17dez/180

Médium João de Deus se entrega à polícia e é preso em Goiás

O médium João Teixeira de Faria, 76, conhecido como João de Deus, se entregou à polícia e foi preso neste domingo (16). O encontro dele com as autoridades ocorreu na encruzilhada de uma estrada de terra no município de Abadiânia, às margens da BR 060.

A negociação foi feita entre o advogado de João de Deus, Alberto Toron, e o delegado geral da Polícia Civil. A polícia chegou em três carros. O médium, que estava num sítio, chegou no veículo de um de seus advogados.

Minutos antes de se entregar, ele chegou a passar mal. Trêmulo, pediu aos defensores para tomar um remédio sublingual. João de Deus é cardíaco. Ele é suspeito de ter abusado sexualmente de mulheres durante os atendimentos espirituais que realizava na cidade de Abadiânia (GO).

O médium era considerado foragido pela força-tarefa que investiga o caso desde as 14h de sábado (15) e estava em local desconhecido desde que o pedido de prisão temporária, feito pelo Ministério Público de Goiás, foi aceito pela Justiça na sexta (14). Seu nome foi encaminhado para a lista de procurados da Interpol.

Para tentar cumprir o mandado, policiais chegaram a procurá-lo em Goiânia, Anápolis e Abadiânia, mas não tiverem êxito. Mais de 20 locais foram vistoriados em busca do paradeiro do suspeito.

A defesa de João havia dito que o médium iria apresentar-se voluntariamente ainda na sexta, o que não aconteceu. Os advogados que defendem João de Deus também afirmaram que a ordem de prisão preventiva é ilegal e injusta e que iriam impetrar habeas corpus contra a decisão judicial.

Segundo eles, “apenas alguns depoimentos, de poucas vítimas, acompanham o pedido de prisão preventiva, ainda assim, sem os seus nomes”.

No início da semana a Promotoria chegou a criar uma força-tarefa para recolher as inúmeras denúncias de abusos sexuais contra o médium. Os casos começaram a tornar-se público após 13 mulheres relatarem as denúncias no sábado (8) durante o programa Conversa com Bial, da TV Globo, e ao jornal O Globo.

Na segunda (10), Aline Saleh, 29 contou sua história à Folha de S.Paulo: “Quem tem de sentir vergonha é ele, e não eu”. Ela diz que, em 2013, esteve na casa e que foi levada para um banheiro, posta de costas e que João de Deus colocou a mão dela em seu pênis.

Segundo a Promotoria, 335 contatos já foram recebidos, com mensagens principalmente por email, incluindo também outros seis países (Alemanha, Austrália, Bélgica, Bolívia, Estados Unidos e Suíça).Também foram colhidos os depoimentos de 30 pessoas nos Ministérios Públicos de São Paulo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Distrito Federal e Espírito Santo.

Em comum, a maioria das mulheres diz que recebeu um aviso de procurar o médium em seu escritório ao fim das sessões em que ele atende aos fiéis.

No local, segundo as vítimas, João de Deus dizia que elas precisavam de uma “limpeza espiritual” antes de abusá-las sexualmente. Entre as vítimas estariam mulheres adultas, crianças e adolescentes.

O promotor Luciano Miranda Meireles afirmou que os depoimentos podem ser a úncia forma de comprovar as acusações, já que crimes como estupro não ocorrem à luz do dia nem têm testemunhas.(FolhaPress)

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
17dez/180

Com desistências, disputa pela presidência da CLDF se afunila

Dos cinco nomes que tentavam se cacifar para concorrer ao cargo, dois sinalizam saída da contenda: Agaciel Maia e Reginaldo Veras

Filipe Cardoso/Metrópoles

Eleitos para a próxima legislatura, os futuros deputados distritaiscaminham para costurar, ou pelo menos tentar, um nome de consenso para o comando da Câmara Legislativa (CLDF) a partir de janeiro de 2019. Dos cinco pretensos candidatos a ocupar a principal cadeira da Casa, dois já são são considerados fora da disputa, marcada para 1° de janeiro, logo após a cerimônia de posse.

Mesmo sem o tom oficial de candidatos, continuam na corrida pela presidência da Casa os distritais Rafael Prudente (MDB), Rodrigo Delmasso (PRB) e Claudio Abrantes (PDT). Os três fazem parte da bancada de apoio ao governador eleito Ibaneis Rocha (MDB).

O fato força o emedebista a manter uma certa distância do processo de escolha. A pessoas próximas, contudo, o futuro titular do Palácio do Buriti tem dito que, na reta final, poderá escolher entre os dois mais bem colocados na corrida rumo à Mesa Diretora.

Atual líder do governo de Rodrigo Rollemberg, o distrital Agaciel Maia (PR) preferiu jogar a toalha em sua pretensão, mas com a garantia de ser reconduzido para o comando da Comissão de Economia, Orçamento e Finanças (Ceof). Outro candidato ventilado, Reginaldo Veras (PDT), teria sinalizado apoio ao correligionário pedetista, Claudio Abrantes.

Procurados pela reportagem, nenhum dos deputados quis comentar as negociações em curso nos bastidores da CLDF.

Matemática na ponta do lápis

Por outro lado, em reuniões discretas nas dependências do Legislativo local, cálculos e mais cálculos são feitos com o objetivo de antecipar um possível resultado das urnas. O histórico de “traições” ocorridas nas recentes eleições da Casa é tão grande que deixa os parlamentares com o pé atrás quando o colega manifesta simpatia a algum dos cotados. Desconfiados, preferem contabilizar os nomes de quem declara abertamente o voto.

Pelas contas não oficiais, juntos, Prudente e Delmasso teriam a confirmação de pelo menos 10 votos dos próximos mandatários. Já Abrantes somaria sete distritais apoiadores de sua campanha. Caso o cenário se confirme, outros sete estariam soltos em busca de um candidato.

Cada voto é muito precioso. No caso de empate entre os três, Abrantes levaria vantagem, por ter mais mandatos no currículo. O critério de desempate está previsto no Regimento Interno da Câmara Legislativa do Distrito Federal.

Traições

Em pelo menos dois episódios diferentes, a eleição da Mesa Diretora da CLDF foi marcada por manobras inusitadas que refletiram diretamente no resultado da escolha.

Em 2004, num revés, o então distrital Fábio Barcellos (PDT) foi eleito presidente da Casa, vencendo contra Pedro Passos (MDB), candidato da preferência do então governador, Joaquim Roriz. Os distritais foram levados de avião para uma fazenda, sem sinal de celular, e por lá ficaram até o momento da eleição. Roriz dava como certa a vitória do aliado.

No episódio mais recente, na disputa entre Agaciel Maia e o atual presidente da Casa, Joe Valle (PDT), a vitória se deu pelo voto de Robério Negreiros (PSD) – que, de última hora, deixou de apoiar o então escolhido e votou no pedetista.

Oficialmente, os deputados distritais dizem torcer pela união dos candidatos. Na sexta-feira (14/12), durante entrevista à rádio Metrópoles FM, o deputado eleito Fernando Fernandes (Pros) declarou que tudo caminha para um entendimento. “No fim das contas, vamos encontrar um nome de consenso para que não haja disputa. O caminho é esse”, disse.

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
17dez/180

“Farta prova documental” põe Lula como dono de sítio, diz Lava Jato

Documento de 366 páginas, subscrito por 12 procuradores que integram a força-tarefa da Lava Jato, reitera o pedido de condenação do petista

Polícia Federal/Reprodução

Em alegações finais, o Ministério Público Federal, no Paraná, aponta que há “farta prova documental” de que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva era “proprietário de fato e possuidor” do sítio de Atibaia. O documento de 366 páginas, subscrito por 12 procuradores da República que integram a força-tarefa da Operação Lava Jato, reitera o pedido de mais uma condenação do petista.

Lula está preso desde 7 de abril, sentenciado a 12 anos e um mês de reclusão por corrupção e lavagem de dinheiro no processo do triplex do Guarujá. O petista nega ser o dono do sítio.

“Os variados elementos de prova comprovam que Lula atuava como proprietário de fato e possuidor do sítio de Atibaia e, nessa condição, Fernando Bittar autorizou e se envolveu na realização de obras ocultas e escondidas para Lula realizadas no sítio por Bumlai, Odebrecht e OAS”, afirma a Lava Jato.

A Procuradoria da República aponta que a reforma e melhoria do sítio teriam sido providenciadas pelas empreiteiras Odebrecht e OAS como propina a Lula. A propriedade é pivô da terceira ação penal da Lava Jato, no Paraná, contra o ex-presidente. O petista ainda é acusado por corrupção e lavagem de dinheiro por supostas propinas da Odebrecht – um terreno que abrigaria o Instituto Lula e um apartamento vizinho ao que morava o ex-presidente em São Bernardo do Campo.

A Lava Jato afirma que o sítio passou por três reformas: uma sob comando do pecuarista José Carlos Bumlai, no valor de R$ 150 mil, outra da Odebrecht, de R$ 700 mil e uma terceira reforma na cozinha, pela OAS, de R$ 170 mil, em um total de R$ 1,02 milhão. Em interrogatório, Bumlai declarou não ter pago “nem um real” nas obras.

O sítio de Atibaia está em nome do empresário Fernando Bittar, filho de Jacó Bittar, amigo de longa data do ex-presidente. Segundo a Lava Jato, o empresário “franqueou a Lula e família a oportunidade de utilizaram o Sítio de Atibaia da forma que melhor entendessem”.

“Tal circunstância – empréstimo da propriedade por Fernando Bittar a Lula e Marisa para usarem como lhe aprouvessem – confirma a denúncia de que, sem prejuízo de Fernando Bittar exercer atributos da propriedade, entre eles, usar e gozar, Lula e Marisa Letícia atuavam e utilizavam o local também como proprietários, ou seja, portavam-se como proprietários de fato e possuidores do Sítio de Atibaia.

“De se ver que, para além das provas orais reunidas na instrução processual, conforme exposto na denúncia (Capítulo “V.1.1.1 – Dos proprietários de fato e possuidores do Sítio de Atibaia), foi colhida farta prova documental a demonstrar que Lula e Marisa Leticia se portavam como possuidores e proprietários de fato do Sítio de Atibaia (ainda que de modo compartilhado com Bittar).

Corrupção passiva e lavagem de dinheiro

O Ministério Público Federal acusa Lula por 10 delitos de corrupção passiva e outros 44 atos de lavagem de dinheiro. A Lava Jato pede ainda a condenação do empresário e delator Marcelo Odebrecht e do executivo ligado à OAS Agenor Franklin Magalhães Martins por corrupção ativa, e do ex-presidente da OAS, José Adelmário Pinheiro, o Léo Pinheiro, por corrupção ativa e lavagem de dinheiro.

O Ministério Público Federal pede ainda, por lavagem de dinheiro, a condenação do pecuarista José Carlos Bumlai e do ex-assessor do petista Rogério Aurélio Pimentel do empresário Emílio Odebrecht, do advogado Roberto Teixeira, do empresário Fernando Bittar e de outros quatro.

Os procuradores anexaram ao processo um recibo no valor de R$ 120 mil, em nome de Fernando Bittar e subscrito por um representante da Kitchens cozinha. A investigação aponta que, após acerto entre os réus, “nenhum gasto efetuado em Atibaia deveria conter o nome da OAS”.

Segundo a Lava Jato, os projetos e a nota fiscal da Kitchens ficaram em nome de Fernando Bittar “com intuito único de ocultar e dissimular a natureza, origem, localização, disposição, movimentação e propriedade dos valores provenientes dos crimes antecedentes, escondendo a origem dos valores e os responsáveis pelo pagamento, bem como o real beneficiário da reforma, no caso, o réu Lula”.

“O Ministério Público Federal junta os documentos em anexo, extraídos da quebra telemática de Paulo Gordilho, ressaltando, desde já, que são de acesso prévio às defesas”, anotou a Lava Jato.

A Procuradoria pediu “a decretação do perdimento do produto e proveito dos crimes, ou do seu equivalente, incluindo aí os numerários bloqueados em contas e investimentos bancários e os montantes em espécie apreendidos em cumprimento aos mandados de busca e apreensão, no montante de, pelo menos, R$ 155.378 202,04”. O valor corresponde ao “total da porcentagem da propina paga e lavada” por empreiteiras.

Cálculo da pena

No documento, a Lava Jato anota que “o crime de corrupção é um crime muito difícil de ser descoberto e, quando descoberto, é de difícil prova”. Os procuradores registram que “mesmo quando são provados, as dificuldades do processamento de ‘crimes de colarinho branco’ no Brasil são notórias, de modo que nem sempre se chega à punição. Isso torna o índice de punição extremamente baixo”.

O Ministério Público Federal pede regime fechado para o início do cumprimento da pena. “Estamos diante de um dos maiores casos de corrupção já revelados no País. Não se pode tratar a presente ação penal sem o cuidado devido, pois o recado para a sociedade pode ser desastroso: impunidade; ou, reprimenda insuficiente”, afirmam os investigadores.

“Se queremos ter um país livre de corrupção, essa deve ser um crime de alto risco e firme punição, o que depende de uma atuação consistente do Poder Judiciário nesse sentido, afastando a timidez judiciária na aplicação das penas quando julgados casos que merecem punição significativa, como este ora analisado”, ressaltaram.

As provas documentais contra Lula no caso do sítio de Atibaia, segundo a Lava Jato:

– “Reiterado e frequente número de vezes que Lula e sua família compareceram ao sítio de Atibaia, a partir dos dados fornecidos pela praça de pedágio e diárias pagas pela Administração Federal aos seguranças de Lula em razão de deslocamentos para Atibaia

– Diversos e-mails do Instituto Lula que comprovam a utilização e gozo do Sítio de Atibaia por parte da família Lula fazendo menções a:

(i) plano de câmeras de segurança do Sítio de Atibaia com referência a casa do PR;

(ii) presença de Marisa no sítio em um feriado;

(iii) mapa da cidade de Atibaia para auxílio do plano de segurança de Lula;

(iv) instalação de estação de tratamento no sítio;

(v) animais domésticos da família Lula;

(vi) cardápio de almoço de interesse de Marisa Letícia no sítio;

(vii) frequência ao sítio às vésperas das festas de fim de ano, com a presença de seguranças de Lula;

(viii) assuntos relacionados ao dia a dia da gestão do sítio tratados com o caseiro Maradona com seguranças de LULA, tais como, – listas de materiais de construção necessários para intervenções; recibos de compras de itens da propriedade; – relato sobre os animais de estimação (peixes, galinhas, pato, pavão, etc.), etc.

– Laudo pericial nº. 0392/2016-SETEC/SR/DPF/PR131, confeccionado a partir da busca e apreensão no Sítio de Atibaia, que aponta que no local existia uma variedade de bens de uso pessoal de Lula e Marisa Leticia;

– Parte considerável da mudança de Lula, após este deixar o mandato presidencial, teve como destino o Sítio de Atibaia;

– Notas fiscais em nome de Marisa Letícia e de seguranças de Lula relacionadas a bens encontrados no Sítio de Atibaia, bem como documentação relativa a atendimento veterinário, na cidade de Atibaia, de animal de estimação de Marisa Leticia;

– Recibos e documentos relacionados às obras efetuadas por José Carlos Bumlai e Odebrecht em benefício de Lula, apreendidas na residência deste;

– Minutas de escrituras de compra e venda do Sítio de Atibaia tendo por aquirentes Lula e Marisa Letícia a demonstra que o casal tinha a intenção de consolidar a propriedade em seu nome”.

Defesa

Em nota, a defesa do ex-presidente Lula, afirmou: “Nas 366 páginas escritas pelos procuradores não há indicação de qualquer prova da culpa de Lula, mas apenas ilações baseadas em afirmações de delatores que ganharam a liberdade e receberam outros generosos benefícios do Ministério Público. O documento também omite as provas de inocência de Lula, como, por exemplo, ao deixar de citar perícia feita por sua defesa no sistema de contabilidade paralela da Odebrecht que comprovou que os valores que a acusação tenta vincular ao ex-presidente na verdade foram sacados em benefício de um alto executivo daquele grupo empresarial. Lula não é o proprietário do sítio e tampouco praticou qualquer crime”. Metropóles

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
13dez/180

Pesquisa CNI/Ibope mostra que Bolsonaro está no caminho certo para 75% dos brasileiros

Entre os brasileiros ouvidos pela pesquisa Ibope, 64% têm expectativa de que o governo Jair Bolsonaro será ótimo ou bom

Frente às decisões tomadas pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), 75% dos brasileiros – três em cada quatro – acreditam que o novo governo está no caminho certo. Isso é o que aponta uma pesquisa do Ibope, encomendada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), divulgada na manhã desta quinta-feira (13).

De acordo com a mesma pesquisa, 14% acham que Bolsonaro e sua equipe estão no caminho errado em relação às suas escolhas, enquanto 11% não sabem ou não responderam à pergunta feita pelo Ibope .

Segundo a avaliação do instituto, quanto maior a renda familiar, maior o percentual dos que acreditam que o presidente eleito está no caminho certo. Afinal, enquanto 70% daqueles com renda familiar de até um salário mínimo pensam assim, o número sobe para 82% entre os que têm renda familiar superior a cinco salários mínimos.

Também de acordo com a pesquisa, 64% dos brasileiros ouvidos têm a expectativa de que o governo Bolsonaro será ótimo ou bom.

Perguntados quanto às prioridades que o próximo governo deve ter durante a sua gestão, 41% dos entrevistados disseram que é necessário melhorar os serviços de saúde. Além disso, 40% destacaram a promoção da geração de empregos como prioridade para 2019.

Na sequência, na mesma pergunta, aparecem combater a corrupção e combater a violência e a criminalidade, ambos com 36%, e melhorar a qualidade da educação, apontada por 33%.

O levantamento também mostra que dois em cada três brasileiros estão confiantes no cenário econômico brasileiro para 2019 e creem que a situação econômica do País vai melhorar no ano que vem. Parcela similar também espera que a própria vida vai melhorar ou melhorar muito no próximo ano.

Esse otimismo afeta também outras áreas. Cerca de quatro em cada dez brasileiros (43%) acreditam que a segurança pública está entre os principais problemas que vão melhorar no primeiro ano de governo do presidente eleito. Em seguida, aparecem a corrupção (37%) e o desemprego (36%).

A pesquisa mostra que a maioria dos brasileiros ouvidos aprova as indicações para compor a equipe de Bolsonaro , bem como as medidas que vêm sendo anunciadas pela equipe.

Entre os entrevistados, 80% se dizem pelo menos um pouco informados sobre as indicações do presidente eleito para os cargos de primeiro escalão do governo – ministros e colaboradores da equipe de transição. Desses, 55% consideram as indicações adequadas ou muito adequadas.

Pouco mais de oito em cada dez se dizem informados, em alguma profundidade, sobre as propostas já anunciadas pelo presidente eleito. Entre eles, 75% afirmam aprovar de forma geral as propostas. O percentual de aprovação cresce de acordo com o grau de informação que o entrevistado diz ter sobre o novo governo.

Leia também: Bolsonaro e Mourão recebem hoje diploma do TSE que confirma resultado da eleição

A pesquisa Ibope foi feita entre 29 de novembro e 2 de dezembro e ouviu 2 mil eleitores de 127 municípios. A margem de erro máxima estimada é de 2 pontos percentuais, e o nível de confiança é de 95%.

* Com informações da Agência Brasil.

Fonte: Último Segundo – iG @ https://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2018-12-13/ibope-jair-bolsonaro-avaliacao.html

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
13dez/180

Rosa Weber pede vista, mas TSE forma maioria contra filiados do PTB-DF

Placar contrário ao partido é de 5 a 1. Mas ministros podem mudar entendimento até o final do julgamento

Felipe Menezes/Metrópoles

A presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Rosa Weber, pediu vista mais uma vez ao processo que julga a validade das filiações dos candidatos do PTB-DF que participaram das eleições. Os ministros do TSE votaram, nesta quinta-feira (13/12), por maioria (5 a 1), pelo indeferimento das filiações do PTB-DF e da candidata à deputada distrital Jaqueline Silva. Ao todo, são sete votos.

Três ministros entenderam que certidões produzidas unilateralmente não eram prova da filiação de 31 candidatos aos cargos proporcionais. Apenas o ministro Luiz Edson Fachin votou contra a decisão do colegiado.

A dúvida ficou por conta de um novo documento protocolado no sistema do TSE, no dia 12 deste mês, onde a candidata Jaqueline Silva aparecia como filiada desde 5 de abril. Tanto Fachin quanto Rosa Weber acreditam na legalidade da lista, porém a presidente disse que prefere fazer uma nova análise.

Com a decisão, o ministro Luiz Roberto Barroso avisou que manteria seu voto, mas que até a próxima sentada para o julgamento reanalisaria seu posicionamento.

Ainda que os votos do PTB sejam validados, a composição da Câmara dos Deputados não será alterada. Isso porque o prazo para os recursos relacionados aos votos de federais prescreveram. Com isso, apenas a Câmara Legislativa pode sofrer alterações.

O partido não teria realizado as filiações no prazo definido por lei, impedindo seus membros de terem os votos contabilizados no pleito de outubro. Seguindo entendimento do Ministério Público Eleitoral (MPE), o ministro relator, Og Fernandes, votou, na última quarta-feira (5) contra o PTB-DF. Na sequência, Admar Gonzaga pediu vista.

No voto de Admar, o ministro acompanhou o relato e afirmou que foi encontrada uma relação de filiação interna do PTB-DF emitida no dia 5 de abril, que foi produzida unilateralmente, podendo ser editável e, por isso, não configuraria em prova válida. Isso porque, para ser aprovada, a lista de filiados deve estar salva no sistema da Justiça Eleitoral.

O PTB foi punido por não ter homologado, no sistema eletrônico da Justiça Eleitoral dentro do prazo previsto em lei, as filiações dos então futuros candidatos. Em sua defesa, ainda no Tribunal Regional Eleitoral (TRE-DF), o partido argumenta que enfrentou problemas no sistema. A Corte não aceitou e defendeu a exclusão do nome de 31 candidatos das eleições de deputados distritais e federais.

Posteriormente, o próprio TRE-DF liberou que os candidatos mantivessem as campanhas e os nomes nas urnas, sem poder fazer uso do horário político nem da verba pública de campanha. Ainda assim, a candidata a distrital Jaqueline Silva alcançou mais de 13 mil votos, o que a possibilitaria assumir uma cadeira na Câmara Legislativa no lugar de Telma Rufino (Pros).

Confusão nas inscrições

O período de inscrições foi encerrado em 13 de abril deste ano. Segundo Alírio Neto, ex-presidente da sigla no DF, o PTB esperou até o último momento porque tinha a intenção de trazer mais candidatos. O processo de homologação deveria ter sido feito por uma secretária do partido em 13 de abril, mas apenas no dia 16 ela percebeu que os nomes não estavam registrados no sistema eleitoral.

Na época, Alírio disse que a sigla seguiu recomendações para entrar com recursos individuais, e quatro postulantes tiveram as candidaturas homologadas. Porém, não foi o que ocorreu com os demais 31, entre eles, a atual presidente do PTB-DF, Jaqueline Silva.

Mesmo com as restrições, como não puderam usar o horário eleitoral ou recursos do Fundo Eleitoral, os postulantes do partido chegaram a ter os nomes incluídos nas urnas. No entanto, os votos dados a eles não foram computados. Metropoles

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
13dez/180

Brazlândia: Célia do Hospital deverá indicar 30 pessoas no GDF

Embora tenha sido pago todo o trabalho de Ibaneis Rocha na campanha de 2018 em Brazlândia. A coordenadora do futuro governador deverá indicar um número significativo na gestão Ibaneis Rocha.

Segundo apurou o blogdogbu, pelo menos 30 pessoas serão indicadas por Célia do Hospital para o GDF. Agora resta saber quem serão os escolhidos.

 

fonte: Redação

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
13dez/180

Brazlândia: Confirmado!Coronel Jesiel será o administrador da cidade e Humberto na Regional de ensino

Coronel Jesiel não era o preferido de Iolando Almeida para o comando da cidade, mas as circunstancias levaram o distrital a mudar de ideia

O distrital Iolando Almeida já andou falando com o primeiro colocado na eleição popular organizada por um grupo de lideranças da cidade. O vencedor do processo Coronel Jesiel já recebeu a garantia que assumirá o comando da cidade de Brazlândia na gestão Ibaneis Rocha.

Na regional de ensino a proposta de Iolando Almeida será emplacar no comando o ex- diretor Humberto que venceu o processo interno entre os diretores de escolas da região. Veja abaixo como os diretores de escolas votaram;

1º Humberto - 13 votos

2º Janduir    - 12 votos

3º Renata     - 06 votos

 

fonte: Redação

 

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
13dez/180

Vice-Governador Afirma: Avante, Meu Partido, Não Será Esquecido

Por Josiel Ferreira 

Nesta quarta-feira (12), em exclusiva para este portal de notícias, Paco Britto, vice-governador, afasta rumores de que Avante será esquecido pelo governo Ibaneis.

Em entrevista, vice-governador afirma que o articulador político, Lucas Kontoyanis, será agraciado com espaço na gestão. Garantiu que até o dia 20 deste mês, o espaço do articulador será apresentado para a população do DF.

O portal Tudooknoticias aproveitou a oportunidade para conversar com Lucas Kontoyanis que afirmou não possuir interesse em assumir algo no governo, porque o projeto deve ser coletivo. Lucas informou que Kleber Defensor Público é cotado para assumir alguma pasta.

Lucas também disse que o Avante será o maior partido da CLDF com três distritais. O nome que irá ao partido ainda está guardado a sete chaves.

As conversas estão avançadas com os deputados eleitos, Leadro Grass (REDE), Eduardo Pedrosa (PTC) e Daniel Donizetti (PRP).

 

 

blogdodonnysilva

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
13dez/180

TSE Decide Hoje Sobre Jaqueline Silva

Hoje o TSE decidirá finalmente a situação dos candidatos do PTB, cujos votos recebidos não foram contabilizados nestas eleições. Caso os ministros aprovem o recurso do partido, Jaqueline Silva, candidata que recebeu mais de 13 mil votos em outubro, ganhará uma cadeira de deputada distrital na Câmara Legislativa do DF. Recentemente Jaqueline Silva assumiu o comando do PTB-DF e já faz grandes planos para o partido.

 

fonte: Donnysilva

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
13dez/180

Cinco deputados fazem acordo para disputar presidência da Câmara contra Maia

Fábio Ramalho (MDB-MG), vice-presidente da Câmara, João Campos (PRB-GO), Capitão Augusto (PR-SP), JHC (PSB-AL) e Alceu Moreira (MDB-RS) assinaram o documento.

Cinco deputados federais divulgaram nesta quarta-feira (12) carta em que formalizam uma união para disputar a presidência da Câmara com Rodrigo Maia (DEM-RJ), atual ocupante do posto e candidato à reeleição em 1º de fevereiro.

Os parlamentares são todos de siglas que negociam a formação de um blocão para isolar o PSL de Jair Bolsonaro e o PT e ocupar os principais postos de comando da Casa, que também serão decididos em fevereiro.

Nem Maia nem os cinco oponentes prometem fazer oposição a Bolsonaro, mas tampouco se apresentam como candidatos oficiais do futuro governo. Nos bastidores, os articuladores políticos do presidente eleito trabalham contra a candidatura de Maia.

Assinam o documento os deputados Fábio Ramalho (MDB-MG), vice-presidente da Câmara, João Campos (PRB-GO), Capitão Augusto (PR-SP), JHC (PSB-AL) e Alceu Moreira (MDB-RS). Os nomes desse grupo têm maior simpatia da equipe de Bolsonaro.

Os dois primeiros são os reúnem, hoje, mais defensores. Na carta, eles declaram apoio mútuo àquele que conseguir passar para um segundo turno.

A eleição para a presidência da Câmara é secreta. Votam os 513 parlamentares. Além de ser o segundo na linha sucessória da Presidência, o presidente da Câmara tem o poder de decidir a pauta de votações do plenário, além de definir o enterro ou prosseguimento de eventual pedido de impeachment contra o presidente da República. Diáriodopoder.

 

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
13dez/180

STJ manda soltar ex-secretários de Saúde do DF acusados de corrupção

Rafael Barbosa e Elias Miziara foram presos pela Operação Conexão Brasília, do MPDFT, e são suspeitos de fraude em contratos na pasta

Valter Campanato/Agência Brasil

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) concedeu habeas corpus aos ex-secretários de Saúde do Distrito Federal Rafael Barbosa e Elias Miziara. Eles foram presos preventivamente no dia 29 de novembro deste ano pela Operação Conexão Brasília, deflagrada pelo Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT). A decisão é do ministro Sebastião Reis Júnior, da noite de quarta-feira (12/12).

Barbosa e Miziara comandaram a pasta no governo de Agnelo Queiroz (PT-DF).  Ambos são acusados de fraude em contratos de fornecimento de órteses e próteses para a rede pública. Segundo o MP, o suposto desvio de recursos tem conexão com o esquema de corrupção no governo de Sérgio Cabral, no Rio de Janeiro.

Envolve combinação de preços e até mesmo contrato firmado com empresa de fachada. O promotor coordenador da força-tarefa, Luís Henrique Ishihara, que comandou a ação, disse na ocasião que o prejuízo aos cofres públicos é de pelo menos R$ 2 bilhões é se refere a acordos firmados de 2007 a 2015.

Ele ressaltou ainda que são centenas de processos investigados pelo grupo do MPDFT, que envolvem diversas empresas com diferentes linhas de atuação no âmbito da secretaria. “Posso afirmar que, durante determinado período na secretaria, pouco ou quase nada se comprou visando o interesse público, o bem-estar, dos cidadãos do DF, mas privilegiando os interesses privados. Chega-se ao ponto de as empresas indicarem quanto seria adquirido pela Secretaria de Saúde”, declarou Ishihara.

Durante a operação, o MPDFT cumpriu 44 mandados de busca e apreensão no Distrito Federal, no Rio de Janeiro e em São Paulo, além de 12 de prisão preventiva. O grupo é investigado por peculato, corrupção ativa e passiva, fraude em licitação e organização criminosa.

Segundo fontes da Polícia Civil, na casa de Rafael Barbosa, no Park Way, foram apreendidos R$ 25 mil em dinheiro, mídias digitais, pen-drives e documentos que podem ajudar nas investigações. A sede da Secretaria de Saúde, no fim da Asa Norte, foi alvo de busca. A pasta informou que está colaborando com as investigações.

Confira os nomes de todos os presos durante a operação:

Em Brasília:

Rafael de Aguiar Barbosa – prisão e busca (ex-secretário de Saúde no governo Agnelo Queiroz)
Elias Fernando Miziara – prisão e busca (ex-secretário de Saúde no governo Agnelo Queiroz)
José de Moraes Falcão – prisão e busca (ex-subsecretário de Saúde do DF)
Renato Sérgio Lyrio Mello – prisão e busca (ortopedista)
Vicente de Paulo Silva de Assis – prisão e busca (médico anestesiologista da Secretaria de Saúde do DF)
Edcler Carvalho Silva – prisão e busca (diretor comercial da Kompazo, empresa que vende produtos hospitalares)

No Rio de Janeiro:

Gustavo Estelitta Cavalcanti Pessoa – alvo de mandado de prisão e busca e apreensão
Márcia de Andrade Oliveira Cunha Travassos – prisão e busca
Gaetano Signori – prisão e busca
Marcus Vinicius Guimarães Duarte de Almeida – prisão e busca
Marco Antônio Guimarães Duarte de Almeida – prisão e busca
Miguel Iskin – prisão e busca

“Fui pego de surpresa”

No dia da operação, os presos foram levados para o complexo do Departamento de Polícia Especializada (DPE), ao lado do Parque da Cidade. Logo após passar por exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal (IML), Miziara falou rapidamente com a imprensa.

Disse que foi pego de surpresa com a operação e a prisão. “Eu nunca nem sequer participei de licitação. Não tenho nenhuma notícia disso e não sei do que se trata”, ressaltou o ex-gestor, que estava sem algemas. A defesa de Barbosa também nega as acusações. Ambos estavam presos na ala de vulneráveis do Complexo Penitenciário da Papuda.

Relatório do Tribunal de Contas do Distrito Federal mostra que as próteses e órteses adquiridas por meio de registro de ata de preços da Secretaria de Saúde do Rio de Janeiro, além de caras, tinham peças faltando e se perderam nas unidades de saúde. Muitas foram até incineradas, pois venceram ou corriam o risco de “quebrar” dentro dos pacientes.

“A decisão do ministro Sebastião Reis, do STJ, confirma o registro que, há muito, vinha sendo feito pelo médico Elias Fernando Miziara sobre a mais absoluta injustiça e ilegalidade da sua prisão”, disse o advogado Joelson Dias, que está à frente da defesa do ex-secretário.

Em nota, também destacou que, mesmo antes do Ministério Público ter oferecido denúncia, o ex-secretário, além de sua liberdade, “já teve sequestrado também os seus bens e a casa e todos os seus pertences pessoais e os da família revirados em busca e apreensão no mesmo dia de sua prisão”.

“No fundo, portanto, a decisão do ministro Sebastião Reis, do STJ, tem o elevado mérito de resgatar garantias básicas previstas em nossa tão maltratada Constituição: a de que se possa responder em liberdade qualquer acusação, bem assim que ninguém pode ser privado da sua liberdade ou de seus bens sem o devido processo legal, o contraditório e a ampla defesa, com todos os recursos a ela inerentes”, conclui a nota.  A defesa de Rafael Barbosa não foi localizada. Metropoles.

 

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
13dez/180

Ibaneis indica Raimundo Ribeiro para diretoria da Adasa

O pedido para a condução do parlamentar à agência é do governador Rollemberg (PSB), que atendeu a solicitação da equipe de transição

Rafaela Felicciano/Metrópoles

O governador eleito do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), indicou o deputado distrital Raimundo Ribeiro (MDB) para integrar a diretoria da Agência Reguladora de águas, Energia e Saneamento do Distrito Federal (Adasa).

Para assumir o cargo, Ribeiro passou por sabatina na Câmara Legislativa na tarde desta quarta-feria (12/12) e foi aprovado. O pedido para a condução do parlamentar à Adasa é do governador Rodrigo Rollemberg (PSB), que atendeu a solicitação da equipe de transição.

O distrital se candidatou à reeleição este ano. Porém, com 5.894 votos, não conseguiu. A ideia de Ibaneis é colocar Ribeiro no comando da agência, o que se pode ocorrer a partir de 2020 quando acaba o mandato de Paulo Salles.

Ao Metrópoles, Ribeiro disse que foi convidado por Ibaneis após a votação, em 28 de outubro. “Ele tinha notícia que um mandato na diretoria da Adasa estava vencendo e perguntou se eu poderia ajudá-lo e me mostrou uma série de atividades que projeta para os próximos anos”, afirmou.

O provável diretor critica a gestão hídrica na capital da República, que enfrentou racionamento de água por mais de um ano. “De fora, a gente até ousa supor que tenha faltado comprometimento maior que pudesse levar a uma previsão da crise”, disparou.

O deputado é advogado da União aposentado. Ele foi secretário de Justiça e Cidadania no Governo do Distrito Federal (GDF) na gestão de Rolleberg. Ribeiro também atuou como primeiro e segundo secretário da CLDF. Metropóles.

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn