18jan/180

PROCURADORIA VAI PEDIR AUMENTO DA PENA DE LULA POR TRÊS CRIMES COMETIDOS

TRF4 DECIDIRÁ SE AUMENTA CONDENAÇÃO DE LULA DE 9 PARA 20 ANOS

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
18jan/180

OUTDOORS EM PORTO ALEGRE PEDEM ‘LULA NA CADEIA’; JULGAMENTO SERÁ DIA 24

CARTAZES SÃO ASSINADOS PELO MBL E PELO VEM PRA RUA

OS OUTDOORS APRESENTAM A IMAGEM DE LULA COMO PRESIDIÁRIO, NO ESTILO DO PIXULECO (FOTO: REPRODUÇÃO)

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
18jan/180

Ultimato tucano: militantes têm até esta quinta para deixar GDF

Partidários que não entregarem os cargos imediatamente enfrentarão, já a partir de sexta, processo no Conselho de Ética do PSD

Michael Melo/Metrópoles

MICHAEL MELO/METRÓPOLES

Termina nesta quinta-feira (18/1) o prazo para os integrantes do Partido da Social Democracia do Brasil (PSDB) empregados no Governo do Distrito Federal (GDF) deixarem as funções públicas ou comunicarem à sigla o afastamento temporário das atividades partidárias. Após e-mail redistribuído nesta semana aos tucanos nomeados na administração distrital, o presidente da regional da legenda, deputado federal Izalci Lucas, garante que levará os desobedientes ao Conselho de Ética do partido, já a partir desta sexta-feira (19).

Um dos principais alvos da investida é a ex-governadora e atual secretária de Projetos Estratégicos do GDF, Maria de Lourdes Abadia (na imagem em destaque, ao lado do governador Rodrigo Rollemberg). Ela é acusada de descumprir decisões locais da sigla ao ingressar no governo do socialista à frente do Distrito Federal.

Fundadora do PSDB, a tucana minimiza a pressão de Izalci. “Eu não estaria no governo se não fosse por um consentimento da Executiva Nacional. Só aceitei o convite de integrar o GDF após consultar o presidente [nacional da sigla], Geraldo Alckmin, sobre a possível aliança com o PSB [Partido Socialista Brasileiro]”, afirmou. O governador de São Paulo é o atual comandante nacional dos tucanos.

O vice-governador de Alckmin é Márcio França, filiado ao PSB-SP. Com a possível candidatura do tucano à Presidência da República, França é cotado como natural sucessor do presidenciável ao Palácio dos Bandeirantes, numa possível aliança com o PSDB. Segundo Abadia, é em nome dessa aproximação que houve a conversa com o governo de Rollemberg. “Tenho compromisso com o Alckmin, que é mais do que meu candidato: é meu amigo”, garante.Izalci descarta qualquer chance de um acordo com o atual chefe do Executivo distrital, ao sustentar que não há deliberação nacional, segundo ele, para sinalizar essa aliança. Pretenso candidato ao Palácio do Buriti, o parlamentar defende o imediato afastamento de tucanos da gestão socialista. “Nós não temos intenção de expulsar ninguém, nem que filiados fiquem sem trabalho nesta época de crise. A única coisa que não queremos é que as pessoas estejam no governo em nome do partido”, diz.

Segundo Lucas, com o vencimento do prazo dado pela sigla, o Conselho de Ética notificará os filiados, para que se defendam do suposto descumprimento da orientação partidária. O prazo foi determinado pela Executiva Regional da legenda, em documento expedido em dezembro do ano passado.“O importante agora é que o conselho de ética tem um prazo para analisar cada caso. Se não tiver manifestação alguma, os processos terão andamento até chegarem na Executiva, que é soberana.”

Coincidentemente, o prazo estipulado por Izalci Lucas para o desembarque dos tucanos brasilienses do GDF ocorre no mesmo dia em que outra militante assume uma secretaria de governo: Ilda Peliz será empossada nesta quinta-feira como secretária de Trabalho, Desenvolvimento Social, Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos do Distrito Federal (Sedestmidh).

A chegada dela ao Executivo local também foi alvo de duras críticas do presidente regional da legenda. “Quem fala pelo PSDB é o presidente e a Executiva, não dissidentes. O PSDB não indicou ninguém, porque somos oposição ao governo. Isso, sim, está decidido”, frisou Izalci.

“Não sou candidata a nada”

Ao contrário dos rumores sobre uma possível composição com Maria de Lourdes Abadia, a ex-governadora descartou a possibilidade de ser candidata a vice-governadora do Distrito Federal em uma possível chapa de reeleição de Rollemberg. A tucana justifica a decisão pelo cansaço acumulado nos últimos anos.

“Não tem essa conversa de ser vice, nunca teve. Se sou candidata a algo, sou candidata a ajudar na eleição nacional do Alckmin. E só”, garantiu. Abadia diz ainda não saber se deixará o cargo público em abril. “Vamos saber disso mais para frente. Mas não sou candidata a nada.”

Na quarta-feira (17), os governadores Rodrigo Rollemberg e Geraldo Alckmin almoçaram juntos na Residência Oficial de Águas Claras. Durante a conversa, os dois gestores trataram de política nacional e local, para avaliar as possibilidades de cenários e composições. Rollemberg solicitou apoio do possível aliado para apaziguar o clima de calor no tucanato local. Alckmin se comprometeu a conversar com Izalci nos próximos dias.

Questionada sobre o encontro dos governadores, Abadia informou não ter sido comunicada oficialmente sobre a conversa. No entanto, reconheceu a necessidade de se encontrar o consenso no ninho tucano e disse que, para isso, qualquer tipo de apoio é bem-vindo. “Temos pedido um encontro com ele [Alckmin] para resolver essa questão. Tenho que ver esse documento que recebi por e-mail. Preciso saber o que vou fazer”, encerrou. Metropóles.

 

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
11jan/180

“emenda do Iprev” para investir em obras e contratar servidores em ano eleitoral

Medida fortalecerá o caixa do GDF com R$ 1,3 bilhão. Os dois projetos precisam ser aprovados pela Câmara Legislativa dia 15

Rafaela Felicciano/Metrópoles

Para não ferir a legislação e correr o risco de ter as medidas contestadas por inconstitucionalidade, o GDF dividiu a proposta em dois novos projetos de lei que alteram o orçamento aprovado pela Câmara Legislativa em dezembro do ano passado. Além disso, o uso dos recursos do Iprev para pagamento de pessoal era um dos argumentos utilizados pela oposição para não aprovar a medida. As alterações serão enviadas ainda nesta quinta aos distritais, que vão precisar mergulhar no assunto durante o fim de semana.

Do montante, R$ 123 milhões serão para nomeações de novos servidores. Segundo o GDF, a maioria será para as áreas de Saúde e Educação. Dentro do valor bilionário, o governo pretende destinar R$ 407 milhões para investimentos na Saúde e R$ 298 milhões para a Educação. A área de mobilidade urbana, por exemplo, vai dispor R$ 148 milhões.

O Instituto de Previdência dos Servidores (Iprev) entrará com R$ 1,3 bilhão, enquanto R$ 231 milhões serão destinados por depósitos judiciais previstos em decisão liminar do Supremo Tribunal Federal (STF). Para que o plano dê certo, no entanto, o GDF precisa do aval dos deputados distritais, que enxergam na votação a chance de barganha para conseguirem a liberação de verbas para emendas parlamentares.

Segundo o GDF, trata-se de um recurso economizado com a reforma da previdência aprovada pela Câmara Legislativa no ano passado. Com isso, o governo deixou de repassar R$ 170 milhões ao fundo.

Veja quais as áreas que receberão os recursos, segundo o GDF:

Reprodução

REPRODUÇÃO

A discussão sobre a emenda ao Projeto de Lei Orçamentário Anual (PLOA) se arrasta desde dezembro. À época, os distritais discordaram do texto, que previa até casamentos comunitários com o dinheiro. De férias e recém-operada, a secretária de Planejamento Leany Lemos participou da coletiva por considerar “um projeto muito importante para o governo”.

Segundo as primeiras avaliações, a divisão em dois projetos foi a forma que o Palácio do Buriti encontrou para destinar parte dos recursos ao pagamento de pessoal, como a contratação de médicos. Facilitaria, ainda, atender pedido dos parlamentares, que estariam condicionando a aprovação da proposta à liberação de emendas.

A presidência da Câmara iniciou um trabalho, na terça (9), para tentar garantir que sejam atendidas demandas feitas pela população durante o programa Câmara em Movimento. A iniciativa leva deputados às Regiões Administrativas, para ouvir as necessidades de cada localidade. Na avaliação dos distritais, cumprir promessas feitas in loco à população terá valor inestimável na disputa eleitoral de outubro.

Indisposição

Da primeira vez em que a emenda foi rejeitada, o Governo do Distrito Federal considerou a medida um grave equívoco político e administrativo”, o qual prejudicava diretamente a população. Afirmou ainda que a atitude dos parlamentares tinha “desejos eleitorais inconfessáveis”.

Na ocasião, o Executivo local disse que o corte atingiria R$ 127 milhões para a contratação de servidores, prejudicaria a entrega de 202 leitos infantis no Hospital da Criança, comprometeria reforma em escolas e impediria a construção de 500 abrigos de ônibus.

A declaração provocou forte desconforto entre os parlamentares, que alegaram não ter votado a medida porque o GDF quebrou o rito da Casa, mandando a proposta sem tempo hábil para votação. Dias depois, após acordo no Colégio de Líderes, a análise da emenda ficou marcada para 15 de janeiro, em sessão extraordinária. fonte: Metropóles.

 

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
9jan/180

Distritais discutem mudanças em emenda que tira R$ 1,2 bilhão do Iprev

 A menos de uma semana da votação, Executivo não encaminhou o texto ao Legislativo. Presidência da Casa criará grupo de estudos nesta terça

Felipe Menezes/Metrópoles

FELIPE MENEZES/METRÓPOLES

O Executivo quer usar o dinheiro para reconstruir escolas, reformar unidades de saúde e nomear servidores. Existe um acordo assinado pelo Colégio de Líderes para votar e aprovar a liberação dos recursos na segunda-feira (15/1). Os deputados, entretanto, analisam se existem questões inconstitucionais na medida e se o GDF cumprirá a promessa de incluir no texto demandas da população feitas durante o programa Câmara em Movimento – quando a Casa faz sessões itinerantes nas Regiões Administrativas.

Nesta terça-feira (9/1), o presidente da CLDF, Joe Valle (PDT), inicia, com um grupo de técnicos,  análise da proposta do Executivo a fim de detalhar o que vai à plenário. No entanto, a equipe trabalhará com o texto enviado à Câmara em 12 de dezembro, além das promessas firmadas em acordo, uma vez que a versão final do Buriti não foi concluída.Apesar de o deputado Wasny de Roure (PT) ter pedido que a emenda estivesse protocolada na CLDF 10 dias após a votação do orçamento, o Executivo só terminará o texto e o enviará aos parlamentares na quinta-feira (12).

“Em cima do documento enviado em dezembro, vamos analisar o que é legal e o que será votado de forma pormenorizada. Vamos detalhar e encaminhar aos deputados todas as análises. Há um entendimento, por exemplo, de que essa verba não pode ser usada para pagar pessoal. Vamos estudar tudo”, afirmou Joe.

O grupo ainda discutirá mudanças, como destinar R$ 100 milhões, a pedido da população, a investimentos em infraestrutura, construção de escolas, creches e centros de saúde. Além disso, uma subemenda deve ser sugerida pelos deputados com o objetivo de contemplar o pagamento de pecúnias aos aposentados. Hoje, o GDF deve cerca de R$ 500 milhões em Licença-Prêmio por Assiduidade.

“A discussão se o pagamento da licença é cabível ou não deve ser feita, mas, no momento, é lei e precisa ser cumprida. As pessoas contam com esse dinheiro para as aposentadorias e há uma demanda grande das categorias para que a legislação se aplique”, completou o presidente da CLDF.

Previsão

Enquanto isso, o Executivo tenta fechar a emenda e encaminhá-la à Câmara Legislativa com detalhes. No último documento, a previsão era de que a verba fosse usada para a entrega de mais de 202 leitos infantis do Hospital da Criança, a posse de servidores da Secretaria de Saúde, de agentes de atividades penitenciárias e de outras categorias, a construção e a reforma de escolas, além de reparos e obras em 500 abrigos de ônibus, entre outros.

Um dos acordos no Colégio de Líderes é que seria incluído, na matéria, a construção de pelo menos duas escolas, uma em São Sebastião e outra no Itapoã.

Restrições

Apesar de o acordo entre a CLDF e o GDF contar com a aprovação de 17 dos 24 distritais, a situação pode se inverter até a votação de segunda (15). O distrital Wasny de Roure (PT), por exemplo, trabalha para detalhar a possibilidade de custeio de pessoal com dinheiro do Iprev. “Vamos chamar os deputados esta semana para clarear os fatos. O Executivo precisa mandar o projeto, para que possamos ter tempo de ver os outros prontos”, afirmou.

Cláudio Abrantes (sem partido) afirmou que tem dificuldades em votar a favor do projeto da maneira como está. “O fundo da aposentadoria era deficitário porque o governo o usou para fazer obras. Se fomos olhar detalhadamente a proposta, o GDF está usando novamente o dinheiro do servidor para investir em obras. Queriam usar até para casamento comunitário. Tudo com um argumento simplista”, criticou.

Segundo Abrantes, os parlamentares só conhecem o texto elaborado em dezembro. “Nada me foi repassado até o momento. Cancelei minhas férias para analisar o tema, mas não sabemos o que vamos votar”, disse.

Reginaldo Veras (PDT) afirmou que estará em plenário na próxima segunda, mas também quer ver o texto com tempo hábil para analisá-lo antes da votação. “Precisamos estudar se terá algum ‘submarino’ e se a proposta de destinação da verba para construção de escolas será mantida”, afirmou.

A reportagem tentou entrar em contato com deputados da base do governo. Luzia de Paula e Juarezão, ambos do PSB, não atenderam o telefone. O líder do governo na Câmara, Agaciel Maia (PR), estava com o telefone desligado durante toda a segunda-feira. De acordo com pessoas ligadas a ele, o deputado está em uma fazenda, incomunicável. O deputado Rodrigo Delmasso (Podemos) não atendeu as ligações. Metopóles.

 

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
8jan/180

Pelo menos 11 nomes do 1º escalão devem deixar o governo Rollemberg

Entre eles, secretários, adjuntos e presidente de estatal vão se desligar dos cargos para disputar a próxima eleição

Michael Melo/Metrópoles

MICHAEL MELO/METRÓPOLES

Até o dia 1º de abril, prazo limite para a desincompatibilização de quem ocupa cargo público e deseja disputar as eleições de 2018, pelo menos 11 nomes podem deixar oficialmente o 1º escalão do  Governo do Distrito Federal (GDF). Entre os possíveis candidatos, estão secretários, secretários-adjuntos e presidentes de estatais.

Com a necessidade imediata do ingresso de novos nomes para integrar as secretarias de Justiça e Cidadania (sem titular desde dezembro do ano passado) e do Trabalho e Desenvolvimento Social (que deve permanecer com o PSDB), assessores do Palácio do Buriti pretendem antecipar uma inevitável reforma administrativa na gestão Rodrigo Rollemberg (PSB), com vistas a acomodar possíveis aliados e tentar somar forças políticas para garantir a reeleição do chefe do Executivo.

A pessoas próximas, Rollemberg tem dito querer evitar que as duas pastas sejam ocupadas por algum pretenso candidato, por conta do curto prazo de trabalho até a desincompatibilização.

Na fila das mudanças, estão pelo menos nove secretários e dois presidente de estatais. Eles devem disputar vagas para as Câmaras Legislativa e Federal. Os futuros candidatos esperam do governador a compreensão de permanecerem no cargo até o limite previsto em lei, no início de abril.

Michael Melo/Metrópoles

MICHAEL MELO/METRÓPOLES/Leila, secretária de Esportes, deve deixar o governo de olho na eleição

Conheça quem deve deixar o governo nos próximos meses:

Marcos Dantas (PSB) – secretário das Cidades
Leila Barros (PRB) – secretária de Esportes
Igor Tokarski (PSB) – secretário de Meio Ambiente
Aurélio Araújo (PV) – secretário da Criança
Maria de Lourdes Abadia (PSDB) – secretária de Projetos Estratégicos
Jaime Recena (PSB) – secretário-adjunto de Turismo
Thiago Jarjour (sem partido) – secretário-adjunto de Ciência e Tecnologia
Tiago Coelho (PSB) – presidente da Fundação de Apoio à Pesquisa
Marlon Costa (PSB) –  subsecretário de Mobiliário Urbano e Participação Social
Julio Menegotto (PSB) – presidente da Novacap

Nomes em potencial

Apesar de não contabilizados, outros nomes também podem aderir à dança das cadeiras. O secretário de Agricultura, Argileu Martins, por exemplo, pode ser a aposta para arrebanhar votos da área rural. Publicamente, nunca assumiu a intenção.

O secretário de Economia e Desenvolvimento Sustentável, Valdir Oliveira, é tido como candidato por alguns integrantes do governo, apesar de não falar abertamente sobre o assunto. Ele chegou a dizer que tinha a intenção de disputar o cargo de vice-governador, caso tivesse a chance.

Outro que é alvo de comentários desconfiados sobre possível pretensão política é o secretário de Mobilidade, Fábio Damasceno. No entanto, ele não confirma ter pretensões políticas. A ex-secretária de Segurança, Márcia de Alencar, é estimulada a disputar uma cadeira no Legislativo local. Hoje, ela ocupa vaga na assessoria do gabinete do governador.

Já o secretário de Habitação, Thiago Andrade, apesar de ser uma indicação técnica, tem sido incentivado a concorrer às eleições deste ano. Mesmo sem assumir a possível candidatura, assessores de Rollemberg apostam no caminho político do aliado, devido a sua habilidade e também pelas constantes aparições públicas ao lado do chefe do Executivo.

Por último, o vice-governador Renato Santana (PSD) é tido como possível candidato a deputado distrital. No entanto, ele ainda avalia a proposta. Uma brecha na lei permite que vice-governador não tenha de se desincompatibilizar caso não substitua o governador até seis meses antes da eleição. Na hipótese de Rollemberg viajar ou se licenciar neste período, Santana também terá de se afastar, caso deseje manter a candidatura e também as funções de vice.

O que diz a lei

Os servidores e empregados da Administração Pública Direta, Indireta e Fundacional do Poder Executivo que desejarem concorrer a cargo eletivo em eleições devem afastar-se do exercício da função seis meses antes da eleição. O retorno pode ocorrer no dia seguinte ao do pleito. Metropóles.

 

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
6jan/180

Possível união entre Cristovam e Arruda é criticada pelo PT

Encontro entre as lideranças do Distrito Federal deve ocorrer em fevereiro. No cardápio, a discussão de uma chapa de oposição a Rollemberg

Michael Melo/Metrópoles

MICHAEL MELO/METRÓPOLES

Nessa sexta-feira (5/1), o presidente do PTB-DF, Alírio Neto, confirmou que um encontro “suprapartidário” deve ocorrer até a primeira quinzena de fevereiro para tentar unir nomes da política local contrários ao governo de Rodrigo Rollemberg (PSB).

Em conversa com o Metrópoles, a deputada federal Erika Kokay, presidente do PT-DF, criticou duramente a possibilidade da possível aproximação entre Cristovam e Arruda, visto que são conhecidos adversários na política recente do Distrito Federal. “Ele [Cristovam] está se aliando a um passado completamente nefasto. Parece é que está desesperado, buscando de forma macabra reconquistar o espaço perdido por sua total incoerência, e justamente ao lado de quem destruiu Brasília”, disparou a petista.

Cristovam confirmou à reportagem a intenção de ouvir os possíveis aliados no próximo mês, apesar de descartar a participação direta de Arruda na composição final. “Todo mundo está conversando com todo mundo. O Arruda não está se colocando na chapa. Digamos que faço parte desse grupo, e dele deve sair uma chapa ou mais de uma. Isso vai depender do objetivo que temos e como isso será visto pelos olhos do eleitor”, avaliou.

O senador lembrou que, no processo democrático do Brasil, várias alianças tidas como impossíveis acabaram sendo concretizadas em prol, segundo ele, da população. “Getúlio [Vargas] se aliou a Carlos Prestes para fazer a democracia. O processo democrático uniu também Ulysses [Guimarães] e [José] Sarney, radicalmente diferentes entre eles. Ninguém põe duvidas de que eram alianças com fins de interesse nacional. Mas tem que parecer assim aos olhos dos eleitor”, ponderou Cristovam.

A chamada “Frente em prol de Brasília” tenta concluir a difícil missão de colocar na mesma mesa lideranças insatisfeitas com os rumos do atual comando do Governo do Distrito Federal (GDF). Além de Cristovam, Arruda e Alírio, o encontro contará ainda com a participação de Jofran Frejat, possível candidato ao GDF pelo Partido da República. Não é descartada a presença do presidente da Câmara Legislativa, Joe Valle (PDT).

“O que queremos é reunir nomes preocupados com a cidade e, a partir daí, compor uma aliança realmente preocupada com o futuro do Distrito Federal. Esse é o nosso objetivo fundamental”, explicou Alírio. O ex-distrital esteve nessa sexta-feira (5) com o ex-governador José Roberto Arruda – na ocasião, tratou do encontro. Para Alírio, o momento é de tentar abrigar as diferentes lideranças numa única chapa majoritária.

Convergência

Fundador do PT no Distrito Federal, o deputado distrital Chico Vigilante minimizou a possível aproximação entre os personagens políticos antagônicos de Brasília, ao lembrar as constantes variações de posicionamento político dos integrantes da possível aliança. “Esse tipo de reunião não significa nada. Na história recente, Alírio apoiou o governo de Arruda e o de Agnelo [Queiroz]. Cristovam apoiou Agnelo e Rollemberg. Esse encontro definitivamente não representa muita coisa”, reforçou.

O ato de ouvir diferentes grupos políticos não necessariamente sinaliza a concretização de uma aliança única, explica Cristovam. O primeiro passo, diz ele, será encontrar os nomes que realmente disputarão as eleições e, vencida essa etapa, convencer o eleitorado sobre a possível união. “Como fazer para que a aliança apareça como patriótica e não como oportunista? Se não formos capazes de chegar ao convencimento do motivo de estarmos juntos, é melhor não ter aliança. Essa reunião pode até acabar tanto em aperto de mão quanto com um aceno de despedida.” Metropóles.

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
2jan/180

Deusdete responde as insinuações de sua possivel desistência a pré- candidatura

Nota de Esclarecimento

 Olá, amigos!

Isso é mais um golpe sujo do grupo do deputado Juarezão em tentar desestabilizar nosso trabalho que hoje está crescendo muito com os dissidentes dele.

Portanto, declaro aos meus admiradores que sou pré candidato a deputado distrital e não apoio o Juarezão e nenhum outro candidato com mandato.

Sou a favor da RENOVAÇÃO POLÍTICA.

Abraços

DEUSDETE da Clínica Recanto

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
27dez/170

Detox Pós-Festas

Nutricionista dá dicas para se recuperar dos excessos do Natal e do Ano-Novo

 

 

A ressaca das festas de fim de ano não perdoa. Com excesso de bebidas e comidas, o corpo costuma reclamar: o inchaço e a indisposição são os efeitos mais comuns. Para auxiliar na recuperação, o nutricionista Daniel Novais tem uma receita bem simples, que ajuda a eliminar a retenção de líquidos, diminuir a compulsão por doces e aumentar a disposição.

Receita para desintoxicar depois das festas

Ingredientes

– 2 limões

– 1 colher de chá de canela

– 2 cm de gengibre ralado (ou 1 colher de chá de gengibre em pó)

Modo de preparo

Esprema os dois limões, acrescente a canela, o gengibre e, se achar necessário, um pouco de água (gelada fica com o sabor melhor). Mexa bem e tome tudo!

“O limão ajuda a alcalinizar o sangue. O excesso de acidez faz mal para o corpo. Já a canela e o gengibre são termogênicos, eles aceleram o metabolismo e aumentam a disposição”, explica Daniel. “Não é uma bebida gostosa, mas funciona! O ideal é tomar logo ao acordar, em jejum, durante alguns dias”, indica.

Mas, é claro, a bebida não faz milagre. Além dela, o nutricionista Daniel Novais tem outras recomendações para deixar o corpo mais leve e começar bem o ano:

1) Hidratação é fundamental. Beba bastante água;

2) Evite o consumo de produtos ultraprocessados, por exemplo, lasanha congelada, macarrão instantâneo, refrigerantes…

3) Diminua o consumo de açúcar e de frituras;

4) Abacaxi, limão, canela, gengibre, açafrão, cravo, cranberry e alimentos verde-escuros (couve, por exemplo) são aliados no processo de desintoxicação. Bebidas com esses ingredientes são uma boa pedida;

5) A água de coco e os chás, principalmente o verde, o branco e o de hibisco, também são recomendados;

6) Evite bebidas alcoólicas;

7) Prefira alimentos integrais, que tenham uma boa quantidade de fibras, pois elas regulam o funcionamento do intestino. “Quando o intestino não está legal isso acaba deixando a pessoa letárgica, indisposta, entre outros problemas”, alerta o nutricionista.

8) Pratique atividades físicas. “De modo geral, um exercício aeróbio é muito bom para suar bastante e ajudar nesse processo de eliminação de substâncias ruins para o organismo. Mas é o educador físico que vai fazer a melhor indicação para cada pessoa”, orienta Daniel. “O mais importante é ser uma atividade prazerosa, que você goste, e consiga encaixar na sua rotina.”

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
26dez/170

Desconstruindo Candidaturas: Izalci Lucas

Dando continuidade a serie Desconstruindo Candidaturas, o personagem de hoje é o deputado federal, presidente do PSDB-DF, Izalci Lucas.

Desde  2015 Izalci propaga pelos quatros que é pré-candidato ao Governo do Distrito Federal (GDF), para isso o parlamentar vem percorrendo as cidades do DF e tentou de todas as formas emplacar o seu nome nessa disputa.

Em 2014, o então deputado Luiz Pitman passou o trator no PSDB e conseguir ser candidato ao Palácio do Buriti e assim Izalci foi preterido. Mas mesmo assim, o parlamentar obteve mais votos que o desconhecido Pitman.

O tempo passou e o deputado enfim conseguiu se declarar pré-candidato ao governo. Mas  as coisas saíram dos trilhos e não está sendo bem assim. Primeiro que Izalci não tem o  próprio partido nas mãos a todo tempo o deputado distrital Robério Negreiros e a trupe de Maria de Loudes de Abadia tentam o derrubar.

Segundo, suas pretensões são duvidosas e até mesmo piada nas rodas de articulações, o nome do deputado sempre é citado com essas interrogações: "Afinal quem manda no PSDB-DF?" "Será que Rollemberg tomou o partido?"

Todas essas dúvidas rondam Izalci e o fizeram perder pontos nas conversas de pé de ouvido e também nas pesquisas, o nome do parlamentar perdeu bastante folego, fruto de toda essa confusão. Se ele soubesse o que a dita direita fala ao seu respeito,ficaria com as orelhas bem vermelhas e ardendo.

Abadia, Rollemberg, Robério e a instabilidade minaram a candidatura do parlamentar que atualmente está no rabo do foguete. Em Brasília, o PSDB tem a fama de ser nanico mesmo sendo um partido considerado grande. As picuinhas na alta plumagem tucana engoliram Izalci e a sua turma.

Outra questão muito falada pelos seus "amigos" de articulações que o deputado é desagregador e não consegue montar uma chapa para conseguir se viabilizar na disputa. Sem contar com a fama de "interventor" que querendo ou não essa imagem acabou pegando.

O certo mesmo seria Izalci tentar a reeleição a federal ou mesmo agarrar com unhas e dentes uma vaga ao Senado. A confusão em seu partido e a aparente falta de comando a cada dia que passa o deixa mais distante da disputa, as nuvens da política mostram isso.

Resumo:

1 - O maior opositor de Izalci é o próprio PSDB-DF que tem nos seus quadros certas lideranças falidas, que mesmo assim atrapalham.

2 - Izalci foi alçado pela executiva nacional e está suscetível a uma rasteira na mesma proporção.

3 - Nas articulações seu nome não figura como cabeça de chapa e no máximo que pensam é  na sua reeleição a federal

4 - Se Izalci não consegue combater certas lideranças falidas imagine encarar uma disputa ao Palácio do Buriti

5 - A nominata do PSDB tanto para federal e para distrital são fraquíssimas

- A ala do PSDB que está no governo tenta o derrubar de todas as formas, mesmo eles sendo lideranças falidas.

7 - Até hoje Izalci não mostrou o menor poder de articulação. Isso é muito comentado nos bastidores.

8 - Tentar uma vaga ao Senado seria uma saída honrosa ou até mesmo a reeleição para deputado federal.

9 - Parece que o deputado não têm forças para retaliar aqueles que tentam o derrubar de todas as formas.

Na próxima matéria iremos falar de Wanderley Tavares

Fonte: Redação

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
25dez/170

Politica: Deusdete desiste e facilita chances de Juarezão

foto Facebook

O empresário Deusdete Benevides deverá abrir mão do sonho em virar deputado distrital em 2018 e tende adiar seu projeto politico para 2022. Caso se confirme o que os bastidores políticos já se antecipa em dizer, o distrital Juarezão amplia ainda mais as suas chances de reeleição na pacata cidade de Brazlândia.

Procurado para falar sobre a desistência de Deusdete Benevides, o parlamentar do PSB preferiu despistar; "O momento é de muito trabalho. Não posso falar de algo que não está ao meu alcance", declarou Juarezão ao gbu.

 

fonte: Redação

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
24dez/170

Politica: Juarezão ganha apoio de ex- aliado de Deusdete Benevides

Com a possível saída do páreo do empresário Deusdete Benevides do processo desse ano. O distrital do PSB, Juarezão, já começa a ganhar apoios e adesões ao seu projeto de reeleição. A mais nova aquisição de Juarezão foi o anúncio de apoio do empresário no ramo de gastronomia, Tio Rona, a candidatura do socialista.

O gbu falou com Tio Rona que se disse satisfeito com a sua tomada de decisão;" Vejo a cidade organizada e um deputado sem envolvimento com coisa errada. Então o mais legitimo seria dar o meu apoio ao nosso deputado Juarezão. Não busco benefícios ou favores individuais. Quero minha cidade com representante e dentro de nossa cidade a única aposta mais viável seria no Juarezão", declarou Rona ao gbu.

 

 

fonte: Redação

Quero CompartilharShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn