9maio/170

PESQUISA REVELA EMPATE ENTRE LULA E BOLSONARO NO RIO GRANDE DO SUL

DOS TRÊS CENÁRIOS PESQUISADOS, PETISTA LEVA DOIS E DEPUTADO UM

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
9maio/170

Catadores terão aumento em benefício por deixarem Lixão da Estrutural

Mesmo com dificuldades para pagar salários, benefícios sociais e horas-extras, o governo local vai ampliar o valor repassado para catadores de materiais recicláveis que trabalham no Aterro do Jóquei — também chamado de Lixão da Estrutural. O número de beneficiários também vai aumentar, de 900 para 1,2 mil, e cada um receberá R$ 360,75 por mês. Hoje, o valor é de R$ 300.

A bolsa consta do Projeto de Lei n° 1.459/2017, enviado pelo Executivo à Câmara Legislativa. De acordo com a proposta, os benefícios fazem parte de uma compensação por conta da transferência do lixão, que fica próximo à Cidade Estrutural para, Samambaia. Com a ida dos detritos para outro aterro, os catadores, de acordo com os cálculos presentes na proposta, terão uma perda mensal estimada em R$ 432,9 mil. A previsão é de que o Lixão da Estrutural seja fechado em definitivo até meados de 2018. O aterro de Samambaia começou a operar em janeiro deste ano.

Para terem direito ao benefício, cuja duração será de três meses, os catadores não poderão exercer outra atividade como renda principal e precisam participar de cursos de capacitação. As aulas serão disponibilizadas pela Secretaria de Estado de Trabalho, Desenvolvimento Social, Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos (Sedestmidh). A pasta é a responsável pelo cadastro e o repasse dos recursos. Mesmo que os catadores estejam inseridos em outros programas sociais, poderão receber a bolsa.

A proposta do Executivo prevê um gasto de de R$ 5,2 milhões entre 2017 a 2019. Após a aprovação da matéria na CLDF, o GDF terá 30 dias para enviar uma proposta de remanejamento de crédito orçamentário. Segundo a Sedestmidh, atualmente 900 famílias recebem o benefício de R$ 300.

Atrasos

O GDF afirma que o pagamento do auxílio está em dia, mas o mesmo não ocorre com outros beneficiários de programas sociais do governo local. Até o início desta semana, as famílias carentes e em situação de risco social inscritas na iniciativa ainda não tinham recebido os repasses referentes a março e abril. A previsão era regularizar tudo até a quinta-feira (11).

Outro grupo que não recebeu boas notícias foi o dos professores. Na segunda-feira (8), a categoria amanheceu sem dinheiro na conta, pois o GDF descontou os 29 dias da greve feita entre março e abril. O governo havia prometido não abater o tempo parado, mas como o acordo só foi homologado na Justiça na tarde de segunda (8), o pagamento será feito até sexta (12), por meio de folha suplementar. Metropoles.

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
9maio/170

Politica: Distrital faz defesa da gestão Rollemberg no projeto “Deputado em minha casa”

O chefe do poder executivo, Rodrigo Rollemberg, deve está feliz da vida com o posicionamento aberto do distrital Cristiano Araújo na defesa da gestão socialista em suas agendas nas cidades satélites. O parlamentar do PSD que vem visitando todas as cidades do DF, no projeto "Deputado Cristiano em minha casa", mostrou em cidades como; Ceilândia, Samambaia, Recanto das Emas, Paranoá, Santa Maria dentre outras, os pontos positivos da gestão Rollemberg.

O parlamentar antes oposição, decidiu que ser situação precisa ter coragem e não esconder seus posicionamentos;" Os dois anos iniciais do governador foram de reorganizar a máquina pública e os dois anos restantes para colher o que se plantou da reorganização. O momento deve ser de colaboração para melhorar a vida das pessoas", salientou Cristiano na cidade de Santa Maria para um público formado de jovens e moradores antigos da região.

fonte: Redação

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
9maio/170

Juiz nega adiar depoimento de Lula a Moro em Curitiba

O juiz federal convocado Nivaldo Brunoni, que substitui o relator da Operação Lava Jato no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF/4), João Pedro Gebran Neto, indeferiu nesta terça-feira o pedido liminar da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para suspender uma das ações penais a que ele responde na Justiça Federal do Paraná e, assim, adiar o depoimento do petista ao juiz Sergio Moro, marcado para as 14h de amanhã. Neste processo, o petista é acusado de receber 3,7 milhões de reais da OAS por meio da reserva e da reforma de um tríplex no Guarujá (SP), dinheiro que teria origem em contratos da empreiteira com a Petrobras.

Os advogados do petista pediram ontem ao TRF/4, por meio de habeas corpus, a imediata suspensão do processo. A defesa alegava ao tribunal, sediado em Porto Alegre, que não dispunha de tempo suficiente para analisar o conteúdo de uma “supermídia” com 5,42 gigabytes com documentos que a Petrobras anexou aos autos estima-se que o arquivo tenha 100.000 páginas. “É materialmente impossível a defesa analisar toda essa documentação até o próximo dia 10, quando haverá o interrogatório do ex-presidente e será aberto o prazo para requerimento de novas provas”, assinalaram.

Segundo os advogados de Lula – os criminalistas Cristiano Zanin Martins e Roberto Teixeira, os documentos da Petrobras foram solicitados desde 10 de outubro de 2016, mas “foram levados em parte ao processo somente nos dias 28 de abril e 2 de maio de 2017, por meio digital”.

Para o juiz federal, o habeas corpus “não merece acolhimento o pedido por falta de previsão legal”. “Em juízo de cognição sumária, comum das providências cautelares processuais, não vejo ofensa à ampla defesa. Ao contrário disso, é válida a juntada de documentação em meio digital, apesar de a parte interessada insistir em recebê-la ou acessá-la de forma diversa. Em se tratando de prova requerida pela defesa e esta compreensão é fundamental nada mais adequado do que a sua juntada ao processo, sobretudo porque a própria estatal é parte interessada no processo, não sendo razoável a pretensão defensiva de comparecimento na sede da Petrobras”, escreveu Brunoni em sua decisão.

Ainda segundo o magistrado, “não se desconsidera que a existência de milhares de páginas para exame demanda longo tempo, mas foge do razoável a defesa pretender o sobrestamento da ação penal até a aferição da integralidade da documentação por ela própria solicitada, quando a inicial acusatória está suficientemente instruída”.

Nivaldo Brunoni também ponderou, ao negar o pedido dos advogados de Lula, que a oitiva do ex-presidente, embora um ato processual normal, “ganhou repercussão que extrapolou a rotina da Justiça Federal de Curitiba/PR e da própria municipalidade”. Ele enumerou as “medidas excepcionais” tomadas pela Secretaria de Segurança do Paraná para evitar tumultos e garantir a segurança nas imediações da sede da Justiça Federal paranaense: “prazos foram suspensos, o acesso ao prédio-sede da Subseção Judiciária será restrito a pessoas previamente identificadas e o trânsito nas imediações será afetado, medidas que vem mobilizando vários órgãos da capital paranaense”.

“Assim, ausente flagrante ilegalidade e possibilitada pela própria autoridade coatora a apresentação de documentação até a fase do art. 402 do CPP e, ainda, a eventual repetição de atos processuais já realizados, não há razão para o deferimento de suspensão do interrogatório do paciente e sobrestamento da ação penal”, conclui o juiz.

Leia aqui a íntegra da decisão de Nivaldo Brunoni, que mantém o depoimento de Lula a Moro.

Fonte: VEJA.com

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
9maio/170

Servidores da saúde do DF ocupam gabinete do diretor do HBDF

Servidores da saúde ocuparam, na manhã desta terça-feira (9/5), o gabinete do diretor do Hospital de Base do Distrito Federal (HBDF), Júlio César Ferreira Júnior. Eles protestam contra a proposta que transforma a maior unidade de saúde da capital do país em um instituto.

A manifestação contou com a presença de 40 servidores. Como o diretor está de férias, o gabinete era ocupado pela diretora de Atenção à Saúde, Julister Maia de Morais, na hora do protesto. Integrantes do Sindicato dos Trabalhadores da Saúde do DF (SindSaúde) gritavam palavras de ordem, como “fora instituto”.

De acordo com Marli Rodrigues, presidente do SindSaúde, a ideia é conscientizar os servidores e a população sobre o assunto. “Se a terceirização (do hospital) ocorrer, todas as gratificações serão retiradas dos servidores. Além disso, os funcionários perdem a instabilidade e os diretos conquistados”, disse.

Nesta segunda (8), a Comissão de Transparência e Controle da Câmara Legislativa aprovou a proposta que cria o instituto. Por 2 votos a favor, um contra e uma abstenção, o tema agora será analisado na Comissão de Educação, Saúde e Cultura (Cesc), na quarta-feira (10), antes de ser submetido a plenário.

O secretário de Saúde, Humberto Fonseca , ligou para a presidente do SindSaúde para que os sindicalistas desocupassem a direção do HBDF. Marli Rodrigues explicou que a manifestação era pacífica. “Solicitamos a retirada da proposta da pauta da Câmara Legislativa. O Hospital de Base é patrimônio público e estamos fazendo uma manifestação democrática”, disse. Metropóles.

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
9maio/170

Começa o segundo dia de julgamento do empresário Nenê Constantino

O Tribunal do Júri de Taguatinga retomou, nesta terça-feira (9/5), o julgamento do empresário Nenê Constantino, 86 anos. O fundador da Gol Linhas Aéreas é acusado de ser o mandante do assassinato do líder comunitário Márcio Leonardo de Sousa Brito, morto em 2001. Às 13h, a sessão foi interrompida por uma hora para intervalo.

O segundo dia de sessão teve início por volta de 10h50 com o depoimento da sétima e última testemunha, o ex-diretor de RH da empresa de Constantino, Fernando Salles. Ele não deu muitos esclarecimentos.

Em seguida, foi chamado o primeiro réu, João Marques dos Santos, que usou o direito de permanecer em silêncio e só respondeu as perguntas de seu advogado. Segundo ele, a delegada do caso, Mabel de Faria, o obrigou a assumir participação no homicídio.

“Ela fez um tipo de ensaio das perguntas, sem gravar. Disse que se eu não assumisse, poderia me indiciar até por pedofilia”, disse o réu.

João Marques está preso há um ano e oito meses por agredir a esposa em Pernambuco. O réu Vanderlei Batista Silva falou em seguida. Ele tem 75 anos, tendo trabalhado por mais de 30 anos em empresas do Constantino. Ele é acusado de participar da morte de Márcio.

Em seu depoimento, porém, alegou ter visto Márcio apenas uma vez, quando tentou negociar as saídas dos ocupantes da garagem. No episódio, ele acabou detido por porte de arma. No dia da morte da vítima, Vanderlei disse acreditar que estava na cidade goiana de Mara Rosa, onde tinha residência e chegou a ser vereador.

Com discurso confuso, o réu por diversas vezes afirmou não lembrar dos eventos da época. Entretanto, confirmou que chegou a abrigar João Marques, outro envolvido, em uma casa em Águas Lindas e ofereceu a ele um emprego em Mara Rosa. A mudança foi feita por João Alcides Miranda, que trabalhou por anos com Vanderlei.

Ainda segundo o réu, a relação com a família Constantino era intensa. Vanderlei chegou a comprar um carro Mercedes do genro de Nenê, Eduardo.

Primeira sessão

No primeiro dia de julgamento, nesta segunda (8), Constantino passou mal e foi liberado de comparecer a todas as sessões, devido a idade avançada. Ele terá que se apresentar apenas quando os demais réus, envolvidos no homicídio, forem ouvidos.

Mesmo sem a presença de Constantino, o júri pôde ouvir os relatos da delegada Mabel de Faria, que conduziu as investigações do assassinato de Márcio Leonardo de Sousa Brito. Segundo ela, o empresário foi o mandante do assassinato. Ele responde por homicídio qualificado.

A vítima era um líder comunitário e, com cerca de mais 100 pessoas, ocupou um terreno onde funcionou uma garagem da Viação Pioneira, de propriedade do fundador da Gol. O crime teria sido encomendado para intimidar o grupo que estava no local.

Acusados

Além do empresário, serão julgados Vanderlei Batista Silva, João Alcides Miranda e João Marques dos Santos, acusados de conspirar para cometer o assassinato. O quinto e último réu é Victor Bethônico Foresti. Manoel Tavares, que seria responsável pelo disparo que tirou a vida da vítima, já morreu. Metropóles.

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
9maio/170

‘Por que esses partidos não expulsam quem se envolveu em corrupção?’, cobra Moro

‘Por que esses partidos não expulsam quem se envolveu em corrupção?’, cobra Moro

Ele sugeriu o caminho. “Pode ser feito no âmbito do Congresso, no âmbito da Comissão de Ética.” Estadão Conteúdo

 

O juiz federal Sérgio Moro cobrou nesta segunda-feira, 8, uma ação incisiva do poder público para tomar medidas contra políticos e partidos que a Lava Jato flagrou no esquema de propinas da Petrobrás. “Tudo depende do poder público. Por que esses partidos não instauram apurações internas e expulsam os seus membros que se envolveram em corrupção?”, questionou Moro durante evento promovido pelo Oservatório Social, em Curitiba.

Ele sugeriu o caminho. “Pode ser feito no âmbito do Congresso, no âmbito da Comissão de Ética.”

A Lava Jato revelou que partidos lotearam diretorias estratégicas da Petrobrás, entre 2004 e 2014 – especialmente, as Diretorias de Abastecimento, Serviços e Internacional foram engolidas pelo cartel de empreiteiras e pelas agremiações, no caso o PP, o PT e o PMDB, segundo a força-tarefa do Ministério Público Federal e da Polícia Federal.

Além disso, em processos de delação premiada alguns dos principais empreiteiros do País apontaram uma extensa rede de propinas que abasteceu quase todos os partidos em época de eleições.

Ao sugerir medidas rápidas e eficazes por parte do Congresso contra seus próprios integrantes, Moro falou sobre a presunção de inocência. “Tudo bem, tem a presunção de inocência. É válida no processo penal, que exige uma prova acima de qualquer dúvida, ampla defesa, julgamento condenatório.”

Ao se dirigir a um integrante da mesa de debate, Moro apontou para outra solução. “Mas se você, dentro de uma empresa, tem presente que seu empregado está roubando, você, normalmente, não espera o trânsito em julgado da decisão judicial para tomar uma decisão. Faz apuração no âmbito interno. A presunção de inocência vale para o processo penal.”

Ao voltar a falar da fragilidade do poder político com relação à situação de parlamentares ligados à Lava Jato, ele disse. “Há um débito, mas isso é uma questão que foge um pouquinho à minha capacidade de resposta.”

Moro destacou a independência das instituições que fazem a Lava Jato andar. “Colocaria num leque mais amplo o Ministério Público. A Polícia Federal não tem as mesmas garantias e independência que juízes e procuradores, mas tem se destacado há vários anos numa tradição de autonomia política, fruto de um amadurecimento da democracia brasileira desde 1988.”

Para o juiz, a Ação Penal 470, do Mensalão, teve peso importante até para a deflagração da Lava Jato. “Influencia positivamente, é possível sim ter processo mais eficaz em relação a esse tipo de criminalidade.”

Ele apontou também para a crise econômica. “Eu diria que a conjuntura da economia, que foi se deteriorando a partir de 2013, 2014, isso acabou elevando as percepções do custo real da propina. Um ambiente econômico muito favorável deixa de lado (as cobranças contra a corrupção) porque todo mundo está ganhando. O mercado do petróleo é muito corrupto, porque é muito dinheiro. Você ter prejuízo explorando uma mina de ouro é muito difícil e o petróleo é uma mina de ouro.”

“Mas acima de tudo devemos (a Lava Jato) ao amadurecimento da democracia brasileira. E ao ambiente de liberdade de imprensa. Temos uma imprensa robusta, livre, ambiente de liberdade de imprensa muito importante.” blogdosombra

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
9maio/170

Politica: desembarque no barco de Iolando Almeida

Pastor Ney e Georgios

A cidade de Brazlândia escreve um capitulo importante a cada minuto nas questões politicas. O distrital Juarezão e o suplente de deputado Iolando Almeida, travam um luta campal com vistas as eleições de 2018.

Entre aliados de Juarezão o desembarque vem ocorrendo dia á dia e não se pode negar a dificuldade que o parlamentar socialista terá para renovar seu mandato no próximo ano. Em outra vertente o suplente de deputado Iolando Almeida vem tendo a politica do ganha e perde em número de aliados.

 O líder comunitário Pastor Ney deverá ser o próximo a desembarcar do projeto de Iolando Almeida, ele vem sendo namorado por dois distritais e por ser ligado ao movimento evangélico, Pastor Ney tende a aumentar as fileiras de apoio ao popular Bispo Renato Andrade. É esperar para ver!

fonte: Redação

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
9maio/170

Transformação do Hospital de Base em instituto avança na CLDF

Transformação do Hospital de Base em instituto avança na CLDF

Tema foi aprovado na Comissão de Transparência nesta segunda (8). No mesmo dia, Casa marcou para terça votação de projeto dos supersalários

Portal Metrópoles 

A Comissão de Transparência e Controle da Câmara Legislativa aprovou, nesta segunda-feira (8/5), a proposta que cria o Instituto Hospital de Base. Por dois votos a favor, um contra e uma abstenção, o tema agora será analisado na Comissão de Educação, Saúde e Cultura (Cesc), na quarta-feira (10), antes de ser submetido a plenário.

O projeto é alvo de críticas de sindicatos, que veem uma tentativa de terceirizar a gestão da maior unidade de saúde do Distrito Federal. Na própria Câmara Legislativa também não há consenso, e a proposta já sofreu uma série de emendas.

Supersalários

Ainda nesta segunda (8), o colégio de líderes decidiu levar o plenário, na terça-feira (9) o Projeto de Emenda à Lei Orgânica n° 67/2017. A proposta limita o teto dos salários de executivos de empresas públicas do DF ao subsídio dos desembargadores do Tribunal de Justiça do DF e Territórios (TJDFT).

Assim como a criação do Instituto Hospital de Base, a questão dos supersalários não tem consenso na Casa. Tanto que há ao menos quatro propostas diferentes: o projeto original, da distrital Celina Leão (PPS); um conjunto de emendas do relator, deputado Robério Negreiros (PSDB); um substitutivo do PT; e um texto do Executivo.

O primeiro turno da matéria foi aprovado há duas semana, mas sem emendas ou substitutivos, por acordo entre os membros da Comissão Especial de Análise a Projetos de Emenda à Lei Orgânica.

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
9maio/170

Liliane Roriz se casará em julho, numa cerimônia reservada em Portugal

Após ficar inelegível devido a uma condenação no Tribunal Regional Eleitoral (TRE-DF) e se tornar persona non grata perante os colegas da Câmara Legislativa, a distrital Liliane Roriz (PTB) espera deixar os momentos conturbados para trás. Para marcar a nova fase, a deputada organizou dois eventos. O primeiro foi uma viagem às belas praias baianas de Trancoso, na mesma semana da condenação no TRE-DF, em 17 de abril. O segundo será o próprio casamento, com o noivo Matheus Bastos. A cerimônia está marcada para 22 de julho.

Na celebração, extremamente restrita, estarão apenas integrantes das duas famílias e pouquíssimos amigos. Segundo pessoas próximas a Liliane, a distrital alugou uma quinta (pequena propriedade, em geral rústica e com ampla área verde) portuguesa na região do Douro para realizar a festa. O país é um dos destinos preferidos da filha do ex-governador Joaquim Roriz. Entretanto, ele não deve ir à Europa prestigiar o terceiro matrimônio da filha. A mãe, Weslian Roriz, também não está entre os confirmados. Deve ficar no Brasil cuidando do marido, que tem diabetes e é doente renal crônico.

Liliane e Matheus já vivem juntos na casa dela, na QI 15 do Lago Sul. Dono de uma vidraçaria, ele conheceu a deputada enquanto acompanhava a instalação de vidros na residência de Liliane.

Matheus será o terceiro marido da deputada, que completou 51 anos em 16 de abril. Do primeiro casamento, há mais de 20 anos, nasceu a única filha dela, Bárbara. O matrimônio, no entanto, foi anulado pela Igreja Católica na época em que Joaquim Roriz era governador do DF. Em seguida, Liliane casou com Rodrigo de Moraes Sanchez, herdeiro do grupo Sanoli, em uma cerimônia no Rio de Janeiro. A Sanoli é uma das empresas que fornece alimentação hospitalar para a rede pública de saúde do DF.

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
9maio/170

Joe Valle: Lutaremos Para Melhorar A Imagem Da Câmara Legislativa

Por Delmo Menezes, Agenda Capital Foto: Reprodução/Divulgação –

 Joe afirmou que vai intensificar os debates, através de seminários e audiências públicas, principalmente para os casos mais relevantes que afetam diretamente a população

O presidente da Câmara Legislativa do DF (CLDF), deputado Joe Valle (PDT), ciente que a CLDF necessita melhorar sua imagem perante a população, pretende implantar uma nova gestão no legislativo, abrindo as portas da Casa, para uma maior interação com a população, através dos segmentos organizados. Em rápida entrevista ao Agenda Capital, Joe afirmou que vai intensificar os debates, através de seminários e audiências públicas, principalmente para os casos mais relevantes que afetam diretamente a população.
O parlamentar pretende desenvolver ainda na sua gestão, uma política distrital de Saúde Pública e Segurança, e tentar impedir que os projetos que deram certos em governos anteriores, não sofram descontinuidade com a troca de comando no Buriti.

A ideia segundo o distrital, “é transformar as políticas públicas corretas e exitosas não em patrimônios de governantes e partidos, mas do Estado, para que, nas mudanças de cadeiras, não sofram soluções de continuidade”, disse.
De acordo com Joe “junto com servidores e usuários, a gente pretende desenvolver um norte de longo, médio e curto prazo, dando esperança e credibilidade a população, as instituições e as pessoas”. Segundo o parlamentar, “o nosso objetivo é abrir as portas do Poder Legislativo para as pessoas mais simples, e lutaremos para melhorar a imagem da Câmara, desgastada com vários escândalos”, explicou.

Joe Valle é tido por seu pares como um político sério, conciliador e de fácil diálogo. Apesar de negar explicitamente, o presidente da CLDF poderá ser o nome de consenso para compor uma disputa majoritária em 2018, representando de fato e direito a geração Brasília, de quem se tem falado muito nos últimos tempos. BLOGDODONNY

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
9maio/170

TESTEMUNHA AFIRMA QUE EMPRESAS EM ‘CARTEL’ DOBROU NO GOVERNO LULA

AO FINAL DO GOVERNO LULA, 16 EMPREITEIRAS ROUBAVAM A PETROBRAS

MARCOS PEREIRA DISSE QUE NOVE EMPRESAS EM 2005 VIRARAM 16 EM 2011

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn