9nov/170

CEB registra falta de energia em todo o DF há mais de 40 horas

CEB registra falta de energia em todo o DF há mais de 40 horas

Companhia Energética de Brasília (CEB) está em greve e apenas 45 equipes fazem os reparos; não há previsão para normalizar o serviço

Moradores das 31 regiões administrativas do Distrito Federal estão há quase 40 horas sem de energia elétrica. O fornecimento está interrompido desde o temporal da madrugada da última quarta-feira (7/11). Postes e o cabeamento ficaram destruídos após quedas de árvores e rajadas de ventos. A Companhia Energética de Brasília (CEB) está em greve e apenas 45 equipes fazem os reparos.

A CEB recebeu quase 2,8 mil chamados para reparos. Várias casas e estabelecimentos comerciais de Ceilândia, Taguatinga, Sobradinho, Brazlândia, Planaltina, Samambaia e Núcleo Bandeirante estão sem eletricidade. A situação mais crítica é no Lago Norte e na Asa Norte, onde a chuva destruiu com mais intensidade a estrutura da companhia.

Há quatro dias em greve, os reparos feitos pela CEB devem se estender até o fim de semana. Porem, não há previsão para a normalização do serviço. Pelo Whatsapp do Correio (61-99256.3846) moradores de diversas regiões relataram o problema e cobraram respostas da CEB.

Recomposição salarial e ponto cortado

O governador Rodrigo Rollemberg (PSB) determinou que o ponto dos empregados grevistas seja cortado. Cabe à Justiça definir se a medida será realmente executada. “A empresa continua com canais de diálogo junto à categoria a fim de encerrar o movimento”, disse a companhia, em nota.

A CEB ofereceu aos seus empregados recomposição salarial de 100% das perdas inflacionárias do período além da manutenção de todas as cláusulas atuais do Acordo Coletivo de Trabalho, inclusive os benefícios sociais históricos da categoria como auxílio creche, auxílio babá, vale alimentação.

No entanto, a proposta vem sendo rejeitada pela categoria, que pede reajuste de R$ 1,2 mil para todos os empregados o que, em média, representa 8 vezes mais que a inflação do período.

Fonte: Correioweb

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
9nov/170

Polícia prende quadrilha que roubava carros para revender em vários estados

Ao todo, oito pessoas foram presas no Distrito Federal, no Entorno e em cidades do interior da Bahia. Uma está foragida. O grupo falsificava os sinais identificadores dos veículos e os anunciavam para vender em redes sociais

Uma operação da Polícia Civil que durou dois dias terminou com oito pessoas presas preventivamente e nove mandados de busca e apreensão cumpridos. Uma pessoa está foragida. Policiais da Delegacia de Roubos e Furtos de Veículos (DRFV) desarticularam uma organização criminosa interestadual que agia para roubar e furtar carros, além de clonar os automóveis e revendê-los a outras pessoas. As prisões aconteceram em Santa Maria e Ceilândia, em regiões do Entorno do DF, como Luziânia e Valparaíso, além de cidades em Bom Jesus da Lapa (BA) e João Dourado (BA).

De acordo com a investigação, os envolvidos agiam no DF e no Entorno e faziam a troca das placas, a retirada e a sobreposição dos números de identificadores dos veículos no chassi, vidros, motor e etiquetas. Segundo a polícia, eles davam aos automóveis uma identidade semelhante a um outro carro em situação regular.

Eles aindam falsificavam o Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo (CRLV) com os dados dos automóveis copiados e anunciavam para venda em redes sociais e outros meios de divulgação. Os criminosos ainda contavam que se tratavam de carros sob alienação fiduciária com parcelas do financiamento em atraso.

O grupo remetia boa parte dos veículos para serem vendidos em cidades do interior da Bahia. Também participavam da ação adolescentes que, armados, agiam nos atos de roubo e furto. Agentes cumpriram os mandados na terça (7/11) e quarta-feira (8/11). Ao todo, 16 veículos foram recuperados.

Durante meses a polícia monitorou a atividade dos integrantes do grupo. Os envolvidos têm entre 21 e 45 anos. Todos têm passagem pela polícia, inclusive por homicídio e tráfico de drogas. Agora, eles responderão por associação criminosa armada, furto qualificado, corrupção de menores, adulteração de sinais identificadores de veículo, falsificação de documento público e receptação.

Fonte: CorreioWEB

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
9nov/170

Por falta de funcionários, catracas do metrô são liberadas para passageiros

Medida foi tomadas às 10h. Ao meio-dia, sistema foi interrompido

Devido à redução de funcionários nas estações de metrô, por conta da greve dos metroviários, as catracas precisaram ser liberadas a partir das 10h. A expectativa era que, depois desse período, a passagem voltasse a ser cobrada, mas a empresa decidiu suspender os serviços depois do meio-dia. A liberação da entrada se deu porque os servidores que foram ao trabalho precisam sair para sua hora de descanso e almoço. De acordo com informações de funcionários, somente metade deles está trabalhando

A reportagem do Correio passou pelas estações do Centro Metropolitano, Rodoviária do Plano Piloto, Águas Claras, Furnas, Taguatinga Sul e Samambaia Sul. Em todas elas, os usuários foram surpreendidos com o fechamento dos caixas e a liberação das catracas.

A dona de casa Wania Santos, 53 anos, que seguia para Samambaia, chegou no momento exato do fechamento. “Isso confunde a gente, ainda mais hoje com esse indicativo de greve. Pelo menos não vão parar por completo”, opinou.

A frota de veículos também foi reduzida. Os carros passavam em intervalos médios de 20 minutos. A demora acontece tanto no sentido Central quanto para Ceilândia-Samambaia. Isso fez com que a diarista Luciane Oliveira, 47 anos, que seguia viagem da estação da 114 Sul até a Rodoviária, se atrasar uma hora para o trabalho. “Espero que na Rodoviária seja mais rápido. Não tem como não ficar indignada”, afirmou a diarista.

No Centro Metropolitano, a professora Louise Correa, 33 anos, comemorou a liberação das catracas. Ela é de Santa Rita de Cássia, na Bahia, e veio para Brasília para visitar os parentes por 10 dias. "É vatangem, porque, como não sou daqui, eu não tenho bilhete único. Então, eu teria que pagar passagem para ir para a Rodoviária", comemorou.

Fonte: Correioweb

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn