal de Brasília

18mai/150

Projeto Asas levará arte e cultura para a Colmeia

Secretaria de Cultura realizará, até dezembro, atividades mensais na Penitenciária Feminina

Inclusão cultural, arte e entretenimento para mulheres em situação de prisão é o tema do projeto Asas, que começa no mês de maio, na Penitenciária Feminina do Distrito Federal (PFDF), popularmente conhecida como Colmeia. A primeira edição será na terça-feira (19) e se repetirá durante todas as primeiras terças-feiras do mês, até dezembro. Um sarau com a poetisa Marina Mara, as rappers Vera Veronika e Julia Nara, e Michelle Lara na voz e violão, marcará a estreia da iniciativa. O primeiro será às 14h, e não é aberto à comunidade. 

O projeto ainda irá realizar, na Colmeia, apresentações artísticas, oficinas culturais, debates e cineclubes, a maior parte como fruto de contrapartida dos projetos apoiados pelo Fundo de Apoio à Cultura (FAC). A proposta é, a partir de um projeto-piloto, criar um programa de inclusão cultural no sistema prisional do Distrito Federal, proporcionando, por meio da arte, acesso à justiça e inclusão social. Esta é a primeira atividade da Secretaria de Cultura na unidade prisional feminina do DF. 

A poetisa Marina Mara atua nesse nicho há cerca de 10 anos e busca  estimular as mulheres da PCDF a se conhecerem melhor. “Vou trabalhar a autoestima para que elas saibam que não são detentas, mas estão detidas. As pessoas podem mudar, desde que sejam empoderadas”, afirma. 

As artistas  Marina Mara

Poeta, publicitária, ativista cultural, atriz, roteirista, designer gráfico, consultora de projetos poéticos e literários, Marina Mara atua pelo Brasil desde 2006, com projetos multimídia que abordam a poesia em diferentes formatos, como grafite, quadrinhos, cinema, artes visuais, teatro, intervenções urbanas, internet. Dedicada exclusivamente à poesia, Marina viajou o país ministrando cursos e oficinas poéticas em feiras literárias e coletivos de arte. No fim deste mês, Marina lançará seu livro Figuras, com 123 poemas e prefácio de Tom Zé. 

Vera Veronika  

Mestra em Educação e professora universitária, Verônica Diano Braga – mais conhecida pelo nome artístico Vera Veronika – é militante negra e há mais de 20 anos participa do movimento cultural do Hip Hop. Como cantora, usa o Rap para abordar temas como raça e gênero, história afro-brasileira, defesa da diversidade e combate à homofobia. Ela também usa a música como instrumento pedagógico no cotidiano de jovens de periferia em situação de risco, privados de liberdade, mulheres vítimas de violência e em presídios e abrigos. Especialista em planejamento e avaliação de projetos sociais, gestão pública e gestão e orientação educacional. É consultora, palestrante e pesquisadora em diversas ONGs e membro do Fórum de Mulheres Negras do DF.

Júlia Nara

Rapper e poetisa, compõe o quarteto musical feminino É Nois Que Tá, cujo slogan é: “quatro mulheres, quatro histórias, uma música”. O grupo tem se apresentado em saraus, batalhas de poesia e festivais locais, interpretando clássicos da MPB e do rap nacional, além de canções autorais. Júlia começou a cantar em 2010, tendo como apoio o coletivo ArtSam, de Samambaia. Hoje, seu principal objetivo é dar voz e visibilidade, através da música, a todas as mulheres negras periféricas, resgatando sua história, cultura e identidade.

Michelle Lara

Cantora e violonista, também integra o quarteto É Nois Que Tá, que mistura influências da MPB e do rap nacional. O grupo formado por moradoras de Ceilândia e Samambaia se destaca na cena local e em eventos que promovem música e poesia.   Informações para a Imprensa: Assessoria de Comunicação da Secretaria de Cultura do Distrito Federal Telefone: (61) 3325-6220 E-mail: comunicacao.secultdf@gmail.com

18mai/150

Grampos, intrigas e troca de acusações ameaçam a Operação Lava-Jato

Alberto Youssef em maio de 2014, quando encontrou uma escuta escondida no teto de sua cela na carceragem da PF em Curitiba (Foto: Reprodução / VEJA)

Alberto Youssef em maio de 2014, quando encontrou uma escuta escondida no teto de sua cela na carceragem da PF em Curitiba (Foto: Reprodução / VEJA)

VEJA.com

Um exército de advogados dos maiores e mais conceituados escritórios do país há mais de um ano esquadrinha os processos da Operação Lava-Jato em busca de algo que possa ser usado na Justiça para tentar questionar a validade das investigações sobre o maior escândalo de corrupção da história do país. É a única chance que os advogados têm de livrar da punição exemplar seus clientes, empreiteiros, políticos e funcionários públicos corruptos, que desviaram mais de 6 bilhões de reais dos cofres da Petrobras. É também a última esperança de proteger a identidade dos mentores e principais beneficiários do esquema que usou o dinheiro dos brasileiros para enriquecer e comprar o poder. Até hoje o Supremo Tribunal Federal e o Superior Tribunal de Justiça rejeitaram todas as incursões nessa direção.

Na semana passada, o empresário Ricardo Pessoa, apontado como o chefe do clube das empreiteiras envolvidas, assinou um acordo de delação premiada, confessou sua participação no crime e se comprometeu a contar o que sabe - e o que ele sabe implica no caso o ex-presidente Lula, a campanha da presidente Dilma e alguns de seus principais assessores.A colaboração de Pessoa levará os policiais e os procuradores à derradeira fase da investigação, ao iluminar o caminho completo trilhado pelo dinheiro roubado e permitir que se rastreie com precisão a cadeia de comando. De onde menos se esperaria, surge agora uma incursão que pretende pôr tudo isso a perder.Com o conhecimento do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, o comando da Polícia Federal em Brasília está investigando sigilosamente os delegados e agentes envolvidos na Operação Lava-Jato.

VEJA teve acesso a uma sindicância aberta pela Corregedoria da PF e conversou com policiais que acompanham e participam da apuração. É preocupante.Segundo os corregedores, o procedimento foi instaurado para apurar "ilegalidades" praticadas pelos colegas do Paraná, onde estão centralizadas as investigações do escândalo da Petrobras.Que "ilegalidades" seriam essas? Os federais de Brasília acusam os paranaenses de instalar escutas para captar clandestinamente conversas de presos e dos próprios policiais. Uma dessas escutas foi descoberta na cela do doleiro Alberto Youssef, uma das principais testemunhas do esquema de corrupção. Em maio do ano passado, o doleiro encontrou um transmissor de voz escondido sobre o forro do teto de sua cela. Os corregedores acusam os delegados da Lava-Jato de ter colocado o aparelho para obter provas por meio de métodos ilegais.Parece grave - e é -, principalmente pelo que aparenta estar na gênese da investigação. "Isso vai provocar a anulação de toda a Operação Lava-Jato", diz, sob a condição de anonimato, um delegado de Brasília que participa da apuração. "A situação vai ficar feia. Vai aparecer mais coisa", advertiu.

Essa entrevista foi feita na última quarta-feira à tarde.Em privado, delegados próximos da cúpula da Polícia Federal admitem que o objetivo da "operação paralela" é carimbar a Lava-Jato com suspeitas de irregularidades - o que, fatalmente, abriria caminho para questionamentos judiciais sobre a operação e poderia resultar, em última análise, em sua anulação.Para o ex-presidente do Supremo Tribunal Federal Carlos Velloso, ainda que se comprove a suspeita de que teria havido interceptação ilegal na Lava-Jato, isso não seria suficiente para desqualificar toda a operação. "Se essa prova paralela não representa o início da investigação, então ela é declarada nula, sem prejudicar as demais provas", diz o ex-ministro.Para o delegado Jorge Pontes, ex-diretor da Interpol, o jogo está claro: "A minha suspeita é que haja um grupo de pessoas já cooptadas para tentar minar e comprometer a Operação Lava-Jato. Neste momento em que a sociedade brasileira tem uma expectativa histórica de o país deixar de ser vítima de corrupção institucionalizada, isso aí é uma tentativa da corrupção institucionalizada de criar no seio da polícia uma contenda que tem a intenção de jogar alguma dúvida sobre essa investigação".

18mai/150

Politica: distrital vai a área rural e leva beneficios para a comunidade

Juarezão intermediou o atendimento a comunidade de Chapadinha

11090956_823091254446809_7777501866299008193_o

O distrital da cidade de Brazlândia, Juarezão decidiu arregaçar as mangas e mostrar que dar para fazer a diferença em período de crise. A comunidade do núcleo rural Chapadinha que foram ouvidos no projeto Gabinete em Ação do parlamentar foram atendidos com a melhoria da estrada que liga a região rural a cidade de Brazlândia.

Para o distrital o escoamento de produtos agrícolas será mais eficiente com o trabalho de melhoria do setor;" Vamos melhorar a cada dia a área rural. Com determinação e força, acredito que conseguiremos as estradas de toda a área de Brazlândia", disse Juarezão pela as redes sociais.

fonte: blogdogbu

18mai/150

Politica: os candidatos de Juarezão no entorno

gustavinho

gustavinhoffffffA politica da ida e da volta já começa a marcar seus pontos na região de Brazlândia. O distrital Juarezão já se decidiu no apoio a alguns nomes com vistas as eleições de 2018 na região do entorno. O popular Gustavinho será o nome da preferência do parlamentar para a Câmara de Vereadores em uma das regões do entorno.

Segundo os aliados de primeira hora do parlamentar a tendência é que Juarezão faça campanha aberta para o atual Prefeito de Águas Lindas de Goias, Hildo do Candango e no embalo politico pedirá apoio para Gustavinho .

Veja ao longo da semana os nomes preferidos de Juarezão na região do entorno. Durante a semana vamos saber o escolhido do parlamentar na região de Padre Bernardo.

fonte: blogdogbu