15jul/190

Fraga se encontra com Bolsonaro

Amigo dos tempos de bancada da bala no Congresso Nacional, o ex-deputado federal Alberto Fraga (DEM) esteve no Palácio do Planalto tomando café com o presidente Jair Bolsonaro.

A informação do encontro foi dada pelo deputado federal Eduardo Bolsonaro, no twitter. Além dele, outras pessoas também participaram.

Fraga tentou no início do governo Bolsonaro um cargo no Planalto, “qualquer que fosse”. Mas por conta de uma condenação na justiça por suposta cobrança de propina quando era secretário de Transportes do GDF, ele acabou não embarcado no governo.

Fraga foi questionado pela reportagem se ele estaria com alguma função dentro do Planalto ou qual seria o objetivo da reunião, mas ele não respondeu.

BlogdoOdir

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
15jul/190

CLDF tem nove deputados milionários e um distrital sem patrimônio

Os parlamentares tem de divulgar as declarações de Imposto de Renda a fim de que a população possa fiscalizar a evolução patrimonial deles

A atual legislatura da Câmara Legislativa tem nove deputados distritais milionários. É o que mostra a declaração de Imposto de Renda apresentado pelos parlamentares neste ano. A maior fortuna está nas mãos de José Gomes (PSB). Empresário do setor de prestação de serviços terceirizados ele afirmou à Receita Federal ter um patrimônio de R$ 47.191.254,06.

Gomes declarou ter recebido da empresa Real JG Serviços Gerais – atualmente sob o controle da irmã – mais de R$ 10 milhões em lucros, e bonificações de cerca de R$ 5,5 milhões. Ele ainda informou ter diversos imóveis e parte no negócio de mais de R$ 30 milhões.

Recentemente, Gomes sofreu um revés na Justiça por abuso de poder econômico. Em 11 de abril, ele foi condenado pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE-DF) por coagir funcionários da empresa a o apoiarem nas eleições de 2018. Por unanimidade, os juízes decidiram cassar o diploma do distrital e deixá-lo inelegível por oito anos. Ele recorreu da decisão.

O segundo maior milionário da Câmara também está na mira dos órgãos de controle. Na prestação de contas anual, o deputado Agaciel Maia (PR) garantiu ter R$ 8.250.158,09, com uma renda formada do subsídio de distrital e da aposentadoria do Senado Federal. Na última sexta-feira, o Metrópoles revelou que a polícia investiga negócios realizados entre ele o diretor-legislativo da Casa, Arlécio Gazal, no valor de R$ 500 mil.

A transação seria sobre uma casa de praia no Rio Grande do Norte, repassada pelo distrital a Gazal. O servidor, inclusive, afirmou que já fez diversos empréstimos a Agaciel para que o deputado pudesse pagar advogados. “Ele tem processos um em cima do outro, e vive me pedindo dinheiro”, disse. No entanto, há suspeitas de um esquema de compra de cargos públicos na CLDF.

No IR, o deputado declarou a propriedade de seis imóveis no Distrito Federal, na Paraíba e no Rio Grande do Norte. “Agaciel tem uma casa na beira da praia, mas ela é minha. Eu paguei, não transferi para o meu nome, mas tem um contrato de compra e venda. Ele desfruta, mas a casa é minha”, disse Gazal à reportagem. Agaciel ainda não se pronunciou sobre o caso.

Milhões

Entre os milionários da CLDF também estão o empresário Eduardo Pedrosa (PTC), com R$ 3.635.905,91, o presidente da Casa, Rafael Prudente (MDB), R$ 2.763.827.66, e a ex-governadora Arlete Sampaio (PT), R$ 2.421.536,58.

A lista ainda tem mais um do setor de serviços terceirizados, Robério Negreiros (PSD), com R$ 1.521.455,17. Ele usou parte do dinheiro para fazer uma viagem ao exterior, no ano passado, que tem dado dor de cabeça a ele. Isso porque a assinatura do deputado aparece na folha de presença do plenário justamente no período do passeio aos Estados Unidos (EUA).

A relação dos mais abonados é completada por Valdelino Barcelos (PP), com R$ 1.365.143,59, Jaqueline Silva (PTB), R$ 1.308.000, e Telma Rufino (Pros) R$ 1.079.000. Dois deputados ainda não conseguiram quebrar a barreira do milhão, mas estão próximos: Reginaldo Sardinha (Avante) e Roosevelt Vilela (PSB) tem R$ 990 mil e R$ 960 mil, respectivamente.

YANKA ROMÃO/ METRÓPOLESYanka Romão/ Metrópoles

Curiosidades

A parte de baixo da tabela também tem suas curiosidades. O deputado Martins Machado, por exemplo, disse não ter nenhum bem ou recurso em suas contas. A assessoria do parlamentar explicou que o distrital é pastor e tudo é provido pela Igreja Universal do Reino de Deus.

Entre 2017 e 2018, Machado recebeu um pouco mais de R$ 94 mil de rendimentos. Ainda assim, afirmou não ter utilizado os vencimentos para acumular bens. Segundo a declaração dele, desse total, cerca de R$ 15 mil foram usados para gastos com saúde; R$ 2,2 mil, para a previdência; e quase R$ 15 mil ao pagamento de impostos.

Rodrigo Delmasso (PRB) aparece na penúltima posição. Ele declarou ter R$ 2.007,44. Entre 2017 e 2018, ele recebeu um pouco menos de R$ 330 mil de rendimentos, mas o único bem atribuído a ele é a parte de uma empresa de confecções de roupa infantil, no valor de R$ 1.250, e uma aplicação no Banco de Brasília, de R$ 757,40. “Não acumulei patrimônio pois tenho dívidas de campanha para serem quitadas, invisto na manutenção do mandato, além de custear o tratamento da minha filha [que sofre de epilepsia]”, disse o deputado,.

Ex-motorista de transporte por aplicativo, Daniel Donizet (PSDB) declarou ter R$ 44 mil. Próximo a ele, Fábio Felix (PSol) tem R$ 47 mil de patrimônio. Ambos declararam como bens um carro cada, e nada mais.

Erros

Conforme previsto em lei, todos os deputados precisam ter suas declarações publicadas no Diário Oficial da Câmara Legislativa (DCL), como forma de dar transparência e permitir que a população possa acompanhar a evolução patrimonial dos parlamentares.

Em caso de erro, o distrital precisa retificar a declaração sob pena de responder pelas informações indevidas. São os casos de Fábio Felix e de Jorge Vianna (Podemos). Ambos estão em fase de correção.

O novo Imposto de Renda de Felix, por exemplo, já foi mandado para a Mesa Diretora. De acordo com a assessoria de Vianna, a dele ainda está sendo analisada para ser enviada com os dados corretos.

Outro que precisou corrigir a declaração foi Eduardo Pedrosa. Ele apresentou ter, em 2017, cerca de R$ 2,5 milhões, mas no ano seguinte sua fortuna teria diminuído para R$ 200,5 mil. Uma declaração retificadora já foi publicada, com as correções.

Metropoles

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
15jul/190

Política: A missão que Ibaneis quer poderá tornar Iolando quase imbatível em 2022

O chefe do poder executivo Ibaneis Rocha decidiu que seu governo será um marco na vida das 600 mil pessoas com deficiência no DF.

Projetos sociais, programas de incentivos e até uma política habitacional em todo o DF para a pessoa com deficiência, faz parte das iniciativas do governador para atender de forma especial um grupo importante da sociedade, antes esquecidos por governos anteriores.

O escalado por Ibaneis

Com experiência e com a vivência necessária para conduzir uma das secretarias mais importantes do DF, Iolando Almeida, foi o escolhido para escrever um capítulo importante da gestão Ibaneis Rocha na vida de mais de 600 mil pessoas.

O chefe do executivo manterá a cidade de Brazlândia sob o comando político do distrital do PSC e suas emendas continuarão sendo executadas na mesma proporção para atender as necessidades da pacata cidade de Brazlândia e demais regiões.

A decisão da criação da Secretaria da Pessoa com Deficiência surgiu no início do governo, mas só se tornará realidade no segundo semestre de 2019.

Vale lembrar que até esse momento, a disposição do governador Ibaneis Rocha será entregar a secretaria de "porteira fechada" ao distrital de Brazlândia.

Entre os distritais, já tem gente falando que Iolando Almeida poderá se tornar quase que imbatível na sua reeleição depois que for para o executivo.

 

Redação

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn