28maio/160

Politica: Lider comunitário será convidado para disputar as eleições de 2018

s

Silvano Marques - Líder Comunitário de Brazlândia

O meio politico vem observando com muito cuidado as mudanças que se avizinham. Entre essas mudanças uma parte significativa será a nova forma de se fazer politica com responsabilidade e que ao final chegue aos resultados desejados.

Na região de Brazlândia - mas precisamente na região rural do Incra 08, o nome do líder comunitário Silvano Marques foi lembrado nas rodas de conversas partidárias e será convidado para as disputas eleitorais de 2018. Segundo algumas pessoas o convite a Silvano faz parte dessa mudança de visão partidária;" Ele tem a comunidade como prioridade em suas ações. E isso é diferente!", declarou uma fonte partidária, ligada a gestão Rollembeg.

A proposta poderá partir de legendas como; PRTB, PMDB e até do PSD, partido do vice- governador Renato Santana. O blogdogbu tentou falar com Silvano Marques para confirmar se o convite já teria sido ventilado a ele, mas não obtivemos sucesso por telefone.

fonte: Redação

 

27maio/160

Politica: Brazlândia terá mais um servidor público nas disputas de 2018

12963790_1588338144817760_1665341587015089515_n

A cidade de Brazlândia começa a se movimentar de forma antecipada para o processo politico de 2018. Nomes como; Bruno Simão, Iolando Almeida, Juarezão, Edberg Lopes, Baltazar Cristino, Neizinho Brasilia e Silvano Marques já estão a prova para analises politicas com vistas ao futuro.

O servidor público Flávio Sousa figura no rool de pré- candidatos á distrital e procurado pelo o blogdogbu ele confirmou o interesse de colocar o nome para o crivo das urnas;" Sou pré- candidato e espero contribuir da melhor forma possível com Brazlândia e com o DF em 2018. Precisamos de mudanças de postura e serei defensor de medidas que beneficie a comunidade", disse Flávio.

fonte: Redação

27maio/160

DELATOR AFIRMA QUE LULA GENRENCIOU CORRUPÇÃO PESSOALMENTE

EX-DEPUTADO CONTA COMO LULA GERENCIAVA O ROUBO À PETROBRAS

lula-e-dilma

O ex-presidente Lula gerenciou pessoalmente o esquema de corrupção da Petrobras, segundo afirmou em depoimento o ex-deputado Pedro Corrêa, condenado do mensalão e preso na Lava Jato.

Corrêa disse que Lula coordenada tudo, inclusive a indicação dos diretores corruptos da estatal e a divisão do dinheiro desviado entre os políticos e os partidos. A revista Veja teve acesso aos 72 anexos do depoimento de Pedro Corrêa

Em seus depoimentos, sob acordo de delação premiada, o político pernambucano descreveu situações em que Lula tratou com os caciques do seu partido, o PP, sobre a farra nos contratos da Diretoria de Abastecimento da Petrobras, comandada por Paulo Roberto Costa, o Paulinho, preso e condenado na Operação Lava Jato.

Uma das passagens mais emblemáticas, segundo o delator, se deu quando parlamentares do PP se rebelaram contra o avanço do PMDB nos contratos da diretoria de Paulinho. Um grupo foi ao Palácio do Planalto reclamar com Lula da "invasão". Lula, de acordo com Corrêa, passou uma descompostura nos deputados dizendo que eles "estavam com as burras cheias de dinheiro" e que a diretoria era "muito grande" e tinha de "atender os outros aliados, pois o orçamento" era "muito grande" e a diretoria era "capaz de atender todo mundo".

Os caciques do PP se conformaram quando Lula garantiu que "a maior parte das comissões seria do PP, dono da indicação do Paulinho". Se Corrêa estiver dizendo a verdade, é o testemunho mais contundente até aqui sobre a participação direta de Lula no esquema da Petrobras.

fonte: Diáriodopoder

27maio/160

Um Passarinho Me Contou

...que na história política do DF, o relacionamento entre os deputados distritais era bem próximos ao estilo juntos e misturados. Esse era o enredo...

...que os governadores costumam ser próximos dos deputados distritais para conseguir aprovarem os seus projetos sem sustos. É uma via de mão dupla...

...que alguns usam do artificio de levar deputados distritais para o governo, ou seja, os parlamentares abrem espaço para os seus suplentes assumirem. Facilita as coisas...

...que o suplente não se rebela contra o governo, caso faça isso volta para suplência, sem dó e nem piedade. Só que hoje isso mudou. Tempos novos...

...que na atualidade há um distanciamento claro entre o governador Rodrigo Rollemberg e os deputados distritais. Eles não andam justos e misturados. Longe disso...

...que podemos dizer: Rollemberg é um governador isolado e ilhado. Nas inaugurações costuma-se ver poucos distritais presentes prestigiando as suas ações...

...que se esse colunista fosse dar um conselho ao governador Rollemberg, nós diríamos para ele abrir os olhos. O isolamento sempre vem acompanho de traições. Fui entendido?...

...que a aproximação com os deputados distritais petistas não é por acaso. Alguém está prevendo alguma coisa estranha...

...que o seu antecessor Agnelo Queiroz não era tão isolado, mas o final todos já sabem. Agnelo tentou a sua reeleição e os distritais seguiram outro caminho...

...que Marlon Costa é homem de confiança para cuidar das Administrações Regionais e feiras populares. A sua nomeação saiu no Diário Oficial desta sexta-feira,27...

...quer Marlon Costa foi nomeado subsecretário das Cidades. Na prática e falando de forma clara, Marlon é o secretário das Cidades. Um homem forte...

...que a função de Marlon será de dar mais agilidade as demandas dos administradores regionais. Além de tornar as feiras populares um bom lugar para frequentar...

...que o governador Rollemberg tem distribuído o pessoal de sua confiança em pontos estratégicos. Poucos estão percebendo isso... 

...que o pastor Daniel de Castro que foi personagem de um de nossas matérias(leia aqui) que junto a outros pastores evangélicos coordenador da campanha de Rollemberg ao Senado...

....que se a política fosse igual a matemática o certo seria Daniel de Castro estar ao lado de Rollemberg. Vai entender essas coisas... 

Eita Passarinho que sabe de coisas, gente! 

Por Odir Ribeiro 

27maio/160

Renan chama Janot de “mau caráter” em gravação de delator

Novos diálogos da bombástica delação premiada do ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado trazem à tona a preocupação e os ânimos exaltados dos políticos diante dos avanços da Lava Jato, maior operação de combate à corrupção já feita no Brasil. Em uma das conversas com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB), os dois revelam suas impressões sobre o procurador-geral da República Rodrigo Janot, responsável por conduzir as investigações contra os políticos com foro privilegiado.

Machado – Agora esse Janot, Renan, é o maior mau-caráter da face da terra.

Renan – Mau caráter! Mau-caráter! E faz tudo que essa força-tarefa (Lava Jato) quer.

Machado – É, ele não manda. E ele é mau caráter. E ele quer sair como herói. E tem que se encontrar uma fórmula de dar um chega pra lá nessa negociação ampla pra poder segurar esse pessoal (Lava Jato). Eles estão se achando o dono do mundo.

 Renan – Dono do mundo

O trecho foi revelado nesta quinta-feira (26) pelo Jornal Hoje, da TV Globo. Renan é alvo de ao menos 12 inquéritos no Supremo Tribunal Federal (STF) devido às investigações da Lava Jato e Machado também é alvo de investigações na Corte. Temendo que seu caso fosse enviado para a primeira instância, ao juiz Sérgio Moro, em Curitiba, o ex-presidente da Transpetro acabou aceitando fazer um acordo de delação premiada e entregar os áudios e contar o que sabe à Procuradoria-Geral da República.

Humildade

Outro diálogo gravado do senador Renan Calheiros (PMDB-AL) mostra como ele empenhou-se pessoalmente no processo que culminou no dia 10 de maio com a cassação do ex-senador Delcídio Amaral (ex-PT/MS). O interlocutor de Renan chama-se Vandenberg. Os investigadores suspeitam que trata-se de Vandenberg Machado, assessor da CBF em Brasília e muito próximo do PMDB e de Renan.

A conversa de Renan, divulgada pela TV Globo, ocorreu no dia 24 de março, quando o Conselho de Ética do Senado ainda conduzia o processo contra Delcídio.

Preso em 25 de novembro de 2015 por supostamente tramar contra a Operação Lava Jato, o ex-petista fechou acordo de delação premiada em que revelou envolvimento de colegas no esquema Petrobras. Delcídio também citou o ex-presidente Lula e a presidente afastada Dilma Rousseff.

O ex-petista foi solto em 19 de fevereiro, dias depois do acordo com a Procuradoria-Geral da República.

Veja abaixo os trechos da gravação divulgada nesta quinta-feira, 26.

Renan – O que ele (Delcídio) tem que fazer… Fazer uma carta, submeter a várias pessoas, fazer uma coisa humilde… Que já pagou um preço pelo que fez, foi preso tantos dias… Família pagou… A mulher pagou…

Vandenberg – Ele (Delcídio) só vai entregar à comissão, fazer essa carta e vai embora.

Renan – Conselho de Ética. Falei agora com o João (João Alberto, presidente do Conselho de Ética). O João, ele fica lá ouvindo os caras… O Conselho de Ética não tem elementos para levar processo adiante. Também é ruim dizer que não vai levar o processo adiante. Então, o Conselho de Ética tem que requerer diligências requisição de peças e enquanto isso não chegar fica lá parado…

Vandenberg – (João Alberto) vai colocar em votação e vai ter uma derrota antecipada…

Conversas

Uma de suas conversas gravadas com políticos já levou à queda de Romero Jucá (PMDB) do Ministério do Planejamento. No diálogo revelado na segunda-feira, 23, o senador aparece discutindo propostas para “estancar” a Lava Jato com a saída de Dilma e a chegada de Temer à Presidência. Machado também gravou conversas com o ex-presidente José Sarney (PMDB).

Machado foi filiado ao PSDB por dez anos, período em que chegou a se eleger senador e virar líder da sigla no Senado. Posteriormente se filiou ao PMDB e, há pelo menos 20 anos, mantém proximidade com a cúpula do partido que chegou à Presidência da República após o afastamento temporário de Dilma Rousseff com a abertura do processo de impeachment no Senado.

A delação do ex-presidente da Transpetro foi homologada nesta semana pelo ministro relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal Teori Zavascki. Com isso, a partir de agora Janot pode decidir quais serão os próximos passos das investigações e solicitar a abertura de novos inquéritos.

Não é a primeira vez que políticos investigados na operação criticam o procurador-geral. O ex-presidente e também senador Fernando Collor (PTB-AL) já lançou vários xingamentos a Janot, desde “fascista da pior extração” e até de “filho da puta”, na tribuna do Senado.

“Trata-se de um fascista da pior extração, e cuja linhagem pode ser perfeitamente traduzida nas palavras de Plutarco: ‘Nada revela mais o caráter de um homem do que seu modo de se comportar, do que quando detém um poder e uma autoridade sobre os outros. Essas duas prerrogativas despertam toda a paixão e revelam todo o vício’“, afirmou o parlamentar no ano passado, dois dias antes de Janot ser sabatinado no Senado para ser reconduzido ao cargo.

Collor foi denunciado pelo procurador ao Supremo, teve sua mansão revistada pela Polícia Federal e até seus veículos de luxo chegaram a ser apreendidos a pedido de Janot, que acusa o parlamentar de acumular o patrimônio com dinheiro de propina. Informações do Estadão.

26maio/160

Celina diz que redução do preço de refeições atende pedido da CLDF

“A vitória é de todos nós”! comemorou a deputada Celina Leão, presidente da Câmara Legislativa do DF (CLDF), lembrando que que oito meses depois de aumentar os preços, governo do Distrito Federal anuncia que as refeições vão custar R$ 2 para o público comum e R$ 1 para beneficiários de programas sociais. “E já começou a vigorar desde segunda-feira (23)”, sublinhou Celina. O restaurante do Sol Nascente foi o primeiro com a cobrar este valor (R$1,00) e, após um mês, será estendido às outras localidades.

Há, exatamente um ano, a CLDF iniciou uma ”força tarefa”, com o objetivo de encontrar soluções para ajudar o Distrito Federal a sair da crise. “Criamos a ‘Frente Parlamentar contra a Crise’ para atender várias demandas e reivindicações de diversos setores da sociedade, a exemplo do aumento do preço das refeições dos Restaurantes Comunitários”, relembrou, enfatizando que em um esforço conjunto dos 24 parlamentares, a CLDF destinou a diversos setores R$ 24 milhões que foram economizados pela CLDF. “À época, criticamos os aumentos autorizados pelo GDF, e sugerimos que os recursos economizados pela CLDF, que somaram R$ 24 milhões, subsidiassem as refeições do Restaurante Comunitário, que antes custavam R$ 1,00.  Nosso apelo não foi em vão”.

Quando o aumento das refeições dos Restaurantes Comunitários foi anunciada, os parlamentares condenaram a decisão. “Um aumento de 300% no valor da refeição é inconcebível”, afirmou a deputada. E completou: “Também não concordaremos com qualquer aumento de imposto acima dos índices da inflação. O contribuinte, pagador de seus impostos, não poderá arcar com essa conta. A população não pode pagar a conta da crise no DF”, rebateu Celina na ocasião. E disse mais: “Sugiro que os R$ 24 milhões que a Câmara devolverá aos cofres do GDF subsidie a manutenção do preço nos restaurantes comunitários”.

Para que a população pague o antigo valor, R$ 1,00, os beneficiários de programas sociais do Governo deverão apresentar, no guichê do restaurante, documento de identificação com foto e constar do Cadastro Único do governo de Brasília, por meio de sistema da Secretaria do Trabalho, Desenvolvimento Social, Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos.

De acordo com o governador, a redução dos valores das refeições não causará grandes impactos nos cofres públicos, uma vez que o desde o reajuste em novembro do ano passado, a frequência de usuários nos restaurantes populares diminuiu. “Vamos reduzir o preço para toda a população. Tivemos a redução 47% no número de pessoas diariamente no restaurante. Isso fez com que as empresas responsáveis repactuassem o preço e aumentar o valor do subsídio pago para o Governo. Com a redução, a nossa expectativa é aumentar a frequência de usuários e atender a população mais carente”, detalhou o governador. Com os valores antigos, os custos estimados aos cofres públicos estavam em R$ 21 milhões, agora com o novo valor é de R$ 22 milhões. 

fonte: estaçãodanoticia

26maio/160

Caixa de Pandora: Quase tudo igual cinco anos depois da demissão

EIXO CAPITAL: Operação Caixa de Pandora: Quase tudo igual cinco anos depois da demissão de Leonardo Bandarra e Deborah Guerner

POR ANA MARIA CAMPOS – CORREIO BRAZILIENSE –

Em maio de 2011, em decisão histórica, o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) demitiu, de uma só vez, dois promotores de Justiça do Distrito Federal. Leonardo Bandarra e Deborah Guerner receberam a pena máxima aplicada a um integrante do Ministério Público na esfera administrativa: a perda do cargo. Foi a primeira vez que um ex-procurador-geral de Justiça sofreu tal penalidade, desde a criação do órgão que disciplina a atuação da classe. Cinco anos depois, nada aconteceu, a não ser o afastamento do trabalho dos dois envolvidos no escândalo da Operação Caixa de Pandora. Mas eles continuam recebendo salários e nunca foram condenados na Justiça. A ação civil pública que determina a perda dos cargos vitalícios caminha lentamente, desde 2012, ainda na primeira instância.

Quase o teto

O salário bruto de Leonardo Bandarra quase bate o teto do funcionalismo público federal, que é R$ 33.763,00. O Ministério Público do DF paga ao ex-procurador-geral de Justiça R$ 32.887,19, com valores líquidos de R$ 24.273,12. O contracheque de Deborah Guerner mostra um vencimento de R$ 19.547,77 já com os abatimentos.

Recurso da AGU aguarda julgamento

Por efeito de uma liminar concedida pelo ministro Gilmar Mendes, em fevereiro de 2012, os promotores Leonardo Bandarra e Deborah Guerner mantêm os salários, apesar do afastamento do trabalho e da demissão decretada pelo CNMP. O ministro do STF considerou que o contracheque só pode ser suspenso quando houver decisão judicial transitada em julgado, ou seja, no desfecho do caso. No mesmo ano, a Advocacia-Geral da União (AGU) entrou com agravo contra a decisão de Gilmar, mas, até hoje, a análise está pendente no STF. Para a União, os promotores hoje estão em uma situação mais vantajosa daquela em que estariam se tivessem mantido “conduta ilibada”, já que continuam recebendo integralmente vencimentos “sem desempenhar qualquer contraprestação ao órgão ministerial”.

Na Justiça

Três denúncias contra Leonardo Bandarra, por violação de sigilo funcional, extorsão e sonegação fiscal, tramitam no Tribunal Regional Federal (TRF) da 1ª Região. Outra ação penal, relacionada a falsidade ideológica e uso de documento falso, não foi recebida pela Justiça. O procurador regional da República Ronaldo Albo recorreu ao STJ e o julgamento está suspenso com placar de 2 a 2, por pedido de vista do ministro Joel Ilan Paciornik. O Ministério Público pede pressa na análise do recurso porque esses crimes, supostamente relacionados à compra da casa de Bandarra no Lago Sul, vão prescrever em julho.

6 vezes em 11 anos

Em 11 anos de existência, o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) aplicou apenas seis vezes a pena de demissão a um integrante do Ministério Público. O DF contribui com um terço dessa lista. O último caso foi julgado em abril. O procurador da República Douglas Ivanowski Kirchner recebeu a pena pela acusação de agredir a própria mulher e mantê-la em cárcere privado.

Janot pede suspensão de pagamentos

O próprio Ministério Público defende a suspensão dos salários. Em março de 2014, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, se manifestou pela cassação da liminar no mandado de segurança de Deborah Guerner. Segundo Janot, ela “continua percebendo vencimentos e vantagens pecuniárias do cargo sem a correspondente contraprestação laboral”.

26maio/160

GIM ARGELLO CHAMA 15 PARLAMENTARES PARA DEFESA

GIM LISTA COMO TESTEMUNHAS DE DEFESA PARLAMENTARES DE NOVE PARTIDOS

Senador GIM
O ex-senador Gim Argello (PTB-DF), preso em abril na Operação Lava Jato, elencou como suas testemunhas de defesa na ação em que é acusado de cobrar propinas para evitar a convocação de empreiteiros nas CPIs das Petrobrás em 2014 um total de 15 parlamentares, sendo sete deputados e oito senadores. Na lista há nomes do PSD, PMDB, PT, PDT, PV, DEM, PSDB, PSB e PP.

Além disso, a defesa de Argello também listou como testemunha o ministro do Tribunal de Contas da União, Vital do Rêgo, o ex-senador e ex-ministro dos Transportes no governo Dilma Antônio Carlos Rodrigues (PR-SP), o ex-senador Hugo Napoleão (PSD-PI) e o diretor das comissões de inquérito do Senado, Dirceu Vieira Machado.

É o primeiro réu da Lava Jato que chama praticamente só políticos para sua defesa na ação em que responde perante o juiz federal Sérgio Moro, que vai avaliar a lista de testemunhas e pode pedir explicações ao ex-senador sobre porque escolheu os nomes.

O partido com mais nomes é o PT, com quatro parlamentares, seguido pelo PSDB, com três e o PSD, com dois. A partir daí, a defesa de Argello listou um político de cada partido citado acima. Se destacam na lista nomes como o deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP), um dos mais ferrenhos opositores de Dilma e que foi coordenador jurídico da campanha presidencial de Aécio Neves (PSDB) em 2014.

Também aparece o senador Humberto Costa (PT-PE), que virou líder do governo Dilma no Sendo após a prisão de Delcídio Amaral por tentativa de obstruir a Lava Jato e o deputado e ex-ministro das Cidades no governo Dilma Aguinaldo Ribeiro (PP-PB).

VEJA A LISTA COMPLETA DAS TESTEMUNHAS DE GIM ARGELLO:

Senador João Alberto Souza – PMDB-MASenador Sérgio Petecão – PSD-AC

Senador Humberto Costa – PT-PE

Senador Acir Gurgacz – PDT- RO

Senador Álvaro Dias – PV-PR

Ex-senador Antonio Carlos Rodrigues – PR-SP

Deputado Marco Maia – PT-RS

Hugo Napoleão, ex-ministro da Educação, ex-governador do Piaui e ex-senador que tentou se eleger em 2014 deputado pelo PSD-PI, mas não foi eleito

Deputado Rodrigo Maia – DEM-RJ

Deputado Carlos Sampaio – PSDB-SP

Senador José Pimentel – PT-PI

Senador Flexa Ribeiro – PSDB-PA

Senador Paulo Paim – PT-RS

Deputado Antonio Imbassahy – PSDB-BA

Deputado Hugo Leal – PSB-RJ

Deputado Antonio Brito – PSD-BA

Deputado Aguinaldo Ribeiro – PP-PB

Vital do Rêgo – ministro do TCUDirceu Vieira Machado – diretor das comissões de inquérito do Senado

Defesa. A lista foi encaminhada na defesa prévia – primeira manifestação dos réus após a aceitação da denúncia -, de Gim Argello ao juiz Moro.O documento de 59 páginas é subscrito pelos defensores do ex-senador – os advogados Marcelo Bessa, Rafael Ferracina, Fábio Ferreira Azevedo e Laryssa Brito Moreira.

Eles pedem que a denúncia contra Gim Argello seja encaminhada ao Supremo Tribunal Federal. Alegam que mais de um delator citou encontros de Argello e Vital do Rêgo com os empreiteiros que teriam sido extorquidos, segundo o Ministério Público Federal, no período das CPIs no Congresso e no Senado.Como é ministro do TCU, Vital do Rêgo tem foro privilegiado e só pode ser julgado pelo Supremo.

Além disso, os advogados pedem que a denúncia contra o ex-parlamentar seja rejeitada, alegando que ele recebeu doações legais e não propinas em troca de evitar a convocação de empreiteiros.

Nas duas CPIs da Petrobrás em 2014, das quais Argello participou, nenhum empreiteiro investigado na Lava Jato foi convocado para depor.Nesta ação penal, a Lava Jato, com base nas delações de vários empreiteiros, revelou que o ex-senador teria cobrado R$ 5 milhões de sete empreiteiras que atuaram no cartel na Petrobrás. Algumas empresas, como a Andrade Gutierrez, acabaram não pagando a propina.

Ao menos a OAS e a UTC, contudo, acertaram os pagamentos, sendo que parte da quantia foi repassada via doações oficiais para os partidos da coligação de Argello nas eleições de 2014 – formada por DEM, PR, PMN , PRTB e PTB.

O Ministério Público Federal não acusa nenhum dos partidos da coligação de irregularidades pois, segundo os investigadores, não há provas de que eles tinham conhecimento de que o pagamento era decorrente dos crimes de Argello.

Parte da propina teria sido entregue ainda em dinheiro vivo para Argello, incluindo uma parcela em euros e outra parte ainda teria sido destinada como doação de R$ 350 mil para uma paróquia de Brasília.

Além do ex-senador e seu filho, são réus nesta ação o ex-presidente da OAS, Léo Pinheiro, o presidente da UTC Ricardo Pessoa, um ex-assessor e um ex-publicitário que teriam atuado como operadores dos pagamentos a Argello. Os réus respondem pelos crimes de lavagem de dinheiro, formação de organização criminosa e obstrução à investigação. Quando a ação foi aberta, nem a OAS nem a UTC quiseram comentar o caso. (AE)

26maio/160

Missa de Corpus Christi na Esplanada reúne 20 mil fiéis em Brasília

Celebração começou ás 17h e terminou com procissão pela Esplanada.Arquidiciocese estimava presença de 100 mil cristãos durante todo o dia

Fiéis acompanham missa de Corpus Christi na Esplanada dos Ministérios, em Brasília (Foto: Polícia Militar do DF/Divulgação)

Fiéis acompanham missa de Corpus Christi na Esplanada dos Ministérios, em Brasília (Foto: Polícia Militar do DF/Divulgação)

 Do G1 DF

Cerca de 20 mil fiéis acompanharam a missa de Corpus Christi na tarde desta quinta-feira (26) na Esplanada dos Ministérios, em Brasília. A estimativa é da Polícia Militar. Responsável por organizar a celebração, a Arquidiocese de Brasília estimava que 100 mil católicos passassem pelas celebrações do feriado durante todo o dia. 

A missa começou às 17h e foi celebrada pelo arcebispo de Brasília, Dom Sérgio da Rocha. Ao fim, por volta das 18h30, os fiéis seguiram em procissão pelo canteiro central da Esplanada, em frente à Catedral Metropolitana, onde foram dadas bênçãos às famílias, aos enfermos, aos participantes, aos políticos e ao Brasil.

De acordo com a Polícia Militar, pelo menos 1,5 mil pessoas já tinham passado pelo local até as 12h. A manhã foi dedicada à montagem de tapetes artísticos com serragem, flores, pó de café, sal e materiais reciclados.

Com 120 metros, a decoração tradicional do feriado traz imagens como Cristo na cruz, cálices e hóstias. Os elementos fazem referência a símbolos do cristianismo e demarcam o caminho seguido pela procissão.

Trânsito

Por causa da sucessão de eventos, o trânsito no Eixo Monumental foi alterado durante todo o dia. A via ficou interditada nos dois sentidos durante a 1ª Corrida de Corpus Christi, no período da manhã, quando os tapetes ainda estavam em montagem.

Os participantes puderam escolher entre caminhada de 2,5 km e corridas de 5 e 10 km. As provas começaram às 8h. Em seguida, três faixas foram abertas dos dois lados até a hora da procissão, quando o Eixo será fechado novamente.

Os estacionamentos que têm acesso pelas vias N1 e S1 também tiveram acesso restrito durante a quinta-feira. A dica para os fiéis é que usem os anexos ministeriais para chegar à Esplanada.

O Metrô funciona entre 7h e 21h, com horário estendido em relação a outros feriados. A ideia é permitir que os participantes da missa retornem para casa utilizando os trens.

25maio/160

Politica: Ricardo Vale poderá ficar com Sobradinho I

Ricardo Valle - O herdeiro

Distrital Ricardo Valle 

O chefe do executivo já decidiu que sua base politica na Câmara Legislativa será firme e com acordos cumpridos por sua gestão. O grupo de petistas andam animados com os futuros entendimentos e certamente sinalizarão de forma positiva para Rollemberg.

O distrital Ricardo Vale poderá ser o primeiro a dar como certa a sua ida para a ala governista. Entre aliados do palácio do Buriti existe aqueles que acreditam que Sobradinho I poderá ser a base eleitoral de fato nas indicações politicas de Vale na gestão Rollemberg. Então vamos esperar!

 

 

fonte: Redação

25maio/160

Politica: acordos em andamentos

Divulgação

Divulgação

O governador Rodrigo Rollemberg decidiu que fará ampla maioria na Câmara Legislativa e para isso, não abrirá mão de falar com os 24 deputados distritais sem distinção de cor partidária.

Os petistas já foram procurados para uma conversa de pé de ouvidos e não será nenhuma surpresa se ambos aceitarem caminhar junto a Rollemberg em algumas situações pontuais .

Os mostram que os acordos não passam diretamente por indicações de apadrinhados dentro do GDF, embora não faltará oferta por parte do chefe do executivo para os futuros aliados petistas. A começar por Ricardo Valle em Sobradinho I.

fonte: Redação

25maio/160

Jornalistas criam Movimento Independente

Um grupo de jornalistas de Brasília lança, nesta quarta-feira (25), o Movimento Independente – MI Novas Mídias. No manifesto de apresentação, o grupo explica que não pretende construir uma hegemonia, tampouco substituir esse ou aquele meio de comunicação. “Estamos aqui para ocupar o nosso espaço como alternativa e dar a nossa contribuição à informação e à sociedade”, explica.

O MI Novas Mídias não tem a pretensão de protagonismo. Não se trata de uma entidade cartorial pautada na burocracia. É um movimento político-social. “Somos livres, independentes e nosso compromisso é com a notícia e a opinião, seja ela através de blogs, portais, redes sociais, vídeos ou qualquer meio de comunicação que faça chegar informação aos cidadãos”, diz o manifesto.

Movimento Independente –MI Novas Mídias

Manifesto

Ao pensar as relações entre as novas mídias e a comunicação, forma-se uma sociedade em rede. Essa sociedade, que se desenvolve a partir das novas tecnologias, cria formas de agrupamento e de coordenação ativa.

Não viemos para construir uma hegemonia, tampouco para substituir esse ou aquele meio de comunicação. Estamos aqui para ocupar o nosso espaço como alternativa e dar a nossa contribuição à informação e à sociedade.

Quem somos? O Movimento Independente de Novas Mídias não tem a pretensão de protagonismo.

Não somos uma entidade cartorial pautada na burocracia. Somos um movimento. Não temos caciques. Somos todos iguais.

Somos livres, independentes e nosso compromisso é com a notícia e a opinião, seja ela através de blogs, portais, redes sociais, vídeos ou qualquer meio de comunicação que faça chegar informação aos cidadãos.

Qual o conceito de velha e de nova mídia?

Nesse caso, mais do que situar-nos em uma dessas definições, o importante é diferenciar duas formas de encarar essa questão. Uma delas é tecnológica, a outra é política. O velho e o novo.

A definição tecnológica trata como velha mídia os chamados meios tradicionais, especialmente os impressos, mas também televisão e rádio; e chama de nova mídia a internet, especificamente blogs e redes sociais.

Esse tipo de definição carrega problemas políticos que constroem a perspectiva excludente da mídia. Isso porque o adjetivo “velho”, especialmente quando confrontado diretamente com a ideia de “novo”, carrega forte carga negativa, como algo superado, que já não serve mais. Essa noção é equivocada.

Não consideramos isso. Todos os meios precisam se reinventar para levar a informação honesta da melhor forma e é isso que vem acontecendo.

A internet pode, sim, ser mais um caminho para atender à necessidade de obter informações.

Não é a internet que vai construir a transformação. São as pessoas, apropriando-se de todas as ferramentas e facilidades disponíveis para isso – inclusive a internet. São as pessoas que precisam mudar. É o homem novo que precisa ser construído e, a partir dele, e com ele, uma nova mídia.

Agindo sobre essas bases conceituais teremos maior capacidade de entender quem somos e o papel que podemos cumprir enquanto construtores dessa nova mídia e, com ela, de uma nova sociedade.

O MI Novas Mídias veio para contribuir neste debate!

Brasília-DF, 25 de maio de 2016

Carlos Honorato                                              Marcos Machado

Delmo Menezes                                               Maurílio Macedo

Ederson Marques                                            Odir Ribeiro                      

Edson Sombra                                                 Renato Riella    

Elton Santos                                                    Renato Souza

Luciano Lima                                                   Ricardo Callado

fonte: blogdoodir

24maio/160

Regulamentação do serviço de mototáxi é discutida em audiência pública

Audiência tratou ainda da implantação de motofaixas

A Câmara Legislativa do Distrito Federal realizou na manhã desta segunda-feira (23) uma audiência pública para discutir a regulamentação da Lei nº 5.309/2014, que institui o serviço de mototáxi. Durante o encontro, os participantes também debateram a implantação de motofaixas nas vias da cidade e a criação da Cidade das Motos, semelhante à Cidade do Automóvel, sugestões apresentadas pelo deputado Lira (PHS), também autor da audiência pública.

Lira propôs que o governo incentive a criação da Cidade das Motos, por de meio subsídios para que empresários possam investir no local. A Cidade, segundo ele, abrigaria revendas de motos, lojas de acessórios, oficinas, pontos de encontro, praça de alimentação e áreas para shows.

O distrital justificou a implantação de motofaixas devido ao grande número de acidentes envolvendo motociclistas. Segundo ele, no ano passado foram registradas 85 mortes de motociclistas e no ano anterior aconteceram 764 internações por causa de acidentes com motos. Lira argumentou ainda que a frota de motos já corresponde a 16,5% dos veículos registrados no DF.

Para ele, a faixa exclusiva vai contribuir para conciliar motos, carros e bicicletas. O deputado quer que o governo garanta as motofaixas nas novas pistas que sejam construídas e propõe ainda que nas vias já existentes os motociclistas possam trafegar nas faixas hoje destinadas aos ônibus.

Alguns participantes do evento lamentaram a morte do motociclista Antônio Eduardo Mendes, de 52 anos, ocorrida ontem na primeira avenida do Sudoeste.

Mudanças – O subsecretário de Serviços da secretaria de Mobilidade, Roberto Pojo, informou que a regulamentação da Lei do Mototáxi está em discussão dentro do governo e deve sofrer mudanças. De acordo com ele, alguns problemas foram detectados e estão sendo discutidos com a categoria. A intenção do governo é apresentar uma proposta com as modificações e promover uma consulta pública à população antes da regulamentação.

Pojo adiantou que uma das modificações deve ser a retirada da exigência de atestado de capacidade técnica fornecido por entidade representativa, previsto na Lei. Segundo ele, o governo não pode repassar este tipo de atribuição para uma entidade privada. O governo também deve rever a limitação de uma mototáxi para cada mil habitantes. A ideia é que o serviço respeite a demanda de cada cidade, independentemente da população. O subsecretário disse ainda que estuda ampliar o serviço para triciclos e permitir o transporte de pequenas bagagens.

Sobre as faixas exclusivas para as motos, o representante do GDF adiantou que a discussão precisa ser levada para o DER e Detran, para que avaliem os custos, a viabilidade e o impacto no tráfego nas rodovias e vias internas.

O motociclista Henrique de Melo Cavalcante sugeriu a criação de um espaço para as motos nos semáforos, à frente dos carros a fim de permitir que eles tenham prioridade na largada. Já Eduardo Fade propôs que a legislação tenha regras rigorosas para o exercício da profissão de mototaxista, com a realização de exames toxicológicos, como acontece com os caminhoneiros.

 
Luís Cláudio Alves - Coordenadoria de Comunicação Social
24maio/160

Seção 2 continua cruel com Lira

A tensão entre o deputado distrital, Lira(PHS) e o governador Rodrigo Rollemberg teve mais um capítulo. No Diário Oficial desta terça-feira, 24, trouxe várias exonerações e nomeações na administração de São Sebastião.. 

As nomeações eram também de Lira. O curioso é que o parlamentar recentemente havia se encontrado com o governador. Mas mesmo assim, a "limpa" foi feita em São Sebastião. 

A caneta de Rollemberg continua implacável.

Fonte: Blogdoodir
24maio/160

TEMER DIZ QUE PODERÁ REVER DECISÕES POR NÃO TER COMPROMISSO COM O ERRO

PRESIDENTE ANUNCIA MEDIDAS ECONÔMICAS E PEDE UNIÃO NACIONAL

Brasília - DF, 24/05/2016. Presidente Interino Michel Temer durante apresentação das medidas econômicas. Foto: Marcos Corrêa/PR

Brasília - DF, 24/05/2016. Presidente Interino Michel Temer durante apresentação das medidas econômicas. Foto: Marcos Corrêa/PR

O presidente Michel Temer antecipou a líderes partidários várias medidas na área econômica, como a devolução ao Tesouro Nacional de R$100 bilhões transferidos ao BNDES, e afirmou que, como Juscelino Kubitschek, "o governo não tem compromisso com o erro" e que não terá problemas de recuar de decisões que se revelem equivocadas.

Temer disse ainda que o governo jamais vai impedir ou dificultar investigações de esquemas corruptos, "ao contrário, vai incentivá-las". O presidente citou a Constituição para reafirmar o compromisso de cumprir o princípio da moralidade.

Temer afirmou que, à frente da Presidência, quer cumprir a missão de ajudar a tirar o País da crise. Mas ponderou que isso não ocorrerá em "12 dias, dois meses, três meses". "Vamos levar tempo". O presidente afirmou que considerará a sua missão cumprida se conseguir entregar, em 2018, um País com eleições tranquilas. Por isso, insistiu na tese da necessidade de "pacificação nacional". "Precisamos pacificar o Pais. Não podemos ficar nessa situação", afirmou.

Temer disse que não se pode permitir a guerra entre os brasileiros. "Isso é inadmissível", afirmou. O presidente em exercício afirmou que os olhos do governo estão voltados para as camadas mais pobres. "Traremos o crescimento ao País", disse.

fonte: Diáriodopoder