31jul/170

DEPUTADO FEDERAL FAZ TATUAGEM COM NOME DE TEMER PARA DEMONSTRAR APOIO

E PLANEJA A PRÓXIMA: 'QUERO ESCREVER ‘TEMER, O ÚNICO E VERDADEIRO ESTADISTA DO BRASIL'

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
31jul/170

Agosto Promete…

A temperatura deve subir mesmo no Distrito Federal a partir de terça-feira, primeiro de agosto. Aliás, agosto já é conhecido como o mês dos escândalos e tragédias na política. Na Câmara dos Deputados, Senado, Palácio do Planalto, Palácio do Buriti e Câmara Legislativa do DF, a tensão é máxima. A Lava Jato está cada vez mais perto de pegar novos tubarões. Haja Lexotan…

Fonte: Donny Silva

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
31jul/170

Reguffe vai ou não vai?

Informações Jornal Brasília Capital 

O senador José Antonio Reguffe (sem partido) desperta ódios e paixões. Mas, querendo ele ou não, seu nome é a chave para a disputa pelo Palácio do Buriti em 2018, embora declare, reiteradamente, que vai cumprir seu mandato “na íntegra”, sem concorrer a outro cargo.

Muita gente tenta encorajar Reguffe a ser candidato ao governo. Mas ele rechaça a ideia e insiste no discurso de “deixar para a próxima”. Aí começa outra questão: muitos querem saber quem o senador apoiará.

Nas eleições de 2010 e 2014, Reguffe não teve muita sorte. Agnelo Queiroz – o governador petista apoiado por ele – foi um desastre. E o atual, Rodrigo Rollemberg, patina na impopularidade.

Mas seja qual for o destino de Reguffe, seu nome figurará como protagonista, e o cenário sem a sua presença será quase impossível.

E a pergunta que não quer calar continua sem resposta: Alguém será capaz de dobrar o senador e fazer com ele se apresente como candidato a governador já nas próximas eleições?

Essa interrogação deixa a sucessão no Palácio do Buriti num tremendo novelo.

Mas o futuro do senador Reguffe não é desvendado nem pelos mais iluminados videntes fundo de quintal.

2018 é logo ali!

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
31jul/170

Politica: REDE vem de Baltazar Cristino em Brazlândia

A plenária de lançamento da Pré - candidatura do servidor público , Baltazar Cristino, mostrou a sua força e contou com a presença da comunidade de diversos setores da região, como; Setores norte e sul da cidade, também de Padre Lúcio, vendinha, ouro verde, Monte alto e Maranata. O evento contou com o porta voz da REDE SUSTENTABILIDADE, Pedro Ivo, dentre outras lideranças politicas do DF.

 

Vale lembrar que Baltazar Cristino vem realizando encontros para debater a cidade em diversos setores da região;" O Baltazar Cristino faz parte do novo. E Brasilia quer e precisa de sangue novo para o nosso futuro", declarou um dos apoiadores de Baltazar ao gbu.

fonte: Redação
Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
31jul/170

Politica: Surge o adversário real de Juarezão em Brazlândia

Considerado mais representante que Iolando Almeida para a categoria da pessoa com deficiência, Edberg Lopes, surge como o principal oposicionista ao distrital Juarezão na região

Ele é franzino, jovem e respeitado por uma parcela significativa da pessoa com deficiência no Distrito Federal. O nome dele é Edberg Lopes, morador de Brazlândia há mais de 20 anos, jovem e pré- candidato á distrital com chances reais, caso a sua categoria resolva aderir ao seu projeto em defesa da pessoa com deficiência no DF.

Edberg Lopes, se filiou na última semana ao PROS e foi bem recebido pelo o presidente da sigla, Euripedes Junior e pelo o Presidente da Ordem Social, Felipe Espirito Santo;" O nosso amigo Edberg Lopes vai contribuir em muito com suas idéias e ações no núcleo do PROS mais especial", declarou o representante da sigla pela as redes sociais.

Em um embate franco, o jovem Edberg Lopes acredita que o momento deve ser de muito empenho na defesa de uma Brasilia melhor;" Chegou a hora de se pensar mais nas pessoas. A falta do emprego e a qualificação são pontos prioritários em futuras etapas e decisões tomadas por nós. Não pensava em ir para as disputas eleitorais, mas a fragilidade de nossos representantes acabou por nos forçar a criar coragem e seguir em frente", declarou Edberg Lopes ao gbu

Procurado pelo o blogdogbu sobre sobre uma disputa direta com Iolando Almeida, o pré- candidato do PROS declarou ao blog de forma futura;" Sobre a falta de trabalho desse cidadão para a pessoa com deficiência eu falarei em breve!", declarou Edberg

 

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
31jul/170

Bito Ramos:” Juarezão foi uma aposta errada e Iolando Almeida é o mais do mesmo”

Bito Ramos - Pré - candidato á distrital

O pré- candidato á distrital Bito Ramos, da cidade de Brazlândia vem demonstrando desenvoltura e disposição em participar do processo eleitoral em 2018. O jovem pré- candidato acredita que poderá ser uma alternativa eleitoral em Brazlândia;" Quero colocar meu nome a disposição dos moradores de minha cidade. O Juarezão prova que foi uma aposta errada e o Iolando é o mais do mesmo. Por isso, acredito que podemos mudar de fato com vistas á 2018", declarou um entusiasmado pré- candidato ao gbu.

Vale lembrar que Bito Ramos ainda não definiu o caminho partidário que vai seguir. Mas não será surpresa se ele seguir para o partido do respeitado Rogério Rosso (PSD). Vamos esperar!

fonte: Redação

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
31jul/170

A verdadeira herança de pai Lula e mãe Dilma, uma cleptocracia que resiste

A verdadeira herança de pai Lula e mãe Dilma, uma cleptocracia que resiste

Cleptocracia renitente

Estadão Conteúdo 

A espantosa revelação de que, com a Lava Jato comendo solta e um monte de gente presa, Aldemir Bendine negociou o recebimento de pelo menos R$ 3 milhões em propina da Odebrecht às vésperas de assumir a Petrobrás com a missão de saneá-la mostra a profundidade do buraco em que o Brasil se meteu na última quadra.

Trata-se de uma cleptocracia renitente, em que seus integrantes de todos os escalões ignoram o Estado de Direito, zombam da capacidade de punição dos corruptos, se sentem à vontade para pedir dinheiro por mensagem eletrônica, como se houvesse um caixa eletrônico virtual da propina, correm pela rua com malas recheadas de pixuleco para pegar táxi e discutem à luz do dia a mudança das leis de forma a permitir que a pilhagem continue sem admoestações.

A corrupção brasileira não começou com o PT, mas foi obra do lulismo a construção desse regime de ladrões, em que todos os escalões foram loteados por companheiros cuja única razão de estarem onde estavam era montar uma rede de financiamento político-partidário cedendo a empresários “amigos” financiamentos, contratos, leis feitas sob encomenda, negócios em países governados por ditaduras aliadas e toda sorte de traficância.

Os petistas, em seu exercício quase comovente de autoengano, vão se apressar em gritar: mas e Michel Temer? O atual governo, que manteve a cleptocracia instalada, nada mais é que continuação do de Dilma Rousseff.

Não há ginástica retórica nem cambalhota intelectual que altere o fato histórico de que foi Lula quem inventou do nada a candidatura de Dilma e colocou Temer como seu vice. Foi ele quem designou o casal João Santana e Monica Moura para repaginar Dilma, que a vendeu como uma técnica competente (!), “mãe” do PAC, depois “faxineira” da corrupção e outras tantas mistificações para alguém que era incapaz de governar o País, por inabilidade política, por incapacidade de gestão e uma visão totalmente enviesada do papel da economia, atributos reais escondidos sob o manto do marketing e pelos quais o País vai pagar décadas.

Não cola também o outro véu com que se tentou vestir Dilma, o da presidente honesta que não sabia de nada do sambalelê da corrupção que grassava em seu governo.

Afinal, foi ela quem trocou José Sérgio Gabrielli pela amiga Graça Foster e ordenou o desmonte do condomínio PT-PMDB-PP que parasitava a companhia. Depois, foi ela quem sucumbiu às pressões e trocou a amiga pelo agora preso Bendine, vendido como alguém que iria recolocar a empresa nos trilhos.

Não foi por falta de aviso prévio. A gestão de “Dida” no Banco do Brasil já havia sido coroada de episódios capazes de inabilitá-lo para essa missão em qualquer governo minimamente sério.

Ele comprou um apartamento por R$ 150 mil em dinheiro vivo, usou as linhas de financiamento do BB para dar mimos à amiga Val Marchiori e se meteu numa guerra de gangues com o então presidente da Previ, Ricardo Flores, em que as armas eram dossiês, ameaças e o uso do fundo e das diretorias do banco como instrumentos para derrubar os inimigos.

O esquema do PMDB na Caixa, com Geddel Vieira Lima, Eduardo Cunha e Fábio Cleto à frente, nada mais é que a fatia dos aliados dada pelo PT na cleptocracia lulo-dilmista. O mesmo vigorou na Transpetro, dada como capitania ao outro PMDB, o do Senado, e em todos os demais espaços públicos.

Não é possível, portanto, os petistas apontarem o dedo e berrarem “Fora, Temer”. Foi seu líder supremo quem transformou o aparelho de Estado numa lucrativa organização político-partidária destinada a tornar ricos empresários que aceitassem colaborar com o esquema e burocratas com vocação para mafiosos. Essa é a verdadeira herança de pai Lula e mãe Dilma, uma cleptocracia que resiste.

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
31jul/170

Votação contra Temer será termômetro sobre apoio ao Planalto

Votação contra Temer será termômetro sobre apoio ao Planalto

Foto: Reprodução/Divulgação/Antonio Cruz/ Agência Brasil

Votação contra Temer será termômetro sobre apoio ao Planalto

Por Correio Braziliense 

A dois dias da votação que poderá definir se o presidente Michel Temer segue ou não no comando do país, o Planalto garante que tem entre 260 e 280 votos para arquivar a denúncia de corrupção passiva contra o peemedebista. O número necessário são 172. E quer aproveitar esse número como base para provar que o peemedebista não ficará paralisado até dezembro de 2018. Segundo os governistas, quem vota alinhado ao Executivo também apoia a Reforma da Previdência. O resultado, então, serviria como termômetro para medir o patamar mínimo de apoio às mudanças nas regras de aposentadoria.

Antes da crise deflagrada pela delação do empresário Joesley Batista, no dia 17 de maio, os estrategistas palacianos calculavam que tinham aproximadamente 300 votos favoráveis à reforma da Previdência. O texto-base havia sido aprovado na Comissão Especial e os planos eram de conseguir pelo menos mais 50 votos para dar uma margem de segurança para a aprovação da matéria. A conversa entre o dono da JBS e Temer, no Palácio do Jaburu, fritou todas as contas políticas.

Tudo no governo passou a ser concentrado no esforço para evitar que Temer fosse derrubado antes do término do mandato. “Vencemos na Comissão de Constituição e Justiça e vamos para o plenário com um relatório defendendo o arquivamento da denúncia. Regimentalmente, em qualquer situação, para derrubar Temer, seriam necessários 342 votos. O que mudou foi o fator político. O texto em análise, agora, é favorável a nós”, resumiu um aliado do presidente.

Por uma questão de cautela, integrantes da equipe econômica e da base na Câmara tentam conter o entusiasmo ao estabelecer uma relação direta entre os votos do plenário na quarta-feira e a retomada da tramitação da reforma da Previdência, embora saibam que o PSDB, por exemplo, que defende a abertura de investigação contra o presidente Michel Temer, votaria a favor de novas regras para as aposentadorias. “Podemos dizer que a situação política melhorou. Mas só vamos pensar o que fazer para frente depois de virarmos essa página da denúncia”, afirmou o vice-líder do PMDB na Câmara, Carlos Marun (PMDB-MS).

Ele afirma que a única certeza, até o momento, é que a oposição não tem os 342 votos necessários para derrubar o Temer. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que chegou a ser celebrado como sucessor do peemedebista, realinhou-se ao Planalto e decidiu que a sessão de quarta-feira será aberta com o número regimental mínimo de 51 parlamentares. Os debates serão iniciados, mas a votação para valer só poderá ser iniciada quando for atingido o quórum de 257 deputados em plenário.

A tendência é que haja uma longa batalha política em torno da votação. Parlamentares da oposição desembarcam hoje em Brasília. Amanhã, os petistas devem almoçar com integrantes do PCdoB, Rede e PSol. Ao longo da tarde, todas as bancadas devem reunir-se para traçar os planos. “Vou pedir ao comando do partido que feche questão a favor da denúncia”, disse ao Correio o líder do PT na Câmara, Carlos Zarattini (SP). Ele não tem qualquer dúvida sobre o posicionamento de seus liderados em relação à questão. Mas sabe que as redes sociais pensam diferente.

Militantes partidários e demais integrantes do bloco contrário a Temer questionaram, nas últimas semanas, a disposição do PT em derrubar Temer do Planalto. Como é praticamente impossível a aprovação de uma emenda constitucional para a realização de eleições diretas, interessaria aos petistas deixar o peemedebista “sangrando em público” até dezembro de 2018, na esperança de que o fracasso do Executivo Federal impulsionasse o retorno de Lula ao Planalto em 2019. “Nosso interesse é derrotar o governo e expor os governistas que apoiaram um presidente denunciado por corrupção passiva”, desconversou Zarattini.

O deputado Júlio Delgado (PSB-MG) defende que as estratégias de plenário flutuem de acordo com a realidade dos deputados presentes na sessão. Ele reconhece que, hoje, os oposicionistas não têm votos suficientes para destituir o presidente. “Não vamos dar quorum na sessão. Deixa que os aliados do presidente garantam o número mínimo para abertura dos trabalhos. Mas, uma vez atingido o quorum de 257, não podemos obstruir a sessão”, declarou.

Delgado espera que os parlamentares voltem do recesso pressionados pelos seus eleitores. “Eles sabem que estarão declarando apoio ao presidente mais mal avaliado da história brasileira”, provocou ele.

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
27jul/170

MOTO CLUBE BOLA DE AÇO EM AÇÃO

fonte: Gelson Belino

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
27jul/170

PLANALTO TRABALHA PARA SEPULTAR NA QUARTA-FEIRA INCERTEZA SOBRE TEMER

GOVERNO QUER 'MATAR' DENÚNCIA DA PGR DIA 2, APÓS O RECESSO

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
27jul/170

NOTA DE PESAR

É com imenso pesar que o deputado Juarezão informa a morte do Sr. Itamar Pinheiro Lima, seu grande amigo e homem de confiança. Itamar fez parte dos quadros da Câmara Legislativa do Distrito Federal desde os primórdios da casa. Era advogado, foi Secretário Executivo da Vice-Presidência da Câmara Legislativa do Distrito Federal, Chefe da Assessoria de Plenário e Distribuição, e Assessor Parlamentar. É uma perda inestimável. O Velório será a partir da 06hs na Pax Primavera, em Anápolis, em frente ao Cemitério São Miguel, e o enterro ocorrerá às 17hs.

Estamos todos em oração, para que os familiares e amigos de Itamar encontrem conforto neste momento difícil.

 

fonte: Gabinete Deputado Juarezão

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
25jul/170

Politica: Iolando Almeida não aparece nas pesquisas e luz amarela acende para 2018

O suplente de deputado distrital não vem empolgando o eleitorado que deseja mudanças e Iolando Almeida já pensa em mudar estratégias 

O suplente de deputado distrital, Iolando Almeida, vem demonstrando preocupação em "nadar e morrer na praia". Os últimos levantamentos pré- eleitorais demonstram que a luz amarela acendeu para o futuro politico de Iolando, nas últimas cinco pesquisas, o pré- candidato não aparece entre os  mais lembrados da comunidade do DF.

A briga politica entre Iolando Almeida e Juarezão poderá levar os dois a cair no mesmo buraco e a morte politica coletiva poderá virar uma realidade para ambos. Dentro do grupo de Iolando Almeida tem muita gente assustada pelo o fato do pré-candidato não aparecer nas pesquisas;" É claro que nos preocupa o Iolando não empolgar o eleitorado. As pesquisas precisa melhorar para nós, senão corre o risco de ser pior que a eleição passada", declarou um aliado de Iolando Almeida que preferiu anonimato.

 

fonte: Redação

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn