22maio/200

Celso de Mello libera íntegra da reunião ministerial e provoca nova crise política

Pela decisão, apenas uma pequena parte envolvendo discussões sobre outros países foi retirada. Todo o resto foi divulgado

O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu hoje (22) retirar o sigilo do vídeo da reunião ministerial realizada no dia 22 de abril. Pela decisão, somente uma pequena parte da reunião que envolveu discussões sobre outros países não será divulgada.

Na prática, o vídeo tem sido interpretado como positivo para o governo, já que a acusação de “interferência da Polícia Federal” não encontra sustentação nas falas do presidente. No entanto, outras afirmações – inclusive de ministros como Abraham Weintraub (Educação) – reacenderam e criaram outras polêmicas.

O vídeo, por exemplo, anula completamente a reaproximação de Jair Bolsonaro com os governadores, que, após meses de desavenças, participaram de uma reunião considerada tão civilizada quanto produtiva.

O ministro Celso de Mello é relator do inquérito sobre a suposta interferência política do presidente Jair Bolsonaro na Polícia Federal (PF). A reunião foi citada pelo ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro durante depoimento prestado à PF, no início do mês, como suposta prova da interferência.

Diário do Poder

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
22maio/200

Pesquisa: 35,1% responsabilizam Bolsonaro pelas mortes causadas por covid-19

Os demais "culpados", dos governadores ao STF ou ao Congresso, somam 50%

Levantamento nacional realizado pelo instituto Paraná Pesquisa indica que 35,1% dos brasileiros consideram o presidente Jair Bolsonaro o maior responsável pelas mortes causadas pelo coronavírus no Brasil. Outros “culpados” também são apontados em percentuais que somam 50% do total

Depois de Bolsonaro, os governadores são o grupo de políticos que 12,7% dos entrevistados mais responsabilizam pela morte de pessoas por covid-19.

Para 9,4%, a culpa pelas mortes é a própria população, que não adota as medidas recomendadas para impedir a contaminação do vírus que pode ser letal.

“Todos” são culpados para 6%, enquanto 5,6% responsabilizam o Supremo Tribunal Federal (STF), 4,1% os prefeitos, 4% a China, 3,2% deputados federais e senadores, 2,1% o vírus, 1,7% “todos os políticos” e 1,2% fizeram otros tipos de citação.

O Paraná Pesquisa entrevistou 2.258 brasileiros em todos os estados e no Distrito Federal entre os dias 15 e 19 deste mês.

Veja os detalhes do levantamento do Paraná Pesquisa:

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
22maio/200

Celso de Mello manda PGR avaliar pedido de perícia em celular de Bolsonaro

 

O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), enviou à Procuradoria Geral da República (PGR) três notícias-crimes relacionadas à investigação sobre a suposta interferência do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na Polícia Federal.

Entre as medidas solicitadas estão a busca e apreensão do celular do presidente e de seu filho, Carlos Bolsonaro, para perícia.

As notícias-crime foram originalmente apresentadas pelos partidos PDT, PSB e PV, e aprovadas por Celso de Mello.

 

Uol

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
22maio/200

“Mate o Bolsonaro”, diz cartilha de radicais que despachavam do Lake Side

Dois homens foram presos em operação da PCDF e do MPDFT. Eles são os mesmos que enviaram ameças a juízes do TJDFT

A Polícia Civil do DF (PCDF) analisa o material apreendido nessa quinta-feira (21/05) com ameaças a diversas autoridades do país. Dentre eles, há uma espécie de ofício em que um dos suspeitos presos incita a morte do presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido); do procurador-Geral da República, Augusto Aras; e do advogado-Geral da União, José Levi. No papel timbrado, que conta, inclusive, com brasão da Presidência, o homem alega haver um complô para “entregar o Brasil para a China”.

Veja

A Delegacia de Repressão a Crimes Cibernéticos (DRCC), em parceria com o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), apura se o grupo é financiado por partidos políticos ou organizações criminosas. “Estamos apurando se é um ato isolado ou se há ligação com algum partido político ou grupos terroristas”, ressaltou o delegado da DRCC, Dário Taciano de Freitas Júnior.

Na manhã desta quinta-feira (21/05), Célio Evangelista Ferreira do Nascimento, 79 anos, e Rodrigo Ferreira, 40, foram detidos suspeitos de serem os autores das ameaças de morte endereçadas a juízes do Tribunal de Justiça do DF e dos Territórios (TJDFT), como mostrou a coluna Grande Angular, do Metrópoles.

O vasto material, que também coage promotores e políticos, foi encontrado em um escritório no Lake Side, residencial de luxo às margens do Lago Paranoá. Apesar da detenção da dupla, a polícia não descarta a participação de mais pessoas. “As investigações continuam com intuito de localizar e identificar os outros autores do crime. Nenhuma linha de investigação está sendo descartada”, ressaltou o delegado.

De acordo com outro delegado da DRCC, Giancarlos Zuliani, existem fortes indícios de que mais pessoas movam a engrenagem de ódio propagada na internet e em folhetos distribuídos pela cidade. “Gente que fica direto no escritório produzindo vídeos para a internet e um porta-voz. Percebemos que são pessoas financiadas. Moram em um local com aluguel caro, possuem veículos e gastam combustível para rodar o dia inteiro divulgando o material. Eles não têm fonte de renda que justifique o padrão de vida no local. Eles próprios, informalmente, admitiram isso”, assinalou o investigador.

O ofício fictício escrito por Célio Ferreira ainda ordena que o general Walter Braga Netto, “num prazo de 24 horas, baixe portaria convocando a população para reação em legítima defesa pessoal e da nação contra ataque terrorista de extermínio do povo brasileiro do coronavírus”.

Na justificativa, Célio diz que Bolsonaro é aliado do presidente chinês, Xi Jinping. Em um raciocínio confuso, Célio ainda sugere que Bolsonaro fez parte do “projeto do PT de comunizar o Brasil em 22 anos”.

A gráfica que emitia as cartilhas também será alvo de investigação. Os acusados ainda não prestaram depoimentos. De maneira informal, assumiram que a “sentença de morte aos traidores da pátria”, assunto do e-mail enviado aos juízes, “naturalmente vai acontecer”.

Delegados e promotores também tiveram acesso a um vídeo em que Célio faz ameaças a diversas autoridades, entre as quais, o governador do DF, Ibaneis Rocha (MDB). Em sua fala, ele diz: “Morte aos demônios“.

Veja:

Entre os materiais apreendidos, há um pendrive com a etiqueta “Matar juízes. Matar todos.

Metrópoles

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn