29jul/200

“Ciro Gomes é um mau caráter”, detona Gleisi Hoffmann

A presidenta nacional do PT, deputada Gleisi Hoffman, em entrevista ao Blog do Esmael, acusou o ex-governador Ciro Gomes (PDT) de ser “mau caráter” e disse que não irá mais responder o pedetista.

“Ele [Ciro] tem espaço na Globo porque ataca o PT”, afirmou a dirigente petista. “Ele vai morrer com o próprio veneno. Vai tentar, tentar e tentar”, ironizou, referindo-se ao fato de ex-governador ter sido três vezes candidato.

Segundo Gleisi, Ciro já foi candidato a presidente [três vezes] e não saiu dos dez, 12%. “A única forma de aparecer é atacando o PT”, reforçou na entrevista deste sábado (25/jul. 2020).

“Eu já tirei de frente responder o Ciro. Acho ele um mau caráter. É isso que eu acho”, repetiu Gleisi Hoffmann.

A presidenta do PT disse que não responderá mais as provocações de Ciro Gomes, embora, ela garanta, que os petistas tenham uma boa relação com o PDT e o presidente do partido, Carlos Lupi.

Moro é um ser safado, diz Gleisi; assista ao vídeo

A deputada federal Gleisi Hoffmann (PT-PR), presidenta nacional da agremiação, em entrevista ao Blog do Esmael, chamou neste sábado (25) o ex-juiz Sérgio Moro de um “ser safado”, oportunista e carreirista.

Instigada a falar sobre os ataques ao PT e ao ex-presidente, à luz das pesquisas eleitorais, Gleisi avaliou que os petistas irão ser alvos de perseguição.

“Esse é o ser mais oportunista que eu conheço. Carreirista, safado. Esse ser é safado mesmo, repugnante”, disparou, ao referir-se ao ex-juiz Moro.

Gleisi Hoffmann recordou que Sérgio Moro era aliado do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). “Se utilizou como juiz para criminalizar Lula e o PT, virou ministrou e depois virou o cocho.”

A presidenta do PT disse que espera que o Supremo Tribunal Federal julgue o habeas corpus de Lula, provavelmente em setembro, para declarar Moro um juiz suspeito e o processo da Lava Jato anulado.

BlogEmanuel

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
29jul/200

Média móvel de mortes por Covid-19 no DF sobe e bate novo recorde diário

A média de óbitos diários por coronavírus chegou a 34,7 e foi batido pela terceira vez consecutiva

Hospital de BaseMYKE SENA/ESPECIAL PARA O METRÓPOLES

Amédia móvel de mortes diárias por Covid-19 no Distrito Federal chegou a 34,7. Há três dias consecutivos, a capital do país bate o recorde de média de óbitos em 24h. A primeira vez foi na segunda-feira (27/7), com uma média de 32,4 óbitos. Na terça-feira (28/7), ela subiu para uma média de 33,3 falecimentos diários.

De acordo com o Ministério da Saúde, o DF teve 28 mortes e 1,6 mil novos casos registrados nesta quarta-feira (29/7). As informações são compiladas diariamente pelo (M)Dados, núcleo de jornalismo de dados do Metrópoles, para alimentar o painel interativo com informações sobre a pandemia.

A média móvel leva em conta a quantidade de mortes nos últimos sete dias. Ela serve para diminuir efeitos estatísticos que existem em comparações diárias. Para saber se a tendência é de queda ou de alta, deve-se compará-la com a média móvel dos últimos 14 dias. As 34,7 mortes diárias são 19,3% maior do que a média das duas últimas semanas.

Média móvel

Acompanhar o avanço da pandemia da Covid-19 com base em dados absolutos de morte ou casos está longe do ideal. Isso por que eles podem ter variações diárias muito grandes, principalmente atrasos nos registros. Nos finais de semana, por exemplo, é comum perceber uma redução significativa dos números.

Para reduzir esse efeito e produzir uma visão mais fiel, a média móvel é amplamente utilizada ao redor do mundo. A taxa, então, representa a soma das mortes divulgadas em uma semana dividida por sete. O nome “móvel” é por que varia conforme o total dos óbitos dos sete dias anteriores.

Como analisar os números?

Por conta do tempo de incubação do novo coronavírus, adotou-se a recomendação dos especialistas: comparar a média móvel de hoje com a de 14 dias atrás. As variações no número de mortes ou de casos de até 15% para mais ou para menos caracterizam estabilidade da doença

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn