23out/180

Politica: Apoio a Iolando foi decisivo para sua vitória

Apoio de empresário pode ter decidido a favor de Iolando Almeida nas eleições de 2018

O distrital Iolando Almeida, que obteve 13000 votos, deverá ter um grupo forte e representativo no comando da cidade de Brazlândia e na formação de seu gabinete. Mas também não se pode negar a participação decisiva da família Oliveira no resultado final da vitória de Almeida.

O jovem Ronaldo Oliveira jogou pesado para ver a candidatura de Iolando Almeida decolar. E decolou!

Dentro do grupo de Iolando Almeida que obteve uma diferença de 1.500 votos a frente do seu suplente , o reconhecimento a Ronaldo Oliveira é notório;"Se o Ronaldo não tivesse contribuído em Brazlândia e em outras regiões, dificilmente teríamos saído com a vitória. Basta ver que a diferença foi só de 1500 votos", declarou um aliado próximo ao distrital.

O blogdogbu tentou falar com Ronaldo Oliveira, para conhecer a sua opinião sobre o futuro da cidade de Brazlândia nas mãos de Iolando Almeida, Mas não obtivemos exito.

 

 

fonte: Redação

 

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
23out/180

Bolsonaro lidera com 69,1% em São Paulo, maior colégio eleitoral do PaísParaná Pesquisa: Haddad (PT) tem 30,9% dos votos válidos

Jair Bolsonaro, candidato do PSL a presidente da República. (Foto: Jorge Araújo/Folhapress)

O candidato do PSL à presidência da República, Jair Bolsonaro, mantém sua expressiva vantagem sobre o adversário Fernando Haddad (PT) no Estado de São Paulo, maior colégio eleitoral do País, segundo levantamento do instituto Paraná Pesquisa entre os dias 18 e 21 em 88 municípios paulistas. Agora, Bolsonaro tem 69,1% dos votos válidos, contra 30,9% do petista. Na pesquisa anterior, realizada entre os dias 10 e 14, Bolsonaro somava 69,9% e Haddad 30,1%.

Os entrevistadores também quiseram saber dos 2010 eleitores ouvidos qual o candidato em cuja vitória eles acreditam, e 78,6% disseram acreditar que Bolsonaro será mesmo eleito presidente.

 

fonte: Diariodopoder

 

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
23out/180

Ibaneis cancela debates e Rollemberg aumenta o tom contra o adversário

Emedebista alegou que o governador diz mentiras e não quer discutir propostas. “Está com medo de quê?”, provocou o socialista em resposta

Igo Estrela/Metrópoles

IGO ESTRELA/METRÓPOLES

Na reta final para a definição sobre quem vai comandar o Distrito Federal nos próximos quatro anos, a decisão do candidato do MDB ao Palácio do Buriti Ibaneis Rocha de não participar de debates repercutiu na campanha de Rodrigo Rollemberg (PSB). A cinco dias das eleições, o emedebista condicionou a ida aos programas à garantia de que o socialista se atenha a discutir exclusivamente propostas.

Após tomar conhecimento, na segunda-feira (22/10), o governador criticou a decisão do adversário. “Sabemos que o candidato está despencando nas pesquisas e por isso não vai mais. Ele não sabe explicar as polêmicas em que está envolvido. Está com medo de quê? É uma postura arrogante de quem não respeita o eleitor e foge do contraditório”, atacou o socialista.

Para Ibaneis, no entanto, a medida não impactará nas pesquisas eleitorais. “O voto está consolidado. Quem está pedindo para eu não ir é o eleitor, que não quer ouvir essa baixaria. Tenho sangue frio, sou advogado e sei responder a tudo”, afirmou. Segundo ele, Rollemberg “está mentindo” e tem patrocinado fake news, “através de seus funcionários comissionados”.

O emedebista participou nesta segunda (22) de evento do grupo Lide, formado por empresários do DF, e disse torcer pela vitória de Jair Bolsonaro (PSL) na disputa à Presidência da República. “Tenho convicção de que ele, hoje, tem muito mais condições de governabilidade. O que sobrou foi aquele PT muito radicalizado e eles não terão capacidade de interlocução. Sinceramente, se perguntar para mim, eu torço pela vitória do Bolsonaro”, disse.

Mais cedo, o advogado divulgou uma nota para justificar sua ausência no certame da rádio CBN. “A culpa de eu não ir a debates é do governador, que esqueceu a campanha e partiu para a baixaria.”

Ataques

Os dois candidatos tiveram curta agenda pública nesta segunda (22). Enquanto o emedebista esteve com representantes do setor produtivo, o atual governador teve compromissos com representantes de movimentos habitacionais, no seu comitê de campanha, no Setor de Indústria e Abastecimento (SIA).

Ricardo Botelho/Especial para o Metrópoles

Rodrigo Rollemberg no encontro com lideranças habitacionais/RICARDO BOTELHO/ESPECIAL PARA O METRÓPOLES

No local, o socialista disparou várias críticas ao adversário e disse que Ibaneis não poderá assumir o mandato caso seja eleito. “Sua candidatura será cassada. Nunca vi uma manifestação de abuso de poder econômico tão grande e sendo reiterada várias vezes. Ele se enforcou com as próprias palavras. Todas as vezes que tenta responder, acaba criando provas contra si mesmo.”

Propostas
Na reunião com os movimentos, Rollemberg anunciou que pretende construir mais de 50 mil novas moradias e adotar o programa Aluguel Legal em um possível novo mandato. A iniciativa custará R$ 72 milhões por ano e pretende custear a estadia temporária de 10 mil famílias mais carentes da fila da Companhia Habitacional do DF (Codhab).

De acordo com o governador, serão disponibilizados R$ 600 mensais para cada família. Assim que as residências forem entregues, os participantes do programa deixarão de receber o benefício e darão lugar a outras famílias. “Todos que não receberam escrituras no meu primeiro governo receberão no segundo. Vou priorizar quem realmente necessita”, disse.

MICHAEL MELO/METRÓPOLES

Michael Melo/Metrópoles

Ibaneis Rocha falou a empresários do grupo Lide

Ibaneis Rocha foi questionado pelos empresários sobre o fim da Agência de Fiscalização (Agefis). “Eu pretendo descentralizar a fiscalização e ter um fiscal lá na ponta, onde está ocorrendo a ilegalidade. Quero tirar esse nome e que ela seja uma agência que trabalhe pelo bem da cidade”, explicou o candidato.

Ele também disse que pretende manter a Central de Aprovação de Projetos (CAP) apenas para as obras de médio e grande porte. “Todo esse trabalho junto à administração regional pode ser melhorado para as pessoas com renda e obras menores”, disse. METROPÓLES.

 

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
19out/180

Brazlândia: Nenen do Incra 08 sendo sondado para administrador de Brazlândia

O deputado distrital eleito, Iolando Almeida, já começa a fazer avaliações para as indicações em seu gabinete e na administração de Brazlândia. O policial militar aposentado, J. Lima "O nenen", surge na cabeça do mais novo distrital como um bom nome a ser testado no comando da cidade.

Além de Nenen do Incra 08, o nome de Marcelo Gonçalves aliado de primeira hora de Nego Pirenópolis também aparece na lista tríplice  do parlamentar para o comando da região. Vale lembrar que existe um grupo forte dentro da cidade e que ajudou Iolando Almeida e vem fazendo a defesa do nome de J. Lima "O nenem" nos bastidores.

Agora é esperar!

 

fonte: Redação

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
19out/180

Câmara mais Barata: projeto começa a tramitar na CLDF

Proposta de iniciativa popular prevê a redução de até R$ 75 milhões em gastos anuais da Câmara Legislativa

Rafaela Felicciano/Metrópoles

Na noite desta quinta-feira (18/10), a Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF) realizou sessão solene para a entrega simbólica do Projeto de Lei (PL) n° 2.151/2018, conhecido como Câmara mais Barata. O projeto foi protocolado na Casa na terça-feira (16) e aguarda parecer das comissões de Constituição e Justiça (CCJ) e de Economia, Orçamento e Finanças (Ceof) para ser votado em primeiro turno.

Com o objetivo de economizar até R$ 75 milhões em gastos anuais da CLDF, o PL pretende acabar com as verbas indenizatórias e limitar o orçamento dos gabinetes. O projeto é apenas o terceiro na história da Casa promovido por iniciativa popular. Cerca de 23 mil assinaturas de apoio foram coletadas neste ano.

De acordo com o coordenador do projeto Câmara mais Barata, Guilherme Brandão, a expectativa é de que o PL ainda sofra alterações antes de ser aprovado. “Esperamos que ele seja aperfeiçoado e saia da Câmara melhor do que entrou”, disse.

Ainda segundo Brandão, algumas das despesas da CLDF causaram estranhamento em sua equipe. “Acompanhamos por quatro anos todas as atividades da Casa. Percebemos, por exemplo, que a verba daqui para contratações de [servidores] comissionados era maior do que a da Câmara dos Deputados. Isso é injustificável.”METROPÓLES.

 

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
19out/180

Em terapia holística, Rollemberg diz que Ibaneis “não está tranquilo”

Nesta sexta-feira (19/10), o socialista passou por sessão de Reiki para equilibrar as energias na reta final da campanha

Michael Melo / Metrópoles

Em uma agenda curta de campanha nesta sexta-feira (19/10), o candidato à reeleição ao Palácio do Buriti, Rodrigo Rollemberg (PSB), visitou um espaço terapêutico na Asa Norte, onde fez uma sessão da técnica japonesa Reiki. A terapia holística visa buscar o equilíbrio das energias.

Na ocasião, o governador aproveitou para alfinetar o adversário. Disse que a maneira de agir de Ibaneis Rocha (MDB) “indica que ele não está tão tranquilo quanto parece”. “[São] reações de desequilíbrio, arrogância e preocupação”, destacou o socialista.

Após a terapia, Rollemberg ainda afirmou não acreditar nos números divulgados nessa quinta-feira (18) pela pesquisa Datafolha. Nela, Ibaneis aparece com 75% dos votos válidos – excluindo-se brancos e nulos –, contra 25% do atual governador. Os percentuais são os mesmos apontados pelo Ibope, publicados na quarta (17).

Como o Metrópoles mostrou, levando-se em conta os números do Datafolha, Rollemberg precisa tomar, por dia, quase 50 mil eleitores do concorrente Ibaneis Rocha para conseguir a reeleição em 28 de outubro.

“Eu tenho outros indicadores mostrando que essa diferença é muito menor do que tem sido apresentado pelos grandes institutos de pesquisa. Eles erraram no Distrito Federal, em Minas Gerais, em São Paulo, no Rio de Janeiro (no primeiro turno). Não sei o motivo. Mas tenho muita confiança [na vitória]”, declarou o buritizável.

Já no corredor, Rollemberg afirmou que, se reeleito, pretende contratar mais médicos especialistas em saúde da família e ampliar as práticas integrativas na rede pública, como ioga, automassagem, terapia comunitária, Reiki e homeopatia. “Elas ajudam a promover a saúde e garantir o bem-estar e, com isso, fazer com que as pessoas tenham menos doenças”, explicou. METROPÓLES.

 

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
17out/180

Eleição de deputados vira batalha jurídica no DF

Os nomes com * são dos deputados reeleitos distritais. Montagem: Brasília Capital

Informações Júlio Pontes Jornal Brasília Capital 

A composição das bancadas de Brasília nas Câmaras Legislativa e Federal vai virar uma batalha judicial. No domingo (7), o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) proclamou o resultado e divulgou os nomes dos eleitos. Mas, na quarta-feira (10), o advogado Paulo Goyaz, em matéria exclusiva publicada pelo portal contestou a decisão. Ou seja, se ele estiver com a razão, vários dos candidatos aclamados pelo TRE como vitoriosos serão substituídos.

 

De acordo com a relação oficial, oito dos 24 deputados distritais da atual legislatura permanecerão na Câmara Legislativa a partir de 2019 (veja quadro 1). Na Câmara dos Deputados, apenas Erika Kokay, do PT, foi reconduzida. Três dos oito novos deputados federais saíram da Câmara Legislativa para o Congresso: Julio Cesar, Professor Israel e Celina Leão. A mulher do ex-governador José Roberto Arruda, Flávia Arruda, foi a mais votada. Paula Belmonte, Luís Miranda e Bia Kicis conquistaram seus primeiros mandatos sem jamais terem disputado uma eleição (veja quadro 3).

 

Norma – De acordo com estudo do advogado Paulo Goyaz, o TRE-DF, ao aplicar a norma do artigo 10 da Resolução TSE 23.554 de 2017, para relacionar os 24 deputados distritais (veja quadro 3) e os oito federais eleitos, omitiu de apreciar a liminar concedida na ADIn 5.420 de 2015 e a revogação do Artigo 7º da Lei 13.165 de 2015, que alterava o artigo 109, I do Código Eleitoral. Sendo assim, segundo ele, o TRE utilizou regra suspensa pelo STF para preencher as vagas remanescentes após a aplicação do quociente partidário.

 

Quocientes – Para deputados distritais, apenas o PSB obteve dois quocientes (123.454 votos). Os demais partidos e coligações apenas um quociente: PRB/SD (97.745 votos); Avante (94.824); PSD/PODE (92.058); PDT/PV (91.902); PT (90.097); PROS (86.917); PP (82.554); PR (69.29); PMN/PTC (68.926); MDB (68.327) e PSC (61.994). As 11 vagas remanescentes deveriam ser ocupadas somente por estes partidos, segundo a liminar do STF.

 

Sobras – Assim, deveriam ter sido declarados eleitos: 14ª vaga – PRB/SD (sobra de 48.872 votos); 15ª vaga – Avante (sobra de 47.872); 16ª vaga – PSD/PODE (sobra de 46.026); 17ª vaga – PDT/PV (sobra de 45.026); 18ª vaga – PT (sobra de 45.048); 19ª vaga – PROS (sobra de 43.485); 20ª vaga – PP (sobra de 41.227); 21ª vaga – PSB (sobra de 41.152); 22ª vaga – PR (sobra de 34.645); 23ª vaga – PMN/PTC (sobra de 34.463); 24ª vaga – MDB (sobra de 34.163,50).

 

No entanto, o TRE declarou eleitos, segundo Goyaz indevidamente, o NOVO (Júlia Lucy) – 59.149 votos, no lugar do PP (Anderson Medina); a REDE (Leandro Grass) com 58.902 no lugar do PSB (Luzia de Paula); PRP (Daniel Donizet) 58.180 votos no lugar do PR (Dr. Gutemberg); o PSOL (Fábio Félix)com 59.840, no lugar do PMN/PTC (José Cláudio Bonina – Véi da 12); e o PHS (Hermeto) com 47.404 votos no lugar do MDB (Welligton Luiz) (veja quadro 2).

 

O advogado destacou ainda que o artigo 7º da lei 16.165 de 2015 foi revogado pela Lei 13.488 de 2017 e assim permanece em vigor apenas os parágrafos 1º e 2º do artigo 109 do Código Eleitoral, caso seja afastada a aplicação da ADIn 5420 do STF e assim, o preenchimento das vagas remanescentes será pelo critério dos candidatos mais votados. blogdoodir.

 

 

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
17out/180

2018, DF, Federais: só 3 coligações atingem o Quociente Eleitoral

(Bia Kicis/PRP, 3a mais votada mas eleita na última sobra)

 

A eleição 2018 para a bancada dos 8 Deputados Federais pelo DF ocorreu com 14 coligações e/ou partidos sozinhos.

Destes, três atingiram o Quociente Eleitoral.

Confira os votos e os eleitos das coligações > 2018 DF Federais tabela votos coligações

A ordem da votação nominal foi: 1. Flávia Arruda (PR) 121.340 votos (8,43 %), 2. Érika Kokay (PT) 89.986 votos (6,25 %), 3. Bia Kicis (PRP) 86.415 votos (6,00 %), 4. Julio Cesar (PRB) 79.775 votos (5,54 %), 5. Prof. Israel (PV) 67.598 votos (4,69 %), 6. Luis Miranda (DEM) 65.107 votos (4,52 %), 7. Paula Belmonte (PPS) 46.069 votos (3,20 %), 8. Prof Pacco (PODE) 39.300 votos (2,73 %) e 9. Celina Leão (PP) 31.610 votos (2,20 %).

A ordem de eleição (com atribuição das vagas pelo quociente partidário) foi: 1. Flávia Arruda; 2. Julio Cesar; 3. Prof. Israel.

Houve cinco “sobras” que foram distribuídas pela ordem da maior média 4. Celina Leão; 5. Érika Kokay; 6. Luis Miranda; 7. Paula Belmonte; 8. Bia Kicis.

O “nono eleito” teria sido Joaquim Roriz (PMN).

Sem a modificação do artigo 109 que permite agora a distribuição dos sobras aos partidos/coligações que não atingiram o Quociente Eleitoral, os eleitos teriam sido: Flávia Arruda, Júlio Cesar, Prof. Israel, Luis Miranda, Paula Belmonte, Maria Abadia, Laerte Bessa e Prof. Pacco.

Os primeiros suplentes são:

de Flávia Arruda ou Luis Miranda: Laerte Bessa;

de Julio Cesar ou Paula BelmonteProfessor Pacco;

do Prof. IsraelMaria Abadia;

de Érika KokayVanessa é o Bicho;

de Celina LeãoFilippelli;

de Bia KicisElisa Robson.

 

Fonte: Politicaemnumeros

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
17out/180

2018, DF, Distritais: 11 vagas distribuidas na sobra

(Telma Rufino/PROS, 17a mais votada mas eleita na última sobra)

A eleição 2018 para a bancada dos 24 Deputados Distritais pelo DF ocorreu com 24 coligações e/ou partidos sozinhos.

Uma só elegeu diretamente dois Deputados, o PSB, e 11 outras atingiram o quociente eleitoral

Confira os votos e os eleitos das coligações > 2018 DF Distritais tabela votos coligações

A ordem da votação nominal foi: 1. Martins Machado (PRB) 29.457 votos (1,99 %); 2. Del. Fernando Fernandes (PROS) 29.420 votos (1,99 %); 3. Prof. Reginaldo Veras (PDT): 27.998 votos (1,89 %); 4. Rafael Prudente (MDB): 26.373 (1,78 %); 5. Delmasso (PRB): 23.227 votos (1,57 %); 6. Chico Vigilante (PT): 20.975 votos (1,42 %); 7. Robério Negreiros (PSD): 18.819 votos (1,27 %); 8. Agaciel Maia (PR): 17.715 votos (1,20 %); 9.José Gomes (PSB): 16.537 votos (1,12 %); 10. Arlete Sampaio (PT): 15.537 votos (1,05 %); 11. Cláudio Abrantes (PDT): 14.238 votos (0,96 %); 12. Dr Gutemberg (PR): 13.373 votos; 13. Jorge Vianna (PODE): 13.070 votos (0,88 %); 14. Iolando (PSC): 13.000 votos (0,88 %); 15. Prof. Francelino (PV): 12.862 votos (0,87 %); 16. Eduardo Pedrosa (PTC): 12.806 votos (0,87 %); 17. João Cardoso Professor-Auditor (Avante): 12.654 votos (0,86 %); 18. Roosevelt Vilela (PSB): 12.257 votos (0,83 %); 19. Daniel Radar (PPS): 12.208 votos (0,83 %); 20. Telma Rufino (PROS): 11.715 votos (0,79 %); 21. Wellington Luiz (MDB): 11.663 votos (0,79 %); 22. Hermeto (PHS): 11.552 votos (0,78 %); 23. Pr. Daniel de Castro (PSC): 11.510 votos (0,78 %); 24. Salve Jorge (PMB): 10.745 votos (0,73 %); 25. Claudeci Luart (PODE): 11.403 votos (0,77 %); 26. Fábio Felix (PSOL): 10.955 votos (0,74 %); 27. Bispo Renato Andrade (PR): 10.692 votos (0,72 %); 28. Guarda Jânio (PROS): 10.524 votos (0,71 %); 29. Pepa (PSC): 10.048 votos (0,68 %); 30. Valdelino Barcelos(PP): 9.704 votos (0,66 %); 31. Anderson Medina (PP): 9.604 votos (0,65 %); 32. Luzia de Paula (PSB): 9.482 votos (0,64 %); 33. Sgt Bonina – Véi da 12 (PMN): 9.456 votos (0,64 %); 34. Daniel Donizet (PRP): 9.128 votos (0,62 %); 35. Sandra Faraj (PR): 8.963 votos (0,61 %); 36. Risomar Carvalho (PSD): 8.733 votos (0,59 %); 37. Cristiano Araújo (PSD): 8.676 votos (0,59 %); 38. Max Maciel (PSOL): 8.515 votos (0,58 %); 39. Oséias Ribeiro (PHS): 8.319 votos (0,56 %); 40. Ziller (PSB): 8.317 votos (0,56 %); 41. Tabanez (PROS): 8.078 votos (0,55 %); 42. Alessandro Paiva (PSB): 8.042 votos (0,54 %); 43. Ricardo Vale (PT): 7.909 votos (0,54 %); 44. Thiago Jarjour (PSB): 7.812 votos (0,53 %); 45. Júlia Lucy(Novo): 7.655 votos (0,52 %); 46. Magela (PT): 7.544 votos (0,51 %); 47. Igor Tokarski (PSB): 7.453 votos (0,50 %); 48. Prof. Jordenes (PTB): 7.377 votos (0,50 %); 49. Prof. Fábio Sousa (PDT): 7.347 votos (0,50 %); 50. Juarezão (PSB): 7.102 votos (0,48 %); 51. Pedro Leite (PODE): 6.789 votos (0,46 %); 52. Reginaldo Sardinha (Avante): 6.738 votos (0,46 %); 53. Washington Mesquita (PTB): 6.706 votos (0,45 %); 54. Pedro Ivo (PPS): 6.585 votos (0,45 %); 55. Leandro Grass (REDE): 6.578 votos (0,45 %).

A ordem de eleição (com atribuição das vagas pelo quociente partidário) foi: 1. José Gomes; 2. Roosevelt Vilela; 3. Martins Machado; 4. João Cardoso; 5. Robério Negreiros; 6. Prof. Reginaldo Veras; 7. Chico Vigilante; 8. Del. Fernando Fernandes; 9. Valdelino Barcelos; 10. Agaciel Maia; 11. Eduardo Pedrosa; 12. Rafael Prudente; 13. Iolando.

Houve onze “sobras” que foram distribuídas pela ordem da maior média 14. Júlia Lucy; 15. Leandro Grass; 16. Daniel Donizet; 17. Fábio Felix; 18. Delmasso; 19. Reginaldo Sardinha; 20. Hermeto; 21. Jorge Vianna; 22. Claúdio Abrantes; 23. Arlete Sampaio; 24. Telma Rufino.

O “vigésimo-quinto eleito” teria sido Daniel Radar (PPS).

Sem a modificação do artigo 109 que permite agora a distribuição dos sobras aos partidos/coligações que não atingiram o Quociente Eleitoral, os eleitos teriam sido: José Gomes, Roosevelt Vilela, Martins Machado, João Cardoso, Robério Negreiros, Prof. Reginaldo Veras, Chico Vigilante, Del. Fernando Fernandes, Valdelino Barcelos, Agaciel Maia, Eduardo Pedrosa, Rafael Prudente, Iolando, Delmasso, Reginaldo Sardinha, Jorge Vianna, Cláudio Abrantes, Arlete Sampaio, Telma Rufino, Anderson MedinaLuzia de PaulaDr GutembergSgt Bonina – Véi da 12 e Wellington Luiz.

Os primeiros suplentes são:

de José Gomes ou Roosevelt Vilela: Luzia de Paula;

de Martins Machado ou DelmassoProfessora Maria Antônia;

de João Cardoso ou Reginaldo SardinhaRogério Morro da Cruz;

de Robério Negreiros ou Jorge ViannaClaudeci Luart;

de Prof. Reginaldo Veras ou Cláudio Abrantes: Prof. Francelino;

de Chico Vigilante ou Arlete SampaioRicardo Vale;

de Del. Fernando Fernandes ou Telma RufinoGuarda Jânio;

de Valdelino BarcelosAnderson Medina;

de Agaciel MaiaDr. Gutemberg;

de Eduardo PedrosaSgt Bonina – Véi da 12;

de Rafael PrudenteWellington Luiz;

de IolandoPr Daniel de Castro;

de Júlia LucyJaja Jailton;

de Leandro GrassWaldir Cordeiro;

de Daniel DonizetKelly Bolsonaro;

de Fábio FelixMax Maciel;

de HermetoOséias Ribeiro.

Os indeferidos com recurso

57 candidatos com registro indeferido com recurso obtiveram um total de 47.496 votos, que permanecerão inválidos até o TSE se pronunciar sobre sua validade.

O único caso suscetível de modificar a relação dos eleitos é dos 31 candidatos do PTB, cujo indeferimento provem de erro do partido no encaminhamento da relação de inscritos ao TSE em abril.

O total do candidatos do PTB indeferidos é de 36.106 votos. Somados aos 21.546 obtidos pelos nominais e de legenda, totalizariam 57.652 sufrágios. Apesar de não atingir o Quociente Eleitoral, esta votação entraria na distribuição das sobras, na 4a rodada.

Assim, seria eleita a candidata de maior votação nominal, Jaqueline Silva (13.044 votos), eliminando da 11a rodada Telma Rufino. POLITICA EM NÚMEROS.

 

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
17out/180

Politica: Depois de Juarezão, Iolando Almeida terá um opositor a altura em Brazlândia

O empresário Zé Carlos do Gás comandou a campanha para a derrubada do império politico de Juarezão em Brazlândia. A próxima vitima do oposicionista poderá ser o mais novo deputado distrital Iolando Almeida pelo os próximos quatro anos

Distrital Iolando Almeida ouvindo a comunidade

O cenário politico na cidade de Brazlândia deverá mudar alguns personagens no comando da região, mas a oposição deverá continuar intacta aos futuros gestores políticos da pacata cidade.

O distrital Juarezão que foi sepultado nas urnas no última dia 07 de outubro, deve a sua derrota de forma substancial ao empresário Zé Carlos do Gás, que fez uma campanha ostensiva durante todo o ano eleitoral para dar fim ao império juarezista;" O Zé Carlos foi muito firme e usou de todos os meios para acabar com o Juarezão e conseguiu!" , declarou Flávio Santarém, morador da cidade e eleitor declarado de Juarezão.

Oposição a Iolando Almeida

O empresário Zé Carlos do Gás foi procurado pelo o blogdogbu que buscou saber a sua postura com relação ao atual deputado distrital da cidade, Iolando Almeida,;" Farei oposição ao Iolando Almeida, mas sempre em defesa da cidade. Já peguei toda a relação de promessas que ele fez ao longo da campanha e vou cobrar assim como fiz com o fracassado Juarezão", salientou Zé Carlos.

 

fonte: Redação

 

 

 

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
17out/180

Solidariedade fecha apoio com Ibaneis para o segundo turno

 Partido estava com Rogério Rosso (PSD) antes de migrar para a campanha do MDB. Aliança foi confirmada nesta terça-feira (16/10)

O Solidariedade (SD) fechou aliança na tarde desta terça-feira (16/10) com o candidato ao Palácio do Buriti Ibaneis Rocha (MDB). O apoio foi formalizado em um dos escritórios do partido, no Setor de Indústrias Gráficas (SIG), com a presença do presidente da legenda no Distrito Federal, deputado Augusto Carvalho.

Caso seja eleito, o buritizável disse que, ainda no período de transição, pretende convocar todos os partidos, para cada um apresentar propostas para o DF. “O presidente [do SD] tem uma preocupação muito evidente com o meio ambiente e me pediu para dar uma maior atenção a essa área. Outro pedido foi a melhoria na infraestrutura da cidade para a mobilidade urbana”, exemplificou.

Augusto Carvalho afirmou que a escolha do Solidariedade pelo emedebista era algo natural. “Nossa coligação tentava um caminho diferente, tanto que apoiamos o [Rogério] Rosso no primeiro turno”, explicou.

O parlamentar pediu foco na aplicação de recursos federais no Distrito Federal. “Por que os outros estados conseguem executar as emendas? É um problema recorrente que acaba prejudicando a população. Tentei construir uma creche no Gama, por exemplo, mas não foi possível”, reclamou Carvalho.

Ibaneis já recebeu apoio de PSD, PSDB, Podemos, Patriota, DC, PMB, PHS, PRB, PPS e PRP. As legendas se uniram aos coligados de primeira hora do MDB: PP, Avante, PSL e PPL.

Debate

Na quarta-feira (17/10), a partir das 19h30, o Metrópoles promove debateentre Rodrigo Rollemberg (PSB) e Ibaneis. Os buritizáveis estarão ao vivo no estúdio do portal para discutir propostas e tentar convencer o brasiliense sobre quem é o melhor nome para comandar o DF nos próximos quatro anos.

Em parceria com rádios, o site formou uma grande rede de comunicação para alcançar o maior número possível de eleitores. Além da Metrópoles FM (104,1), o evento será transmitido, simultaneamente, pelas emissoras Redentor AM (110), Rádio Atividade FM (107,1), Rádio Supra FM (90,9), JK FM (102,7) e JK AM (1410). Juntas, as estações alcançam, em média, 60 mil pessoas por minuto.

Nesta edição, o debate terá quatro blocos. Os postulantes vão responder a perguntas dos jornalistas, poderão fazer questionamentos entre si acerca de temas livres e de outros sorteados. Há também a opção de acompanhar a transmissão em tempo real no próprio portal e nos perfis do Metrópolesno FacebookYouTube e Twitter.

 

fonte: Metropóles

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
17out/180

PF indicia Michel Temer e mais dez pelo “Decreto dos portos”

A Polícia Federal (PF) concluiu, nesta terça-feira (16), o inquérito e indiciou o presidente da República, Michel Temer, por favorecimento de empresas na edição de decretos para o setor portuário, caso conhecido como “Decreto dos Portos”. O relatório foi entregue ao ministro Luís Roberto Barroso, relator do caso no Supremo Tribunal Federal (STF), que deve encaminhar o documento para manifestação da Procuradoria Geral da República (PGR).

Além de Temer, foram indiciados sua filha Maristela Temer, o ex-assessor e ‘homem da mala’ Rodrigo Rocha Loures, o ex-diretor da Rodrimar Antônio Celso Grecco e outras seis pessoas.

O delegado da PF Cleyber Malta Lopes apontou a ocorrência dos crimes de corrupção passiva e ativa, lavagem de dinheiro e organização criminosa dividida em quatro núcleos: político, administrativo, empresarial e operacional.

Lopes pediu a prisão de quatro investigados, entre eles o coronel João Baptista Lima Filho, amigo do presidente. A PF pediu também o bloqueio de bens de todos os indiciados, inclusive de Temer.

A Polícia Federal investigou durante 11 meses a edição do decreto e as pessoas ligadas a Temer. A suspeita é de que a empresa de arquitetura Argeplan , do amigo de Temer, Coronel João Baptista Lima Filho, tenha sido utilizada para receber propina do setor portuário, em nome de Michel Temer.

Também houve investigação sobre a reforma feita na casa de Maristela, filha de Temer, entre 2013 e 2015, o apartamento passou por obras, sendo que a suspeita é que pelo menos R$ 1 milhão tenha vindo do setor portuário.

O inquérito do “Decreto dos Portos” foi aberto a pedido do ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot com base nas delações de executivos do Grupo J&F. O ministro Barroso  prorrogou a conclusão do inquérito por quatro vezes.

 

fonte: DIARIODOPODER

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn