18dez/140

Politica: despiste na escolha do Presidente da CLDF

camara-legislativa_2000

O governo eleito deverá alinhar a proposta de escolher o próximo Presidente da Câmara Legislativa no inicio de 2015. Os mais audaciosos acreditam que Rollemberg está observando com lupa as movimentações por parte dos parlamentares e assim conhecer um á um a quem deve confiar pelo os próximos quatro anos.

No parlamento existe aqueles que juram que não estão sendo monitorados e por inexperiência adotam um discurso mais firme na escolha da mesa diretora. Sempre observados por membros do futuro governo.

O próximo chefe do executivo vem fazendo de conta que não está preocupado. E tem em pelo menos três parlamentares a sua linha de comunicação direta entre a casa legislativa e seus interesses diretos.

No debate acalorado a maioria dos distritais acreditam que  o governador já sinalizou quem de fato ele deseja no comando casa e vem despistando em seu nome preferencial.

Na maioria dos mais novos deputados a conclusão é que a distrital Celina Leão poderá ser a escolhida para sentar na cadeira mais importante do parlamento do DF. Entre os remanescente Dr. Michel seria o mais preparado.

fonte: Redação

18dez/140

Sede do Conselho Comunitário de Segurança de Brazlândia é inaugurada

Conseg de Brazlândia agora tem endereço fixo

CONSEG

/ Fotos: Antônio Marques

 Williane Costa

Na manhã desta terça-feira (16), foi inaugurada a Sede do Conselho Comunitário de Segurança de Brazlândia no Parque de Serviços da cidade. O CONSEG de Brazlândia é um dos 33 existentes no Distrito Federal e é dividido em Urbano e Rural. Porém, ainda não tinha um endereço fixo.

O ambiente foi apresentado e cada integrante do Conselho se manifestou, fazendo agradecimentos ao Administrador, que entregou a chave ao Presidente do CONSEG de Brazlândia, Valmir Reinaldo da Silva. “É de grande importância o papel desses Conselhos. Tenho prazer em fazer parte desse grupo que se reúne para suprir as demandas e trazer benefícios à comunidade. E hoje o CONSEG de Brazlândia tem seu endereço, um local com estrutura para ouvir as reivindicações na área da segurança”, disse Vadson.

No ato de inauguração, além do Administrador Vadson Ramos, estiveram presentes representantes da Secretaria de Programas Comunitários da Secretaria de Segurança Pública (SUPROC); o Presidente da Federação dos Conselhos Comunitários de Segurança do Distrito Federal (FECONSEG), José Neife; membros do Conselho; representantes das forças policiais, Associações e do Conselho Tutelar, além de pessoas da comunidade.

Os Conselhos Comunitários de Segurança tem como finalidade informar e encaminhar às autoridades competentes, por intermédio da SUPROC – Subsecretaria de Programas Comunitários da Secretaria de Segurança Pública, propostas ou subsídios para elaboração legislativas em prol da segurança da comunidade.

Os trabalhos do CONSEG são desenvolvidos de forma voluntária, não recebendo assim honorários por parte do Estado. As reuniões acontecem uma vez por mês sob coordenação da SUPROC.

18dez/140

Politica: 1% acredita na decisão das entidades para a escolha do administrador

Ex- presidente da Lifab briga pela a administração

Ex- presidente da Lifab, Lula, agora quer ser administrador regional - Resultado do Fórum

Virou motivo de piada o resultado do Fórum de Politicas Públicas que desejam escolher o administrador de Brazlândia

A briga pela a escolha dos nomes para a administração regional de Brazlândia virou motivo de piada na região. O Fórum de Politicas Públicas criado para realizar o debate não teve o reconhecimento de autoridades do futuro governo e a proposta só deverá ser debatida de fato pelo o governador eleito apenas no terceiro ano de seu mandato.

Depois de encontros e desencontros. O Fórum teve um número pequeno de participações e os sete nomes apresentados na disputa pelo o comando da cidade  até o momento pelo menos cinco acreditam que o governo não vai levar em conta essas escolhas; " Eu coloquei meu nome só para não dizer que fiquei de fora. Mas isso não vai dar absolutamente em nada!", declarou pedindo anonimato.

Depois de realizado o Fórum, o blogdogbu realizou uma pesquisa relâmpago com alguns participantes dos encontros para saber os índices de confiança quanto ao resultado final. Do total pesquisado apenas 1% acredita que o administrador de Brazlândia sairá da lista constituída dos debates acontecidos.

  fonte: Redação

18dez/140

Dia histórico. Obama anuncia reaproximação com Cuba

Estados Unidos e Cuba iniciaram uma aproximação histórica nesta quarta-feira, se encaminhando para retomar os laços diplomáticos e aliviar as cinco décadas de embargo comercial americano contra seu vizinho comunista.
Na sequência de uma troca de prisioneiros, autoridades americanas informaram que o presidente Barack Obama estava pronto para negociar os termos para reabrir a embaixada dos Estados Unidos em Cuba, que está fechada desde 1961.

“Através dessas mudanças, tentamos criar mais oportunidades para os povos americanos e cubanos e iniciar um novo capítulo”, afirmou Obama em pronunciamento na Casa Branca.O embargo econômico, comercial e financeiro contra Cuba foi imposto pelos Estados Unidos depois do fracasso da invasão à ilha, para tentar derrubar o regime de Fidel Castro em 1961, que ficou conhecida como o episódio da Baía dos Porcos.O presidente dos EUA afirmou ainda que o papa Francisco e o Vaticano desempenharam um papel fundamental como intermediários para esta aproximação histórica. O papa também enviou carta com um apelo pessoal a Barack Obama e a Raúl Castro e o Vaticano acolheu delegações dos dois países para finalizar esta aproximação.

“As sanções dos Estados Unidos têm tido pouco efeito”, afirmou Obama. “Nem os americanos nem os cubanos são bem-servidos por essa política iniciada antes que tivéssemos nascido. O isolamento não funciona.”

O presidente dos EUA disse que instruiu seu secretário de estado, John Kerry, a tomar as “providências necessárias” para iniciar conversas com o objetivo de reabrir a embaixada americana em Havana. Essas conversas, segundo Obama, serão o primeiro passo para a retomada de relações diplomáticas.

Para colocar fim ao embargo, entretanto, o Estados Unidos precisarão da aprovação do Congresso. Esse movimento pode se mostrar mais difícil, uma vez que os republicanos, opositores de Obama, têm maioria na casa dos representantes.

Nesta quarta-feira, Obama também anunciou uma série de medidas para facilitar o comércio, as viagens, o envio de dinheiro e o apoio às telecomunicações em Cuba. Mais importante: o presidente americano disse que os EUA vão analisar, “sob a luz da lei”, o que pode ser feito para que Cuba não seja mais considerado um país “patrocinador do terrorismo”.

Além da troca de prisioneiros entre EUA e Cuba – que inclui um agente americano não identificado que estava preso há 20 anos na ilha -, o governo cubano concordou em libertar 53 presos políticos. ”Um certo número desses indivíduos já foi libertado e esperamos continuar a ver as libertações prosseguirem”, disse um alto funcionário do governo dos EUA.

Apesar da histórica reaproximação, Obama disse não esperar que a relação entre os dois países mude “da noite para o dia”. “Não tenho ilusões sobre as barreiras à liberdade que ainda existem para cidadãos cubanos”, afirmou o presidente.

Raúl Castro lamenta manutenção do embargo

Também nesta quarta-feira, em discurso, o presidente cubano, Raúl Castro, saudou as iniciativas para retomada de relações com os EUA, mas lamentou que seja mantido o embargo econômico sobre a ilha.

“Acertamos o restabelecimento das relações diplomáticas. Isto não quer dizer que o principal tenha sido resolvido: o bloqueio econômico”, disse Raúl, que confirmou, também, a libertação de três agentes cubanos presos nos Estados Unidos, assim como as do funcionário terceirizado do governo americano Alan Gross e de um “espião de origem cubana” a serviço de Washington em Cuba.

O presidente de Cuba também agradeceu o apoio do Vaticano e do papa Francisco na “melhora das relações entre Cuba e Estados Unidos” e ao governo do Canadá por ter facilitado o diálogo de “alto nível” entre os governos dos dois países. IstoÉ e agências internacionais

18dez/140

Rodrigo Rollemberg é diplomado governador do DF

Além do futuro governador, outros 36 vencedores nas urnas em outubro foram habilitados pelo TRE

rollemberg:Diplomacao

 Os candidatos eleitos em outubro passado estão habilitados a tomar posse em 1º de janeiro. O Tribunal Regional Eleitoral (TRE) fez, na noite desta quarta-feira (17/12), a diplomação dos escolhidos pelos eleitores. Dos 37 nomes, apenas o distrital Professor Israel Batista (PV) não compareceu por estar com problemas de saúde. Os demais a receberem o diploma foram governador, vice, senador e dois suplentes, oito deputados federais e 23 distritais. A cerimônia foi no Centro de Convenções Ulysses Guimarães.

“É um momento de grande emoção e alegria. Espero corresponder à expectativa que os brasilienses depositaram em mim”, disse o governador eleito Rodrigo Rollemberg (PSB). A trajetória do socialista foi lembrada na fala do vice-presidente do TRE, desembargador Cruz Macedo. “A Geração Brasília chegou ao poder. Desde que Rodrigo Rollemberg chegou em Brasília, ainda criança vindo do Rio de Janeiro, ele acompanhou o crescimento na cidade. Cresceu com ela. Essa realidade impõe a ele dever e responsabilidade ainda maiores. Ele precisará ser um referencial”, destacou o desembargador.
O presidente do TRE, desembargador Romão Cícero de Oliveira, chamou a atenção para o quadro que o futuro governador pode encontrar. “Ninguém deve imaginar que o GDF é um mar de rosas ou um lago azul. Os recursos são escassos. Mas, na pior adversidade, temos quase tudo aquilo que queremos”, acrescentou.

A partir de agora, passa a contar o prazo para impugnação da diplomação. São contados três dias úteis para que o Ministério Público Eleitoral entre com Recurso Contra Expedição do Diploma. O deputado federal eleito Rôney Nemer (PMDB), condenado em segunda instância por improbidade administrativa, em novembro, pode entrar nessa situação. Ele passa a figurar na relação de inelegibilidade à luz da Lei da Ficha Limpa. Resta saber se a Justiça Eleitoral vai entender que ele não deve tomar posse.

 

 

 

Fonte: Correio Braziliense

18dez/140

Definidos os nomes dos presidentes da Novacap e do Metrô-DF

O segundo escalão do governo do PSB começa a se desenhar. Os comandantes de duas importantes empresas estatais, donas de robustos orçamentos, já estão confirmados

Matheus Teixeira

O segundo escalão do governo de Rodrigo Rollemberg (PSB) começa a se definir. Após o Correio confirmar o nome de Hermes Ricardo de Paula na presidência da Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap), Marcelo Dourado foi oficializado como presidente do Metrô-DF.

Amigo de adolescência de Rollemberg, Dourado é do time dos antigos aliados do próximo chefe do Executivo local, ao lado do indicado para responder pela pasta de Ciência, Tecnologia e Inovação, Paulo Salles, e de Paulo de Tarso Castilho, que com certeza ocupará algum cargo no GDF.

Quando Rollemberg foi secretário de Turismo na gestão de Cristóvam Buarque, Dourado era o secretário adjunto e, com a saída do socialista para concorrer a deputado distrital, em 1998, o futuro chefe do Metrô-DF tornou-se o responsável pela pasta. De 2011 a 2013, ele comandou a Superintedência de Desenvolvimento do Centro-Oeste (Sudeco), vinculada ao governo federal.

A prioridade à frente da estatal, segundo ele, é expandir as linhas e criar as cinco novas estações promeditas durante a campanha. “Vamos colocar Brasília nos trilhos. Nosso objetivo é contruir duas novas estações em Ceilândia, duas em Samambaia e uma no começo da Asa Norte”, antecipa.

Hermes de Paula é outro que participou do mandato de Cristovam, como secretário de Obras. Mais tarde, presidiu a Novacap a pedido de Agnelo Queiroz (PT).

Fonte: Correio Braziliense

17dez/140

Brazlândia e sua história

Resgatar o passado é preservar o futuro”

 Fotos: Antonio Marques

Fotos: Antonio Marques

   Quem visitar o site da Administração Regional de Brazlândia já pode conhecer a foto e o período dos ex-administradores que ajudaram a construir a história da cidade

Por Samuel Barbosa 

A pedido do ex-administrador de Brazlândia e atual secretário do trabalho, Bolivar Rocha, uma comissão foi montada e publicada no Diário Oficial do Distrito Federal (DODF) em 26 de junho de 2012, com a finalidade de promover encontros, realizar pesquisas e recuperar documentos, fotos e vídeos que marcaram o início da fundação da cidade de Brazlândia, terra do morango. 

Desde então, os membros da comissão se reuniram diversas vezes, fizeram várias pesquisas e visitas aos pioneiros com objetivo de levantar os nomes de todos os que contribuíram de diversas formas para que a cidade fosse fundada. 

Para Bolivar Rocha, resgatar a história é conhecer de perto o crescimento de uma cidade. “Brazlândia é uma cidade de conquistas, de desenvolvimento, de famílias tradicionais que se doaram para que a cidade fosse realidade e, acima de tudo, de novas perspectivas. Quero parabenizar a todos pelo esforço e dizer a importância deste trabalho, pois muitos de nós nascemos e fomos criados aqui e constituímos nossas famílias e vida profissional”, comemorou Bolivar.

Segundo o atual administrador, Vadson Ramos, o trabalho é uma homenagem aos personagens que ajudaram a construir a história de Brazlândia. “Sinto-me gratificado em poder participar deste momento tão especial da história da cidade. Resgatar o passado é preservar o futuro. Um gestor público só é lembrado pela sua história”, comemorou Vadson.

Para a Gerente de História Oral do Arquivo Público do DF, Ana Cândida Vieira, este trabalho será feito em todas as administrações regionais, procurando digitalizar todos os documentos para que a história pública de Brasília não se apague com o tempo. “Estamos empenhados em dar apoio a todos que têm interesse em resgatar e digitalizar os documentos para que possamos resguardar a memória da construção das cidades do Distrito Federal”, frisou Ana.

Todo o trabalho foi baseado em inúmeros escritos e documentos antigos espalhados por diversas casas e órgãos, além de conversas com os pioneiros da cidade. A comissão teve a importante participação do Arquivo Público do Distrito Federal, que não mediram esforços para ajudar registrar os momentos das atividades e colaborou para que o trabalho fosse finalizado.

Todo o trabalho que foi possível ser encontrado estará disponível para consulta no Arquivo Público do Distrito Federal ou na Gerência de turismo da Administração Regional de Brazlândia. Outras informações – 061-3479-8008 /19.

Comissão responsável

 - Marcos Aurélio da Silva Oliveira – Gerente de Gerência de Turismo da Administração de Brazlândia

- Paulo Humberto de Almeida (PHT) Conselho Tutelar de Brazlândia

- Lucilene Feliciano da Silva (Lucinha) Conselho Tutelar de Brazlândia

- Dione Cardoso da Conceição – Chefe do Núcleo de Protocolo da Administração de Brazlândia

- Weslainy Pereira da Silva – Chefe do Núcleo de Licenciamento de Obras da Administração de Brazlândia

- Jaqueline Carneiro Bastos – Chefe do Núcleo de Licenciamento de Atividades Econômicas da Administração de Brazlândia

- Maria de Nazaré Alves Dias - Encarregada do Núcleo de Licenciamento de Atividades Econômicas

Ex-administradores

Para conhecer a galeria dos ex-administradores acesse o link - http://www.brazlandia.df.gov.br/sobre-a-ra-iv/ex-administradores.html

Conheça Brazlândia RA-IV 

Brazlândia criada em 05 de junho de 1933 é uma terra repleta de encantos e atrativos, com percentual da área em relação ao Distrito Federal de 8,32%. Possui atualmente cerca de 54 mil habitantes na área urbana e cerca de 30 mil na área rural, e possui uma área total de 474,83k². A cidade é polo de festas tradicionais como a do Divino, Encontro da Mãe com o Filho, Via Sacra, Morango e Carnaval. 

Aqui tem turismo rural e religioso, artesanato, jeitinho de interior, ritmo de cidade pacata e verde por todos os lados, para dar, vender e seduzir os que procuram calmaria e paz. Tem também água de sobra, a exemplo do lago Espelho D'Água, sem falar na barragem do Rio Descoberto, que fornece mais de 60% de água para o Distrito Federal. Não bastasse isso, é um dos cinturões agrícolas regionais, produtor de morango, goiaba, leite e hortifrutigranjeiros. Para mais informações acesse o link - http://www.brazlandia.df.gov.br/sobre-a-ra-iv/conheca-brazlandia-ra-iv.html

 

17dez/140

60% dos servidores comissionados serão exonerados

20141213130022108618u

Governador eleito apresenta o secretariado e confirma os cortes de pessoal que virão a partir do primeiro dia de comando. Secretário de Fazenda é conhecido por reduzir despesas

Austeridade. foi a palavra mais ouvida da boca do governador eleito Rodrigo Rollemberg (PSB), ontem, durante solenidade de anúncio dos nomes do primeiro escalão do futuro governo. Um indicativo de que pretende unir o discurso à prática foi que o socialista informou a redução do número de pastas de atuais 34 (chegaram a ser 39) para 24  mais a chefia de gabinete. Além disso, preocupado com a situação das contas públicas, cujo rombo é estimado em R$ 3,8 bilhões, o futuro chefe do Executivo reafirmou a intenção de extinguir 60% dos cargos comissionados de livre provimento, que somam cerca de 8 mil servidores — dados oficiais de novembro.

fonte: Politica Atual

17dez/140

Garagens amanhecem alagadas e ruas com barro após 3 h de chuva

Regiões do DF permaneciam sem luz pela manhã e com áreas interditadas. Instituto de Meteorologia diz que choveu o esperado para um terço do mês.

Do G1 DF 

As três horas da forte chuva que caíram no final da noite desta terça-feira (16) deixaram estragos no Distrito Federal. Estacionamentos amanheceram alagados, ruas ficaram tomadas pelo barro e várias regiões permaneciam sem energia pela manhã. Até as 9h30, pelo menos 12 das 31 regiões administrativas da cidade registravam pontos com falta de luz. O Corpo de Bombeiros também não soube informar o número de atendimentos por causa do temporal (veja imagens dos estragos).

De acordo com o subsecretário de Operações da Defesa Civil, Sérgio Bezerra, 50 carros foram atingidos durante a chuva. Ele também afirmou que os bombeiros registraram mais de 50 chamadas no período.

Na manhã desta quarta, carro estava com a parte a frente atolada após forte chuva que caiu no Distrito Federal (Foto: TV Globo/Reprodução)

“Choveu cerca de 75 mm. No mês de dezembro chove 250 mm, na média. Em duas horas e meia choveu quase um terço do que chove um mês inteiro. A única ocorrência de maior destaque em relação a alguém que poderia se ferir foi na 311 Norte, um vigilante estava em uma academia dormindo e os bombeiros retiraram ele de lá porque ele ia se afogar”, afirmou Bezerra.

17dez/140

Justiça suspende lei e GDF fica sem R$ 2 bilhões do Fedat

O governador Agnelo Queiroz (PT) não poderá contar com recursos do Fundo Especial da Dívida Ativa (Fedat) a fim de deixar as contas equilibradas para o futuro governo. O Conselho Especial do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT) decidiu ontem suspender a lei que possibilitaria a entrada de R$ 2 bilhões no caixa até o fim do ano. Esse dinheiro seria antecipado pelo Banco de Brasília (BRB), que receberia os débitos em atraso — totalizados em cerca de R$ 15,8 bilhões — e passaria a administrá-los, colocando-os à venda no mercado. Ontem, o Tribunal de Contas da União paralisou a licitação para as festividades de fim de ano.

Dos 17 desembargadores presentes na sessão de ontem do Conselho Especial, 16 acompanharam o voto do relator, José Divino de Oliveira. Ele entendeu que a Lei nº 5.424, de 2 de dezembro deste ano, fere a Lei Orgânica do Distrito Federal (LODF) em vários aspectos, além de afrontar a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) e a resolução do Senado Federal que impede o gestor de fazer operações de crédito nos últimos 120 dias de mandato.

Não adiantaram os argumentos apresentados pelo representante da Procuradoria-Geral do Distrito Federal, procurador Marcelo Proença. Ele pediu que os desembargadores não acolhessem o pedido de liminar na Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) proposta pelo Ministério Público do DF e Territórios (MPDFT). “Essa ação tem vários equívocos e pedimos que não seja acolhida”, clamou. Somente o desembargador José Cruz Macedo foi sensível à tese, alegando que o DF pode ficar em situação difícil sem a disponibilização dos recursos.

Preocupação

O desembargador José Divino teve outro entendimento. “O risco que existe de deixar o Distrito Federal em uma situação difícil é essa lei vigorar. Há riscos de prejuízos para o Erário. Além disso, ela ataca a Lei Orgânica em vários pontos e, portanto, considero aceitável atender o pedido de liminar e suspender a eficácia da norma”, destacou. Essa foi a segunda decisão desfavorável ao Fedat nos últimos dias. Na semana passada, o Tribunal de Contas da União (TCU), em despacho do ministro presidente Raimundo Carreiro, mandou a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) suspender o registro do fundo. No entendimento dele, trata-se de uma operação de crédito com antecipação de receita.

O defensor dos interesses do GDF, procurador Marcelo Proença, explicou que a situação jurídica em relação ao Fedat é complicada para que possa passar a valer ainda neste ano. “Do ponto de vista processual, é uma questão que não podemos saber se será resolvida a curto prazo”, afirmou, em relação à liminar. Ele atribui a preocupação ao início do recesso forense (20 de dezembro). Soma-se a isso a decisão do TCU. “De qualquer maneira, vamos avaliar. Neste caso do Tribunal de Justiça, precisamos aguardar a publicação do julgamento para decidir o que fazer”, acrescentou. Informações do Correio Braziliense.

17dez/140

Governo já pensa em cortar administrações

 Futuro chefe da Casa Civil diz que há estudos para enxugar a máquina oficial

heliodouyle:administrações

Millena Lopes

Como medida de austeridade, o governo de Rodrigo Rollemberg já admite a possibilidade de diminuir o número de administrações regionais. Hélio Doyle, coordenador da equipe de transição e futuro chefe da Casa Civil, disse que os estudos ainda estão em andamento, mas há a “tendência” de que isso ocorra.

“Você tanto pode fundir como você pode também desdobrar”, disse, para citar administrações de regiões com cinco mil habitantes e regiões com 400 mil. Estou falando que há uma possibilidade de que isso aconteça, porque a gente verifica que tem administrações regionais com uma população de cinco mil pessoas e tem administrações regionais com uma população de de 400 mil pessoas. “O que a gente está querendo é racionalizar melhor, tornar uma estrutura mais racional, que atenda melhor à população”, explicou Doyle.

A redução de 60% no número de comissionados é uma das prioridades do novo governo. E deve começar pelas administrações regionais, que, nas palavras do futuro secretário, “são muito inchadas mesmo”.“Tem muita gente que nem sequer aparece para trabalhar”, pontua o coordenador da transição. A repetição de funções foi outro problema identificado pela equipe. “As estruturas que existem hoje, na nossa opinião, atendem mais aos interesses políticos, ao empreguismo, do que à população”, resumiu.

Deixando claro, a todo o momento, que trata-se de uma possibilidade, já que os estudos não foram concluídos, Doyle disse que o posicionamento definitivo deve sair até o fim do mês, já que existe a expectativa de começar o novo governo com as estruturas definidas.

Cinco a menos A reportagem apurou que, de acordo com os estudos da equipe de transição, pelo menos cinco administrações devem ser extintas. Como é o caso da recém criada Fercal. Sobradinho I e II podem ser fundidas, assim como Riacho Fundo I e II, Sudoeste e Cruzeiro, Candangolândia e Núcleo Bandeirante. Doyle limita-se a dizer que são possibilidades, “mas ainda não há decisão tomada”. Austeridade vira palavra de ordem A medida tem apenas um propósito: economizar recursos.

Se concretizada, seria para atender ao requisito de austeridade tão propagado atualmente pelo novo governo. “Nós temos que evitar os gastos supérfluos e temos que controlar melhor os gastos”, reafirmou Doyle, para enumerar os gastos que devem ser reduzidos pelo próximo governo: “Despesas com mordomias, por exemplo. O que se gasta com comida no governo é excessivo”. A utilização de veículos e os gastos com combustível também estão entre os exageros apontados pela equipe de transição:

“Essa austeridade vai ser pedida desde o governador até qualquer servidor, independentemente da posição no governo”, prometeu. Administradores O futuro chefe da Casa Civil reconheceu que o governador está ouvindo os políticos das regiões administrativas para escolher os administradores. “Presume-se que um deputado eleito tenha respaldo na comunidade. Eles também serão ouvidos, por que fazem parte da comunidade. Isso não quer dizer que eles vão indicar ou que haverá loteamento”, explicou.

Fonte: Jornal de Brasília
17dez/140

Brazlândia: A pêa continua

Petistas preferem tomar a cerveja do Natal do que sofrer ataques no Fórum de Politicas Públicas da cidade

Petista Blaw aderiu ao silêncio no primeiro encontro

Blaw optou pelo o silêncio do que defender a gestão Agnelo Queiroz na primeira reunião

A proposta da criação do Fórum de Politicas Públicas de Brazlândia vem deixando muita gente com dor de cabeça. Existe aqueles que acreditam que o projeto nada mais é que uma iniciativa de promoção pessoal de alguns velhos personagens da região.

Já tem outros que se deixar acredita que o Fórum de fato vai interferir na escolha do próximo administrador. Entre uma dúvida e outra, existe um grupo que tende a não participar mais dos próximos encontros.

O grupo de petistas da cidade sofreu ataques dos mais diversos no primeiro encontro. Segundo apurou o blogdogbu a tendência é que o show de pancadarias a gestão Agnelo Queiroz continue nos próximos encontros. Um dos ilustres petistas da cidade foi claro sobre o que vem pela frente; " Não podemos falar nada. Corremos o risco de sermos linchados na reunião. Então o melhor é não ir mesmo. E se formos o melhor caminho é ficarmos calados", declarou um esmorecido petista.

fonte: Redação

17dez/140

Politica: Administração de Brazlândia na mãos de Juarezão

Juarezão  foi convidado para mais um bate papo com Rollemberg. Dessa vez para falar sobre a administração de Brazlândia

jua

A composição do Secretariado da gestão Rollemberg trouxe um alivio para aqueles que acreditavam que os indicados poderiam compor a lista negra da politica de Brasilia.

Formada a base de técnicos e intelectuais de diversas áreas. O governador tem agora a missão de compor o segundo escalão da nova gestão ouvindo os distritais e demais parlamentares do DF.

Em Brazlândia, a tendência natural será a escolha do comando da região ficar a cargo do distrital da região, Juarez Carlos - popularmente conhecido por moradores como Juarezão.

O blogdogbu ouviu de um dos mais novos palacianos que Juarezão será de fato o padrinho da região. Então vamos esperar!

fonte: Redação

16dez/140

Na justiça Rollemberg consegue a sua primeira vitória

Vitória do governador eleito Rodrigo Rollemberg. Sua caneta terá plenos poderes. O Tribunal de Justiça do DF concedeu liminar ao próximo governo que o autoriza a remanejar ou alterar órgãos e entidades, alterar vinculação e atribuição de cargos e empregos em comissão integrante da estrutura administrativa do Distrito Federal.

Com isso autarquias, fundações, empresas públicas e sociedades de economia mista. Rollemberg também poderá alterar níveis, criando ou extinguindo unidades administrativas, cargos de natureza especial e cargos ou empregos em comissão desde que não resultem em aumento de despesas.

Traduzindo

O governador eleito terá toda a autonomia desejada para fazer o que bem quiser da máquina pública. Uma derrota e tanto na conta da Câmara Legislativa.

Fazendo a limpa

O futuro governo pretende extinguir secretarias e administrações regionais. Varjão, Lago Norte, Lago Sul, Fercal, Sobradinho II é só algumas das RAs que estão correndo o risco de serem extintas. Só resta saber como será a reação da Câmara Legislativa.

fonte: blogdoodir

13dez/140

Rollemberg divulga análise e prevê receber DF com rombo de R$ 3,8 bi

Ele fala em cem riscos à execução de serviços e desrespeito à LRF.Atual gestão nega e diz trabalhar para concluir governo com contas em dia

Vice-governador eleito, Renato Santana; o governador eleito, Rodrigo Rollemberg; o coordenador geral da transição, Hélio Doyle; a coordenadora executiva da transição, Leany Lemos (Foto: Raquel Morais/G1)

Vice-governador eleito, Renato Santana; o governador eleito, Rodrigo Rollemberg; o coordenador geral da transição, Hélio Doyle; a coordenadora executiva da transição, Leany Lemos (Foto: Raquel Morais/G1)

Raquel Morais Do G1 DF

O governador eleito Rodrigo Rollemberg (PSB) afirmou acreditar que vai receber o Distrito Federal com um rombo de R$ 3,8 bilhões nos cofres públicos, somando gastos e contratos feitos e ainda não pagos, além de cem riscos à prestação de serviços. A atual gestão negou que exista essa situação e disse estar trabalhando para entregar o governo "em perfeito funcionamento e com as contas em dia".

As informações foram apresentadas em uma coletiva de imprensa neste sábado (13) e são baseadas na análise das finanças, levantadas pela equipe de transição desde o resultado do pleito. Para elaboração dos dados, a equipe foi dividida em seis grandes coordenações e oito grupos temáticos.

O déficit estimado aumentou em relação ao primeiro pronunciamento, quando o esperado era de R$ 2,1 bilhões. Rollemberg também disse na ocasião estar convicto de não ser “o salvador da pátria”. Ele foi eleito em segundo turno com 55,56% dos votos. Na época, a Secretaria de Comunicação do GDF negou a existência de dívidas e afirmou que, conhecendo os números de arrecadação e gastos, a transição veria que não havia déficit.

"[Vemos] Um total descontrole, total desorganização e total irresponsabilidade administrativa, com o aumento exponencial dos gastos. Gastos muitas vezes contratados sem o apoio, sem o acordo, sem a concordância da Secretaria de Fazenda", declarou neste sábado o novo chefe do Executivo. "Eu diria que na história política do DF nunca houve um desequilíbrio financeiro e orçamentário como estamos assistindo nesse final de governo”.

Rollemberg disse ainda haver um "apagão de gestão". "Temos informações de que, pela primeira vez na história do DF, o DF não conseguirá honrar os pagamentos de salários de 2014 com recursos de 2014. [...] O DF não pagará os salários com o tesouro, com o orçamento, descumprindo com isso a Lei de Responsabilidade Fiscal."

Entre os riscos apontados estão falta de professores para os ensinos infantil e fundamental, falta de remédios na Farmácia Central, descontinuidade nos serviços de limpeza, vigilância e lavanderia da área de saúde por falta de repasse, falta de manutenção dos equipamentos da Polícia Militar, perda de investimentos no transporte público e risco de interrupção dos serviços do Metrô. O futuro gestor não estimou tempo para “solucionar” os problemas, mas disse que trabalha com medidas para os primeiros 120 dias.

“Ao longo da campanha eu usei uma expressão que no nosso entendimento expressava a situação: ‘apagão de gestão’. A população do DF já sentia na má qualidade, na interrupção dos serviços públicos, que havia um apagão de gestão. Mas quero confessar a vocês que, após o segundo turno, quando tivemos a oportunidade de nos debruçarmos de forma mais detalhada sobre informações e números do DF, nós não imaginávamos que a situação fosse tão grave. A situação é efeitvamente muito mais grave do que imaginávamos”, disse.

Análise e primeiras ações

Coordenadora executiva da transição, Leany Lemos disse que desde 2012 vem ocorrendo déficits na compensação de entre a arrecadação e as despesas. De acordo com os cálculos da equipe, o valor era de R$ 314 milhões em 2012, R$ 1,2 bilhão em 2013 e, até outubro, 1,6 bilhão em 2014. “[O problema] Não é uma boca de jacaré. É uma boca de hipopótamo”, afirmou.

O coordenador da área técnica, Carlos Tomé, citou números obtidos por meio dos estudos: carência de 3.234 professores – sendo 470 de matemática e 406 de português e falta de 220 medicamentos na Farmácia Central e 70 nas unidades de saúde. Ele também disse que há quebra de equipamentos por falta de manutenção e risco de perda imediata da força de trabalho, já que 572 médicos temporários devem ter os contratos encerrados nos primeiros meses de 2015.

Rollemberg disse que vai definir, com a ajuda do novo secretariado, que será anunciado na segunda-feira, as medidas para estimular o aumento na arrecadação. Já foram anunciados cortes no número de cargos comissionados e redução da quantidade de secretarias.

Nova gestão

Entre as propostas do novo governador estão a adoção do turno integral em todas as escolas públicas, a redução do número de secretarias de governo, a implantação do bilhete único para transporte coletivo, a criação do conselho e transparência e a escolha de administradores regionais por meio de eleição. Ele também defende uma gestão baseada na estipulação de metas e no acompanhamento de resultados.

Atualmente senador pelo DF, Rollemberg disputou o segundo turno com Jofran Frejat (PR). Ele assumiu a liderança da disputa para o Palácio do Buriti na reta final do primeiro turno, após a renúncia da candidatura de José Roberto Arruda (PR), que não conseguiu reverter a condenação por improbidade que o deixou na condição de ficha suja. A condenação se deu por conta da participação dele no esquema de corrupção que ficou conhecido como mensalão do DEM.

No primeiro turno, Rollemberg atingiu 45,23% dos votos e disputou todo o segundo à frente nas pesquisas de intenção de voto. A disputa inicial envolvia seis candidatos. Além de Rollemberg e Frejat, tentavam a eleição o atual governador Agnelo Queiroz (PT), Luiz Pitiman (PSDB), Toninho (PSOL) e Perci Marrara (PCO).

Dificuldades financeiras

O governo do Distrito Federal alega que teve uma arrecadação menor do que a esperada e que isso se refletiu no pagamento de servidores e manutenção de serviços. O Executivo afirma que vai fechar as contas e entregar o governo sem dívidas ao próximo gestor, Rodrigo Rollemberg. No primeiro discurso após a eleição, ele havia dito que o rombo era de R$ 2,1 bilhões.

Servidores da área de Saúde em protesto em frente ao Hospital de Base de Brasília (Foto: Isabella Formiga/G1)

Servidores da área de Saúde em protesto em frente ao Hospital de Base de Brasília (Foto: Isabella Formiga/G1)

Na saúde, o governo decidiu remanejar R$ 84 milhões de convênios com o governo federal – incluindo o fomento a programas de combate e prevenção a doenças como dengue e Aids, que apresentaram indicadores ruins neste ano – para pagar dívidas com fornecedores e reabastecer a rede pública da capital do país com medicamentos e materiais hospitalares. Um levantamento feito por técnicos estima que o rombo da pasta seja de R$ 150 milhões.

Além disso, os 850 médicos residentes dos dez hospitais escola cruzaram os braços contra a interrupção do fornecimento de refeições e o não pagamento das bolsas. A paralisação começou na quarta-feira e afeta outros profissionais de residência, como estudantes de enfermagem, também participam do ato.

A crise também afetou os serviços de manutenção de gramados, plantio e limpeza de canteiros ornamentais, além da poda de árvores, que foram suspensos por falta de verba. Quatro empresas – Coopercam, EBF, Tria e FCB – eram responsáveis pela atividade, com aproximadamente 500 trabalhadores. Elas também eram responsáveis por fornecer equipamentos e transporte dos funcionários.

A Novacap já havia anunciado a suspensão da segunda fase do “Asfalto Novo”, programa de recapeamento em vias urbanas do Distrito Federal. O motivo apontado também foi falta de dinheiro. A companhia afirmou na ocasião que ainda restavam 2 mil quilômetros de pistas a receberem obras.

Grama alta atrapalha acesso a telefone público, na QNM 42, em Taguatinga Norte (Foto: Natalia Godoy/G1)

Grama alta atrapalha acesso a telefone público, na QNM 42, em Taguatinga Norte (Foto: Natalia Godoy/G1)

Na educação, creches conveniadas com o governo completaram 13 dias com as atividades paralisadas. De acordo com o conselho que as representa, 15 unidades estão de portas fechadas por falta de dinheiro. As instituições afirmam que não recebem os repasses do DF há três meses e que estão arcando com os custos para manter as creches em funcionamento com recursos próprios.

O governo diz que que o atraso ocorre por motivos pontuais e que está "adequando o fluxo de caixa para arcar com os compromissos assumidos". A previsão era de que o pagamento fosse feito até sexta, o que não ocorreu. Não há informações sobre o número de crianças afetadas.

O problema também afetou o transporte público. Motoristas e cobradores de quatro das cinco empresas de ônibus cruzaram os braços entre sexta e segunda por não receberem o 13º salário e outros benefícios. O DFTrans repassou R$ 35 milhões para as viações, para garantir a retomada dos serviços. No período, 700 mil pessoas foram prejudicadas.

Já quatro cooperativas que rodam em seis regiões administrativas decidiram manter a greve pelos mesmos motivos. A única que encerrou a paralisação foi a MSC, no Recanto das Emas. Por isso, um grupo fechou a saída da garagem da empresa nesta quinta em protesto.