12abr/190

Política: Ex- chefe de gabinete de Juarezão, se aproximando de Edimar Pireneus

O evento dos idosos de Brazlândia na noite dessa sexta-feira (11), serviu para uma aproximação já esperada no meio político da cidade.

O ex- chefe de gabinete de Juarezão, Eleovaldo Ferreira, vem trilhando aos poucos o caminho de volta. E não será novidade se o café que Eleovaldo e Edimar Pireneus marcaram para a semana que vem, se transforme na oficialização do regresso de Eleovaldo ao barco político de Pireneus.

Esperar para ver!

 

Redação

 

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
12abr/190

Brazlândia: Célia do Hospital emplaca mais aliados

Eliene Rodrigues

A servidora aposentada da saúde, Célia do Hospital, garantiu reforço importante na gestão do governador Ibaneis Rocha dentro de Brazlândia

A líder comunitária, Eliene Rodrigues, vai reforçar a equipe da Vila Olímpica da cidade junto com a popular Maria das Graças, conhecida no meio da saúde na região.

Redação

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
12abr/190

Política: Edimar Pireneus, dança, pula e busca sobrevida para 2022

O pré-candidato a distrital, Edimar Pireneus, decidiu cair em campo na busca do resgate a sua história politica dentro da região.

Na noite dessa sexta-feira (12) o ex-distrital até dançou no baile dos idosos ao lado da popular Maria Antônia.

Na verdade, o ex- distrital demonstra extrema disposição para viabilizar seu retorno ao poder. E o ano de 2022 será marcado como a redenção ou a morte política definitiva de Pireneus.

Faça suas apostas!

Redação

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
12abr/190

Justiça aumenta pena de ex- deputado

A Justiça aumentou a pena do ex-deputado federal Alberto Fraga (DEM) no processo em que foi condenado por pedir e receber R$ 350 mil de propina. O dinheiro teria sido pago pela cooperativa Coopertran para firmar contrato com o governo do Distrito Federal em 2008.

À época, Fraga era secretário de Transportes na gestão de José Roberto Arruda (PR). Ao G1, a defesa do político disse que já está recorrendo. O crime é de concussão – uso do cargo público para obter vantagem indevida.

Na primeira sentença, o político tinha sido condenado a 4 anos, 2 meses e 20 dias de prisão, em regime inicial semiaberto – além de 14 dias-multa.

No entanto, o Ministério Público recorreu, alegando que a pena deveria ser aumentada porque Fraga atuou como mandante do esquema.

A lei diz que a pena deve ser agravada quando o réu “promove, ou organiza a cooperação no crime ou dirige a atividade dos demais suspeitos”. O pedido foi aceito pelo juiz Fábio Francisco Esteves, da Vara Criminal do Núcleo Bandeirante.

Com isso, a pena foi recalculada e aumentada para 5 anos de prisão, também inicialmente no semiaberto. Além disso, o político terá de pagar 25 dias-multa. Para cada dia, terá que pagar o dobro do salário mínimo da época, o que soma R$ 20.750 de multa.

Segundo o juiz, “restou devidamente comprovado que o acusado João Alberto Fraga Silva dirigiu a atividade de seus subordinados, coordenando todo o esquema criminoso que ocorreu na Secretaria dos Transportes, justamente por ser o secretário”.

Apesar da determinação exigir a prisão de Fraga, ele poderá recorrer às instâncias superiores em liberdade.

Fraga concorreu ao governo do DF nas eleições de 2018. Ele recebeu 88.840 votos, mas não se elegeu. Ficou em sexto lugar na disputa.

Fonte: G1

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
12abr/190

Por unanimidade, TRE-DF decide pela cassação do distrital José Gomes

O deputado foi acusado de coagir os funcionários da empresa Real JG Serviços Gerais a votarem nele nas eleições. Defesa recorrerá ao TSE

JP Rodrigues/Metrópoles

O Tribunal Regional Eleitoral (TRE-DF) decidiu cassar nesta quinta-feira (11/4), por unanimidade, o diploma do distrital José Gomes (PSB) e deixá-lo inelegível por oito anos.

O deputado foi acusado de abuso de poder econômico e coação de funcionários da empresa Real JG Serviços Gerais, conforme revelado pelo Metrópoles.

A assessoria jurídica dele disse que recorrerá da decisão ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em até cinco dias.

Metropoles
Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn