9ago/190

Kelly Bolsonaro gastou R$ 5,6 mil da CLDF em 27 dias de mandato

Suplente do distrital Daniel Donizet (PSDB) ficou menos de um mês na Casa, mas teve despesas com "divulgação de atividade parlamentar"

Mardônio Vieira/CLDFMARDÔNIO VIEIRA/CLDF

 

Metropoles

Suplente de deputada distrital, Kelly Bolsonaro (Patriotas) ficou pouco tempo na Câmara Legislativa (CLDF), mas, durante os 27 dias em que esteve com mandato na Casa, gastou R$ 5.661,87 da verba indenizatória destinada a parlamentares.

A ex-parlamentar alugou um carro por R$ 2.580,00 e, para abastecer o possante, queimou R$ 681,87 em combustíveis e lubrificantes. Os valores correspondem ao mês de junho, quando ela ocupou a cadeira deixada por Daniel Donizet (PSDB), que virou administrador do Gama. A informação é do próprio Poder Legislativo local.

Para divulgar o trabalho realizado em menos de um mês pela distrital-relâmpago, ela investiu R$ 2,4 mil de recursos públicos para “divulgação de atividades parlamentares”. O dinheiro serviu para prestar contas à população sobre as cinco proposições apresentadas por ela no período.

Uma delas é a que concede o título de Cidadão Honorário de Brasília ao general da reserva Paulo Chagas, candidato derrotado ao Palácio do Buriti nas últimas eleições.

Só para registro: cada deputado distrital tem disponível cerca de R$ 15 mil por mês para gastos com atividades parlamentares. O ressarcimento é feito por meio de notas fiscais apresentadas. O gasto, contudo, é opcional.

Veja os gastos:
Reprodução / CLDF

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
9ago/190

POLÍCIA DOS EUA DÁ LIÇÃO SOBRE “PODER DE POLÍCIA” E ENCERRA SHOW DE SIMONE E SIMARIA

Miami – River Yacht Club

 

Com o show da dupla Simone e Simaria, a noite era para ser de festa para o público brasileiro nos EUA.

O local estava super lotado. A organização foi precária, haja vista as muitas reclamações nas redes sociais de pessoas que estiveram no local.

O som estava alto e passou a incomodar moradores vizinhos na madrugada de sábado.

Além disso, várias brigas teriam acontecido no transcorrer do evento.

A polícia americana recebeu várias reclamações através do fone 911.

Rapidamente, algumas viaturas se dirigiram ao clube onde se realizava o evento musical.

Os policiais constataram algumas irregularidades e não quiseram conversa com os organizadores e nem com as cantoras sertanejas brasileiras.

O primordial era fazer cumprir as leis locais.

Com o show ainda rolando, sem dar maiores explicações, a polícia americana desligou o som e deu por encerrado o show musical, sem sequer permitir que as cantoras se despedissem do público.

A assessoria das cantoras se manifestou sobre o ocorrido:

” Faltando quinze minutos para o encerramento do show, a polícia adentrou o local e obrigou o término imediato da apresentação, impedindo até que as cantoras se despedissem do público. A produção de S&S tentou impedir que isso ocorresse, já que a casa tinha a liberação de funcionamento até as 2h, mas os próprios policiais se dirigiram até a mesa de som e desligaram os equipamentos “.

Outro fato que chamou a atenção, é que ninguém reclamou ou tripudiou sobre a decisão policial. Todos foram embora imediatamente, aceitando a determinação unilateral.

Isso no direito chama-se “Poder de Polícia”, que é a “faculdade que tem o Estado de limitar e condicionar o exercício dos direitos individuais, a liberdade e a propriedade, tendo como objetivo a instauração do bem-estar coletivo”, conforme preceitua a jurista Maria Sylvia Di Pietro.

Quem já viajou para os EUA, sabe que a polícia americana não é muito de conversar e pedir explicações. Quando constata que alguém está cometendo alguma irregularidade, o policial simplesmente cumpre a lei. Cabe ao infrator ficar calado e responder apenas às perguntas que lhe forem feitas.

Se o detido não acatar as ordens do policial, poderá responder por outros crimes com penas duras e sem benefícios, como por exemplo: desacato, desobediência, resistência à prisão e perjúrio, se eventualmente mentir para a polícia.

Se o presente fato acontecesse no Brasil, com certeza teríamos rapidamente uma enxurrada de críticas ao trabalho dos policiais, que seriam chamados de arbitrários, despreparados e ainda seriam acusados de terem praticado crime de abuso de autoridade.

Portanto, democracia sem poder de polícia vira bagunça, desarranjo social, insegurança jurídica e prevalência da vontade dos desordeiros, vândalos e arruaceiros contra os ditames da lei.

Fonte: Dr. Segurança

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
9ago/190

Deputado Distrital leva passa-fora de Ibaneis ao insistir em troca no CBMDF

Roosevelt Vilela queria indicação de aliado na corporação, mas governador reagiu: “Segurança não terá interferência política”

De acordo com a Coluna Janela Indiscreta do Portal Metrópoles, um deputado distrital do Partido Socialista Brasileiro (PSB), determinado a exigir a troca do comando do Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal (CBMDF) – e indicar o substituto –, acabou passando por uma saia justa no fim da manhã dessa quinta-feira (08/08/2019), no principal gabinete do Palácio do Buriti.

Embora estivesse decidido a intimar o governador do DF, Ibaneis Rocha(MDB), a nomear um aliado político para a chefia da corporação que integra, o deputado distrital Roosevelt Vilela (PSB) conheceu o caminho da rua após o emedebista se irritar com as seguidas investidas.

O incidente ocorreu menos de 48 horas após a coronel Sheyla Sampaio ter sido exonerada do comando da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF). A dispensa da oficial foi provocada justamente por problemas de insubordinação com o secretário de Segurança Pública, Anderson Torres.

“TENHO TODO RESPEITO PELOS DEPUTADOS, INCLUSIVE AQUELES QUE NÃO APOIARAM MINHA CANDIDATURA. MAS ELES PODEM INDICAR ASSESSORES NOS GABINETES DELES, NA CÂMARA LEGISLATIVA. AS ÁREAS DE SAÚDE, EDUCAÇÃO E SEGURANÇA, NO QUE DEPENDER DE MIM, NÃO TERÃO INDICAÇÕES POLÍTICAS”, DISSE O GOVERNADOR AO METRÓPOLES.

Com informações do Portal Metrópoles

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
9ago/190

Cultura: Vem aí a Festa do Morango de Brasília 2019

Vem aí a FESTA DO MORANGO DE BRASÍLIA

Se tem entre 18 e 29 anos, participe da seleção para escolha da rainha e do rei do morango.

QUEM SABE VOCÊ ESTARÁ DESFILANDO NESTA IMPORTANTE FESTA DA NOSSA CIDADE

 

Notícias de Brazlândia

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn