imagem ilustrativa da internet

Foi golpe? Pancadaria faz eleição do PT em Planaltina acabar na DP. Candidata ao comando da zonal partidária, Alaíde Siqueira afirma que levou chute e soco da comissionada do GDF Nayara Ohana

Rafaela Felicciano/Metrópoles

A eleição interna do Partido dos Trabalhadores (PT), ocorrida no domingo (22/09/2019), virou caso de polícia. Literalmente. De acordo com boletim de ocorrência ao qual o Metrópoles teve acesso, a militante Alaíde Oliveira Siqueira, 50 anos, disputava o comando da zonal partidária e solicitou recontagem, em razão de uma pequena diferença de dois votos. O local de votação era de acesso restrito aos representantes das chapas e da comissão eleitoral.

O pedido teria causado revolta em um grupo liderado por Nayara Ohana Fernandes Lopes, 32, que supostamente invadiu a sala de apuração com palavras de ordem: ”Não vai ter golpe!”. Mas acabou tendo.

Aliados de Alaíde afirmaram à polícia que a irmã da candidata levou puxões de cabelo da acusada. Foi então que militante tentou separar a briga, mas – segundo consta – levou um soco na boca e também um chute na virilha dados por Nayara. “Além disso, ela me chamou de ‘burra’, ‘idiota’ e outras coisas”, disse à coluna. A vítima afirmou que o golpe atingiu uma prótese dentária e precisará ser trocada. O caso é investigado pela 16ª Delegacia de Polícia.

Nayara Ohana trabalha como comissionada na Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan-DF). Ela é chefe dos órgãos colegiados, setor ligado diretamente à presidência da entidade. Ele recebe mensalmente mais de R$ 7 mil líquidos pela função.

Alaíde esteve na manhã desta segunda-feira (23/09/2019) no Instituto Médico Letal (IML) para exame de corpo de delito.

Informações do site Metrópoles